Posts de Revista Total

Foto: Janaina Pepeu/ Secom
A governadora Raquel Lyra abre o Festival Pernambuco Meu País nesta sexta-feira (12), em Taquaritinga do Norte, no Agreste Setentrional. Com R$ 25 milhões de investimento estadual, o evento multicultural passará por oitos cidades pernambucanas do Agreste e do Sertão, de 12 de julho a 1º de setembro. O Festival conta com nomes regionais e nacionais, além de várias linguagens artísticas, entre elas cinema, artesanato, dança, teatro e música. A festividade potencializa o mercado criativo de Pernambuco, fortalecendo nossa cultura e impulsionando o turismo em todo Estado.

O pontapé inicial para a primeira edição do Festival Pernambuco Meu País acontece a partir das 11h desta sexta-feira (12). Ao longo do dia, o público local e turistas poderão conferir, de forma gratuita, diversas manifestações culturais que marcam a identidade do estado, além de garantirem diversão e muita dança com quatro shows no período da noite, no palco que leva o mesmo nome que o festival. O evento, que acontecerá em conjunto com a quinta edição do Festival Café Cultural, contará com 80% de artistas locais, beneficiando 700 mil pernambucanos de forma direta.

O Festival Pernambuco Meu País também passará pelos municípios de Bezerros/Serra Negra, de 19 a 21 de julho; Gravatá, de 26 a 28 de julho; Pesqueira, de 2 a 4 de agosto; Caruaru, de 9 a 11 de agosto; Triunfo, de 16 a 18 de agosto; Arcoverde, de 23 a 25 de agosto; e Buíque, de 30 de agosto a 1º de setembro.

AGENDA DA GOVERNADORA RAQUEL LYRA | Sexta-feira, 12 de julho de 2024

20h – Abertura do Festival Pernambuco Meu País

Local: Praça Antônio Pereira – Av. Professor Luiz Carlos, s/n – Centro, Taquaritinga do Norte – PE

Já ouviu falar em Lei do Retorno? Aparentemente, ela é real, pelo menos na vida do garçom Lucas Martins. Ele relata que, um dia, recebeu uma notificação em seu celular de um Pix enviado por um número desconhecido, no valor de R$ 1500. Já sabendo que era engano e com medo de perder o dinheiro, o garçom fez uma manobra: “Tirei logo o valor da conta em que havia recebido e transferi para uma outra. Fiquei com o dinheiro e gastei. Só que, uma semana depois, fui fazer um Pix para um amigo para comprar bebida e comida, e dessa vez fui eu que acabei enviando para a pessoa errada. Perdi o dinheiro”, lamentou.

Você sabe o que fazer quando envia um Pix para alguém por engano? O professor do curso de Direito da Wyden, Vinicius Serra, explica que nesses casos, é preciso agir rapidamente. “Entre em contato diretamente com a pessoa ou empresa que recebeu o Pix, explique a situação e peça a devolução do valor”, orienta Serra. Além disso, é importante notificar imediatamente a instituição financeira que realizou a transação, por meio do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) ou outra via de suporte.

Existem mecanismos de proteção para os remetentes que enviam Pix para contas erradas. As instituições financeiras oferecem suporte para resolver questões relacionadas a transações equivocadas. “É fundamental contatar o banco imediatamente após perceber o erro”, ressalta Serra.

Algumas instituições financeiras possuem mecanismos internos que permitem a solicitação de devolução de valores transferidos erroneamente, geralmente envolvendo a colaboração do destinatário do Pix. Caso essas ações não resolvam o problema, é recomendado registrar um boletim de ocorrência na delegacia, formalizando a situação e preparando o terreno para uma eventual ação judicial.

E se fui eu que recebi o dinheiro por engano?

Segundo o professor da Facimp, o Código Penal brasileiro prevê penalidades para quem se apropria de valores indevidos. “O artigo 169 do Código Penal define a apropriação de coisa alheia vinda ao poder por erro, caso fortuito ou força da natureza como crime de apropriação indébita, o que inclui valores recebidos indevidamente via Pix”, explica. A pena para esse delito é de detenção de um mês a um ano, ou multa.

“Se a pessoa que recebeu o Pix errado se recusar a devolver o valor, você pode ingressar com uma ação judicial de cobrança ou de restituição de valores pagos indevidamente. Será necessário apresentar provas, como comprovantes da transação e registros de comunicação (ou tentativa) com o destinatário”, explica Serra. “Por isso, é importante registrar o boletim de ocorrência, independente de qualquer coisa”, recomenda.

Aciona o MED!

Para casos de golpes envolvendo o PIX, o Banco Central criou o sistema MED – Mecanismo Especial de Devolução do PIX. “Esse mecanismo permite solicitar uma análise para o estorno da transferência”, informa o professor. Quando o golpe é confirmado e há saldo na conta do golpista, o valor (total ou parcial) é devolvido para a conta de quem fez o Pix, e a pessoa que recebeu a transação fraudulenta é notificada.

Para solicitar o MED, é necessário entrar em contato com o atendimento do banco e pedir orientação sobre como proceder com a solicitação. De acordo com dados do Banco Central, os golpes envolvendo o Pix têm aumentado desde sua implementação. Em 2022, foram registradas mais de 40 mil reclamações relacionadas a fraudes e transações equivocadas.


O Congresso internacional da Pró-Inclusão atua em colaboração com o Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e a Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Lisboa.

A presidente do Instituto Incluir, Carina Alves, ministrará uma roda de conversa com mestres sobre Inclusão e Direitos Sociais no dia 18, e receberá uma Medalha de Mérito da Comissão Organizadora do 8.º Congresso Internacional – “50 anos após abril: Diversidade, Equidade e Inclusão”, que será realizado em Lisboa, no dia 20 de julho. A honraria é concedida para profissionais que, reconhecidamente, apresentam um percurso de vida dedicado à educação, inclusão e equidade de Direitos Humanos, pela organização Pró-Inclusão, que tem como idealizador David António Rodrigues.

Margarida Loureiro é presidente da Pró – Inclusão – Associação Nacional de Docentes de Educação Especial- e David Rodrigues é membro da European Network on Inclusive Education and Disability , diretor da revista “Educação Inclusiva”. É membro do Conselho Consultivo da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. E, desde junho de 2015, Conselheiro Nacional de Educação.


Em 2022, o Instituto Incluir conquistou o Prêmio Confúcio de Alfabetização, conferido pela UNESCO Paris e pelo governo da China aos principais projetos de alfabetização no mundo. O projeto do Incluir escolhido foi o Literatura Acessível (idealizado por Carina Alves) que também foi finalista do Prêmio Jabuti, mais importante no segmento da literatura no país.

“Quando recebi o convite para receber uma medalha de Mérito da Pró-Inclusão em Portugal, meu coração encheu de alegria. Perceber que a minha luta reverbera fronteiras é um combustível para a locomotiva da inclusão não parar” destaca a carioca.

O projeto faz parte de seu Instituto, o Incluir, que tem como objetivo, promover a inclusão e a participação de pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social, sobretudo, pessoas com deficiência, através da cultura, esporte e educação.

A doutora Carina
Carina Alves é Doutora em Educação, Psicóloga, escritora, poetisa e ativista social. Ela atua no terceiro setor há mais de 20 anos, marcando presença com seus projetos sociais de geração de renda e no atendimento básico de famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social. Para isso, sua ONG usa além da educação, o esporte e a cultura, como meios de inclusão. “Sempre escrevi poesias, desde a infância, mas só agora me encorajei a mostrá-las”, conta Carina.

O Projeto Literatura Acessível, que ganhou o prêmio da UNESCO Paris, nasceu em 2014, durante a defesa de mestrado em Educação de Carina. Foi como um ‘clique’, quando ela ouviu de uma pesquisadora da banca o que ela faria com as histórias dos jovens com deficiência que ouviu durante a apuração dos dados para sua pesquisa de mestrado. “Uma das doutoras da banca me disse que a base da educação são – as crianças – tinha de aprender mais sobre a diversidade humana e o mundo infantil”, explicou a autora.

“O Instituto Incluir tem três palavras chave: democratizar, transformar e humanizar. A gente quer democratizar por meio da literatura, do esporte, dos atendimentos diretos e indiretos, e com isso transformar a realidade bárbara da exclusão que vivemos todos os dias”, finaliza.


O prefeito de Taquaritinga do Norte, Lero PSDB, concedeu entrevista na manhã desta quinta-feira ao programa ‘Cidade em Foco’, da Rede Pernambuco de Rádios e ao Blog do Alberes Xavier. No programa, ele falou sobre a expectativa em torno da abertura do 5º Festival Café Cultural, que este ano acontece em conjunto com a primeira edição do Festival Pernambuco Meu País.

Segundo o prefeito, a cidade se prepara para ‘o maior evento da história da Capital do Café’. “Só é no que se fala na cidade e na região”, disse ele, que seguiu afirmando que a rede hoteleira local já está completamente lotada e que o comércio já sente o aquecimento, gerado pelo grande número de visitantes, que chegam a Taquaritinga, oriundos de todos os cantos do estado.

Para finalizar, Lero afirmou que a cidade está preparada para receber todos os visitantes, com as ruas e avenidas limpas, bem organizadas e iluminadas, elém do reforço na estrutura de saúde pública e segurança. “Convido a todos a visitarem nossa cidade, a participarem deste evento e a fazerem parte da história de Taquaritinga do Norte”, disse ele.

Avaliação é do Ministério da Fazenda. Indicadores do RRF confirmam que o Estado cumpriu integralmente todos os compromissos legais

No segundo bimestre de 2024 (março e abril), Goiás manteve a classificação nota A nos três principais indicadores do Regime de Recuperação Fiscal (RRF). Essa avaliação, realizada pela equipe técnica do Ministério da Fazenda, confirma que o Estado cumpriu integralmente todos os compromissos sem violações às vedações legais ou atrasos nas medidas de ajuste fiscal.

O secretário da Economia, Sérvulo Nogueira, destaca que os resultados obtidos até agora são fruto de um esforço coletivo e coordenado entre as diversas áreas do governo. “Sob a liderança do governador Ronaldo Caiado, nosso objetivo é garantir um ambiente fiscal sólido e sustentável, ao mesmo tempo em que são realizadas entregas de serviços importantes à população. A nota A tripla é um reconhecimento do nosso comprometimento com a responsabilidade fiscal na gestão dos recursos públicos”, pontua Sérvulo.

O subsecretário do Tesouro Estadual, Wederson Xavier de Oliveira, integrante do Conselho de Supervisão do RRF, afirmou que a manutenção da nota é o resultado da eficiência de medidas adotadas por Goiás em sua trajetória de recuperação fiscal. “Isso não apenas reforça a confiança dos credores e investidores do Estado, mas também assegura a sustentabilidade fiscal e promove a melhoria dos serviços públicos oferecidos à população.”

Avaliação
A classificação de desempenho visa avaliar o cumprimento das obrigações do Regime de Recuperação Fiscal pelo Estado de Goiás. Os três principais indicadores do RRF para a avaliação estão no dispositivo de vedações do artigo do artigo 8º da LC 159/2017 – que dispõe sobre restrições a todos os Poderes, aos órgãos, às entidades e aos fundos do Estado -, medidas de ajuste fiscal e metas fiscais. As avaliações estão disponíveis no portal da Secretaria da Economia. A nota A nos três critérios também foi alcançada no primeiro bimestre de 2024 (janeiro e fevereiro).

Fonte:Class News


Nesta quarta feira, o IHGAAP(Instituto Histórico, Geográfico, Arqueológico, Antropológico do Paulista), se reuniu no Espaço Armazém 10, pra debater sua programação para a Semana do Patrimônio em agosto, e o período anterior à 89a Emancipação do Paulista, que ocorrerá no dia 04 de setembro. Na ocasião, também debateram as questões pertinentes a educação patrimonial, e a proteção e defesa, da identidade e da memória paulistense.


Marcelo Mesquita, fundador da Revista Total Brasil, desde 2004 vem imprimindo um crescimento que vai além da consolidação de um veículo de comunicação, com uma forma própria de levar ao seu público informações que primam pela imparcialidade e com o respeito que os seus leitores merecem.
Assim, o empreendedor nordestino vem se destacando, desde meados da década de 2000, a partir de uma decisão que mudaria não apenas sua vida, mas também a forma como sua cidade seria vista e celebrada. Ele decidiu fundar uma revista. O objetivo era claro: criar um veículo de comunicação que pudesse falar sobre sua cidade e sua população, destacando os progressos, as mudanças e as novidades que moldavam a comunidade.
Em 2006, numa viagem ao sul do país, um tipo de pesquisa qualitativa, também conhecida como pesquisa de abordagem interpretativa ou pesquisa de campo chamou a atenção de Marcelo Mesquita por algumas características-chave como: Foco na compreensão em profundidade de fenômenos, comportamentos, motivações e intenções das pessoas, em vez de apenas medir e quantificar dados, além da utilização de métodos como entrevistas, grupos de observação e análise de documentos para coletar informações.


Marcelo observou que a partir dessa metodologia o pesquisador é o principal instrumento de coleta e análise, buscando entender o contexto e a perspectiva dos participantes, não havendo necessariamente uma hipótese prévia a ser testada, mas sim uma questão de pesquisa a ser explorada de forma aberta e flexível, entendendo a importância de uma apresentação de resultados de forma descritiva e interpretativa, cujo objetivo primordial é capturar a complexidade do fenômeno estudado.

Assim, o que resultou dessa experiência foi a visão de que a pesquisa qualitativa permite compreender as motivações, crenças e significados que as pessoas atribuem a determinados temas, o que pode ser muito valioso para as áreas como: marketing, ciências sociais, psicologia e política.

Os estudos técnicos implementados por Marcelo passaram a contribuir para um alto grau de acurácia, buscando identificar padrões, tendências e informações relevantes que permitissem fazer previsões e projeções com confiabilidade.

Quais foram os resultados desses estudos?

Naquele mesmo ano (2006) o candidato ao governo de Pernambuco, Eduardo Campos, patinava nas pesquisas de opiniões, com baixos índices de adesões e os institutos de pesquisa já prenunciavam uma derrota.
Marcelo foi às ruas, tanto na capital como nas cidades-polos e nos grandes municípios, e ousou fazer uma matéria de capa da sua revista afirmando que Eduardo Campos ganharia a eleição e seria o próximo governador de Pernambuco.
E foi exatamente o que aconteceu.

Desde então, ele passou a ser consultado por vários políticos ou candidatos, passou a estudar e a pesquisar mais sobre essa ciência e se transformou num dos maiores marqueteiros políticos do País, não só com um grande índice de acertos de ganhadores de eleições, como ajudando candidatos que o procuravam para pedir conselhos, opiniões e sugestões.
Concomitantemente, enquanto seu conceito de marqueteiro crescia e ele se tornava conhecido, a Revista Total, até 2018 conhecida como “a revista dos municípios pernambucanos”, também se popularizava e crescia, se difundindo por todo o país, sobretudo depois que, em 2018, Marcelo resolveu instalar uma sucursal da revista em Brasília (DF), transformando a publicação na “revista dos municípios brasileiros” que nos últimos cinco meses passou a ser editada semanalmente.
Esta história já dura 20 anos, completados agora em 2024, e a TOTAL BRASIL + se tornou num dos maiores veículos nacionais de Comunicação, passando a fazer parte da história de muitas pessoas vitoriosas: políticos, empresários, comerciante e profissionais autônomos dos mais diversos segmentos, atraindo novos leitores e seguidores, inclusive nas redes sociais.
Hoje, o criador – Marcelo Mesquita – e o veículo criado – a Revista Total -, são o orgulho dos pernambucanos e circulam ambos, por quase todo o País: a revista já é distribuída por 16 dos 26 Estados brasileiros, além de estar presente também no Distrito Federal, com o seu diretor-presidente viajando por todo o Brasil, seja promovendo homenagens a grandes personalidades nacionais ou atendendo a convites de brasileiros que veem no semanário um espaço democrático e de grande visibilidade nacional.
Num período como este, então, que antecede eleições, Marcelo não consegue parar e, sempre muito solícito, atende a todos que o procuram.

Oficinas são gratuitas e com vagas limitadas; as inscrições vão até 11 de julho
O Festival de Inverno de Garanhuns já é tradição na agenda de quem curte música, artes e cultura. E para quem quer aprofundar conhecimentos e aprender novas habilidades, as Oficinas de Formação são uma excelente oportunidade de aproveitar o clima especial da cidade. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas até quinta-feira (11). As oficinas serão realizadas entre os dias 15 a 19 de julho, na Casa dos Saberes, espaço localizado na Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns (Aesga).

Oficinas para crianças
Três oficinas são direcionadas ao público infantojuvenil: ‘Com cambalhotas e piruetas nasce um acrobata’, oferecida pelo instrutor circense Sérgio Muniz, foca no ensino de acrobacias e elementos da cultura circense. ‘Cine Brincadeira: Workshop de vídeo-carta para as Infâncias’, da educadora audiovisual Juliana Gleymir, propõe uma atividade de criação de cinema para crianças. Já ‘Máscaras divertidas para imaginações criativas’, do artista e criador Geibson Nanes, foca no exercício da criatividade através das máscaras de papelão.

Artes visuais
As artes plásticas são tema de diversas oficinas direcionadas para o público geral. A artista plástica Dalciane Gomes ministra a oficina ‘Eco-expressão: Conscientização Sustentável com Arte’, focando na criação a partir de materiais recicláveis. Em ‘Recria Garanhuns – Identidade Artística’, a artesã Yoleide Maranhão ensina a transformar materiais como latas de leite em novos objetos. A arquiteta e designer Anna Paulla Mota oferece a oficina ‘Cultura Quilombola em Alta – Artesanato em Palha de Bananeira’, direcionada para o aprendizado com fibras naturais. E no ‘Workshop de customização com Lara Kadichari’, a designer garanhuense foca na criação de estampas e customização de roupas.

Fotografia e audiovisual
Em ‘Cinema Acessível – Oficina de Produção de Audiovisual para Mídias Sociais’, a criadora audiovisual Ewa Amor ensina as principais técnicas para a produção focada na internet. Já a ‘Oficina de Cianotipia — introdução à revelação fotográfica alternativa’, oferecida pelo Tipia Coletivo de Fotografia, tem como objetivo ensinar a revelar imagens em tons de azul de maneira artesanal. Na oficina “Fotografia com Celular”, a fotógrafa Jade Ketlen compartilha os princípios básicos para fazer bons registros com o smartphone.

Música
Nas oficinas de formação do 32º FIG, a música não poderia ficar de fora. Thiago Lasserre oferece ‘Vivência Percussiva: Explorando os sons do Brasil’, focando nos ritmos pernambucanos. A programação conta ainda com o ‘Workshop sobre Cordel, Embolada, Repente e Rap’, ofertado pelo poeta Clécio Rimas; ‘A Cultura Pernambucana e seus Gêneros Musicais: um estudo sobre o forró e o frevo’, com César Rodrigo Produções e ‘A Música e Seus Sotaques: os caminhos do saxofone na música brasileira’, com o maestro Ivanar Nunes.

Teatro e expressão corporal
Na ‘Oficina de Palhaçaria: Jogo, Proeza e Bobagem’, Luís Eduardo, o palhaço Bambam, oferece uma inserção na técnica e prática acerca do tema. Em ‘O Teatro e a Construção da Eu-Personagem’, o ator e diretor Papa Macedo convida os participantes a explorar o processo de construção do personagem a partir de experiências e memórias pessoais. Por fim, a oficina ‘Som e Movimento: A voz e o Corpo no Teatro’, de Isabel Bortnik, foca em práticas dinâmicas unindo dança e teatro.

Produção cultural
Para quem se interessa em aprender mais sobre a produção e os bastidores da cultura, vale a pena conferir as oficinas ‘Meu primeiro edital’, da Flor de Figo Produções, o ‘Curso de Produção Técnica para Eventos’, com Marcílio Moura, ‘Ei mulher, cultura também é profissão’, com Taciana Enes e ‘Destravar ideias — Elaborar Projetos’, com Alexandre Melo.

Como se inscrever?
As inscrições podem ser realizadas através do link https://www.even3.com.br/oficinas-de-formacao-32-festival-de-inverno-de-garanhuns-472112/. É necessário preencher os dados pessoais na aba ‘Inscrições’ e, em seguida, escolher as atividades desejadas no botão ‘Quero participar das atividades’.

Em um esforço significativo para melhorar a infraestrutura rodoviária, o Governo Raquel Lyra requalificou mais de 800 quilômetros de estradas em apenas 18 meses, com um investimento de R$ 1,5 bilhão. As obras abrangem tanto requalificações concluídas quanto em andamento, atendendo demandas de diversas regiões de Pernambuco.

A governadora Raquel Lyra enfatizou que a recuperação das estradas é essencial para garantir o direito de ir e vir, melhorar o escoamento da produção econômica e fomentar o turismo. Atualmente, 21 estradas estão em requalificação, incluindo a importante PE-015 na Região Metropolitana do Recife, que beneficia 900 mil pessoas e teve R$ 85 milhões investidos em sua restauração.

Além disso, o secretário de Mobilidade e Infraestrutura, Diogo Bezerra, destacou que as obras estão espalhadas por todo o estado, do Litoral ao Sertão, resultando em estradas mais seguras e contribuindo para a agricultura e o turismo. Entre as obras de destaque estão a recuperação da Estrada da Muribeca (PE-017) em Jaboatão dos Guararapes, com R$ 22,5 milhões investidos, e a restauração da PE-499, a Estrada da Cebola, que beneficia 45 mil moradores em Terra Nova.

No Agreste, a duplicação e restauração da BR-104 estão em andamento, facilitando o transporte de mercadorias no Polo de Confecções de Pernambuco.

A Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado adiou a votação do Projeto de Lei 775/2022, de autoria do senador Rogério Carvalho (PT-SE), para a próxima semana. Este projeto visa garantir o acesso e uso público das praias brasileiras. O adiamento ocorreu após o senador Marcelo Castro (MDB-PI) conceder vista coletiva a pedido do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), relator da PEC 3/2022, que propõe transferir a propriedade dos terrenos litorâneos da União para estados, municípios e proprietários privados.

O PL 775/2022 propõe alterações no Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro e no Estatuto das Cidades para assegurar o acesso público às praias, exceto em áreas de segurança nacional ou de conservação ambiental. A relatora, senadora Janaína Farias (PT-CE), destacou a necessidade de garantir passagens em condomínios, hotéis e resorts para acesso livre às praias e ampliar o conceito de praia para incluir margens de lagos e rios.

A matéria será votada na próxima semana e, se aprovada, seguirá para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

AcessoÀsPraias #LegislaçãoCosteira #SenadoFederal #MeioAmbiente #DireitoPúblico

Fechar