Em parceria com a Academia Pernambucana de Letras (APL), o ensaísta e filósofo Ângelo Monteiro integrou edição de estreia sobre poeta recifense

Postado por Marcos Lima Mochila

.

“Por seres bela e azul é que te oferto a serena lembrança desta tarde.” Assim o poeta recifense Carlos Pena Filho (1929—1960) iniciava o soneto homônimo dedicado à sua esposa Maria Tânia. O autor da obra Memórias do Boi Serapião (1956) é tema da palestra do ensaísta e filósofo  Ângelo Monteiro, lançada no canal da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) no YouTube, nesta quarta-feira (23). A edição é a primeira da iniciativa promovida em parceria entre a Instituição e a Academia Pernambucana de Letras (APL).

“Essa é mais uma atividade exitosa da Fundação Joaquim Nabuco que se une com a centenária casa de Carneiro Vilela, a Academia Pernambucana de Letras, para fazer a cultura e a literatura de Pernambuco e do Nordeste ainda muito mais forte”, disse o presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos. “É uma parceria de alto valor porque as duas instituições são duas representativas da cultura universal. Este é um momento de celebração da palavra”, celebrou o presidente da APL, Lucilo Varejão Neto.

Acompanhado do Livro Geral (Livraria São José, 1959), último título lançado pelo recifense,  ngelo promoveu uma reflexão sobre a estética poética de Pena Filho. “Nele se salienta uma coisa muito interessante que é a visão pictórica da poesia”, afirma, ao recitar o poema Olinda e o Soneto do Desmantelo Azul. “Seu poema é uma tela de pintor. Mais do que o poeta do azul — como é conhecido —, ele é o poeta da cor”, ao mencionar o livro Carlos Pena Filho: o poeta da cor, do ex-pesquisador da Fundaj Renato Carneiro Campos.

Ao longo de sua fala, o detentor da cadeira 34 da APL, passeou pelos poemas clássicos e menos conhecidos de Carlos. Promoveu uma leitura comparada entre o trabalho do homenageado, a quem chamou de “simples”, em detrimento da literatura e poesia hermética. “Ele não era complicada, sua linguagem era de uma grande simplicidade. Ele estava mais interessado em comunicar do que fazer retórica”, explica. No encerramento, leu o poema Retrato Breve de um Adolescente.

A palestra você confere no link: https://youtu.be/q9yDHZbSPfI

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar