Entre os dias 18 e 28 de março, ficarão proibidos de funcionar os serviços de bares e restaurantes, shoppings e galerias comerciais, óticas; salas de cinema e teatros, academias, salão de beleza e similares, comércio varejista de vestuário, calçados, eletroeletrônicos e linha branca, cama, mesa e banho e produtos de armarinho, escolas e universidades (públicas e privadas), clubes sociais, esportivos e agremiações, práticas e competições esportivas, praias, parques e praças, ciclofaixas de lazer, eventos culturais e de lazer, além dos sociais. Já as igrejas e demais templos religiosos só poderão funcionar para atividades administrativas e para preparação e realização de celebrações online.

Já na lista de serviços que estarão liberados para funcionar, considerados essenciais pelo Governo de Pernambuco, estão supermercados, padarias, farmácias, postos de combustíveis, petshop, clínicas, ambulatórios e similares, bancos e lotéricas, transporte público, indústrias, atacado e termoelétricas, construção civil, material de construção, materiais e equipamentos de informática, lojas de materiais e equipamentos agrícolas, oficinas e assistências técnicas e lojas de veículos. Além disso, os serviços de alimentação, como bares e restaurantes, poderão funcionar no sistema de delivery e retirada.

Desde o último dia 3 de março, Pernambuco já estava com medidas mais restritivas e apenas os serviços essenciais podiam funcionar entre 20h e 5h nos dias de semana e durante todo o final de semana. Como o decreto tinha validade até esta quarta-feira, o Governo de Pernambuco anunciou regras ainda mais rígidas no estado com o objetivo de conter um novo pico de contaminação do coronavírus e de sobrecarga no sistema de saúde estadual.

Em maio de 2020, o Governo de Pernambuco decretou uma quarentena mais rígida no Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata, com restrição da circulação das pessoas nesses municípios durante 15 dias. Na ocasião, o governador Paulo Câmara não utilizou o termo lockdown, mas o decreto proibia que as pessoas saíssem de casa sem necessidade. Além disso, houve rodízio de veículos e pontos de bloqueio nas cidades. Os serviços essenciais ficaram autorizados de funcionar durante o período. No ano passado, o decreto começou no dia 12 de maio, de forma educativa, e no dia 16 para valer, com validade até o dia 31.

Diário de pernambuco

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar