“Varal Solidário” é uma parceria do Home Center Ferreira Costa com a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos 

A Prefeitura de Garanhuns, por meio da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH), está apoiando a ação “Varal Solidário” da empresa Home Center Ferreira Costa. A iniciativa recebe roupas, agasalhos, lençóis, cobertores e meias para as famílias do município que já começam a sofrer com o frio típico deste período.

De acordo com a SASDH, a pasta ficou responsável por fazer a distribuição dos itens para algumas associações locais e que ainda serão definidas. “Nós pedimos mais uma vez o apoio de todos para ajudar nessa campanha. O frio já começou na nossa cidade e tem muita gente sem condições nenhuma de comprar agasalhos. Quanto mais gente contribuir, mais famílias conseguiremos alcançar”, reforça a secretária Eliane Madeira.

Até o dia 15 de junho, a população poderá fazer a entrega em Ferreira Costa, localizada no centro da cidade; ou deixar na Secretaria de Assistência Social – rua Joaquim Távora, no Centro Administrativo I, em Heliópolis. Antes das peças chegarem às famílias, será feita uma triagem com o intuito de avaliar a qualidade dos donativos; neste caso, é importante que as pessoas doem itens em boas condições de uso.

Imagem: Divulgação/ Ferreira Costa


A Prefeitura da cidade do Paulista informa que está suspensa a imunização de grávidas e puérperas contra a Covid-19 com a vacina da AstraZeneca/Fiocruz no município. A decisão está em conformidade com a deliberação da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), que determinou a suspensão em todo o Estado de Pernambuco. Aguardamos o posicionamento oficial do Ministério da Saúde para proceder como for necessário.


O Governo do Distrito Federal, publicou hoje (11/05), no Diário Oficial do Distrito Federal, o Decreto Nº 42.081, que dispõe sobre a integração de sistemas dos órgãos e entidades do sistema de segurança pública do Distrito Federal, visando ao compartilhamento de informações de registros das ocorrências.

Com isso, os órgãos e entidades integrantes do sistema de segurança pública do Distrito Federal, coordenados pela Secretaria de Estado de Segurança Pública, promoverão a interoperabilidade dos respectivos sistemas de ocorrências, atendendo a critérios e diretrizes de legalidade, proteção, confiabilidade, integridade, sigilo de dados e divisão de competências.
Fazem parte deste Decreto a Secretaria de Estado de Segurança Pública do Distrito Federal – SSP/DF; A Polícia Civil do Distrito Federal – PCDF; A Polícia Militar do Distrito Federal – PMDF; O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal – CBMDF; O Departamento de Trânsito do Distrito Federal – DETRAN/DF; e a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Distrito Federal – SEAPE.
Lembrando que ocorrência é o registro de fato ou atividade de segurança pública de pronto atendimento de natureza policial, de trânsito, de socorro e salvamento e de defesa civil, realizado diretamente pelas forças de segurança pública do Distrito Federal ou iniciado por intermédio do Centro Integrado de Operações de Brasília – CIOB/SSP-DF. E a interoperabilidade deverá permitir o compartilhamento de informações em tempo real entre os órgãos e entidade, promovendo a correta alimentação das bases de dados de forma sincronizada, tendo por objetivo eliminar, dentro dos aspectos de viabilidade tecnológica, a redundância de registros pelos diversos entes sobre o mesmo fato objeto da atuação integrada do sistema de segurança pública do Distrito Federal.
Os sistemas e serviços deverão estar disponíveis de forma ininterrupta por todos os órgãos e entidades envolvidos, prevendo alertas de manutenções programadas a fim de evitar problemas de indisponibilidade do atendimento de ocorrências e protocolo de avisos em caso de interrupções não programadas.
Ficam ressalvados do disposto neste decreto os casos sujeitos a sigilo legal específico, os sistemas, dados, denúncias e registros relacionados a investigações e atos de polícia judiciária, e os casos sujeitos exclusivamente ao juízo da execução penal.
Na luta contra a criminalidade todas essas armas são de extrema importância para as forças de segurança, buscarem estar sempre um passo à frente dos marginais.

Fonte blog do Candango

No Banner to display


O deputado estadual Clodoaldo Magalhães articulou reunião entre o prefeito de Brejo Madre de Deus, Roberto Asfora, e o seu secretário de Cultura Cáli Oliveira, com a Secretaria de Turismo de Pernambuco, para discutir assuntos relacionados aos sítios arqueológicos do município, localizado no Agreste pernambucano. 
Os sítios constituem uma necrópole pré-histórica onde foram achados, na década de 1980, mais de 50 sepultamentos, alguns em bom estado de conservação, com datações que variam de mais de 11.000 a 1.000 anos atrás. Os esqueletos estão sob posse da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) desde 1985 e o município de Brejo da Madre de Deus busca a reintegração do material. 
“Na agenda, ainda tratamos outras questões relacionadas ao turismo da cidade. O prefeito deseja administrar o Parque das Esculturas e transformar a Casa da Câmara e Cadeia Pública num centro cultural para o turismo local”, explica Clodoaldo. O gestor Rodrigo Novaes se colocou à disposição do grupo e adiantou que haverá um edital para que interessados possam manifestar propostas para construir a melhor  alternativa para o Parque das Esculturas da cidade. Também irá verificar a viabilidade das demais solicitações do prefeito Roberto Asfora. 
Na região do Planalto da Borborema existem centenas de sítios arqueológicos semelhantes, pelo menos 51 deles estão no Brejo da Madre de Deus. “Essa é uma área riquíssima e devemos preservar sua história. Um museu vai trazer grandes benefícios e desenvolver o turismo do município”, considera o deputado Clodoaldo Magalhães. 
Os esqueletos pré-históricos encontrados na região vão de recém-nascidos a adultos e são consideradas de bom estado de conservação. Há esqueletos completos, alguns com restos de cabelo e de pele, e até enrolados em esteira de palha. 

Blog do Silvinho Silva

O ministro antecipou aposentadoria do STF e deixa a corte em 5 de julho

Por Marcos Lima Mochila

.

Com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello prestes a acontecer, inclusive tendo sido antecipada pelo próprio para o dia 5 de julho, crescem os rumores sobre os prováveis candidatos à indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Na Câmara, no Senado, no Palácio do Planalto, no STF e em tantas outras instituições do Distrito Federal, onde quer que se vá sempre se encontra um ou mais grupos abordando o assunto e até fazendo suas apostas.

A verdade é que, não obstante já existir uma extensa lista, se juntarmos todas as opiniões e preferências, são apenas 3 os nomes que mais se destacam e que estão mais qualificados para receber a indicação presidencial.

Segundo estudos e análises técnicas da Revista Total, através das equipes de estudos técnicos que vêm sendo realizados desde o início deste ano, os mais cotados são o advogado Geral da União André Mendonça, o presidente do STJ Humberto Martins e o juiz concursado Mirko Vincenzo Giannotte.

Os candidatos se equiparam em preferências e nas qualidades requeridas pelo presidente Bolsonaro, sendo também notória a semelhança dos três com relação aos trabalhos relevantes e decisões precisas que têm empreendido ao longo de suas carreiras jurídicas, além de pleno conhecimento da Constituição Federal.

Análises

(Disposição na ordem alfabética)

  • André Mendonça – advogado Geral da União

       Advogado-geral da União do Brasil desde o dia 30 de março de 2021, André Luiz de Almeida Mendonça nasceu em Santos (SP), no dia 27 de dezembro de 1972).

       Advogado da União desde 2000, foi assessor especial do ministro da Controladoria-geral da União Wagner Rosário de 2016 a 2018, advogado-geral da União de 2019 a 2020 e ministro da Justiça e Segurança Pública de 2020 a 2021. No final de março de 2021, retornou ao cargo de advogado-geral da União.

       André Mendonça, torcedor santista, foi criado numa família religiosa e frequenta a Igreja Presbiteriana Esperança de Brasília. É casado e tem dois filhos.

       Formado em Ciências Jurídicas e Sociais em 1993 pela Instituição Toledo de Ensino, no interior de São Paulo, Mendonça concluiu especialização em Direito Público pela Universidade de Brasília, mestrado pela Universidade de Salamanca (Espanha), com dissertação sobre corrupção e Estado de Direito, e recebeu a avaliação mais alta pela tese de doutorado Estado de Derecho y Gobernanza Global (“Estado de Direito e Governança Global”) na mesma universidade.

       Ganhou destaque na AGU ao ser vencedor da categoria especial do Prêmio Innovare, em 2011, que homenageia práticas eficientes no Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública e advocacia.

       No dia 21 de novembro de 2018 seu nome foi anunciado pelo presidente Bolsonaro para comandar a AGU, sucedendo Grace Mendonça, que manifestou aprovação quanto à escolha, por ser um nome de integrante da própria instituição.

       No dia 28 de abril de 2020, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a sua nomeação para assumir o Ministério da Justiça e Segurança Pública, após o pedido de exoneração do então ministro Sergio Moro. Antes de completar um ano, em 29 de março de 2021, foi anunciado que Mendonça deixaria o cargo, sendo substituído por Anderson Torres. No dia seguinte, foi publicada a exoneração da Mendonça do Ministério da Justiça e sua nomeação de volta ao cargo de advogado-geral da União.

  • Humberto Martins – presidente do STJ

       “Humberto Martins é amigo e competente, assim como os demais candidatos. Pena ter apenas uma vaga”, afirma o bispo Robson Rodovalho, da Igreja Sara Nossa Terra.

       Como religioso que é, da Igreja Adventista Central de Brasília, o atual presidente do STJ costuma dividir espaço na mesa de trabalho com uma bíblia. Segundo os amigos do seu convívio e advogados que o conhecem, ou que já trabalharam com ele, Martins é um homem simples, muito ligado à família, frequentador de cultos aos sábados e muito respeitado entre os evangélicos de outras denominações. 

       Sobre a possibilidade de um possível conflito entre religiosidade e o papel de julgador, ele argumenta: “Quando nós temos fé, nós acreditamos nas pessoas, acreditamos no perdão, no amor, na solidariedade e, sobretudo, na igualdade das pessoas. Por isso que nós empregamos na Justiça esse mesmo sentimento. Nunca separei a condição religiosa da de julgador, até porque julgar é um dom divino”.

       O ministro Humberto Martins nasceu em Maceió (AL), em 7 de outubro de 1956. Casado, tem dois filhos, três netas e um neto.

       Formou-se Direito pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), em 1979. Foi promotor de Justiça adjunto do Ministério Público do Estado de Alagoas, de 1979 a 1982 e, como advogado (1979-2002), desempenhou, entre outras funções, a de procurador do Estado de Alagoas (1982-2002), conselheiro da Advocacia-Geral do Estado de Alagoas (1993-1995), membro do Conselho Administrativo da Companhia de Abastecimento e Saneamento de Água de Alagoas (1995-1998).

       Exerceu as funções de conselheiro (1991-1995), vice-presidente (1995-1998) e presidente (1998-2002), na seção alagoana da OAB.

       Em 2002, ingressou na magistratura através do quinto constitucional, ao ser nomeado como desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas pelo governador Ronaldo Lessa, em vaga destinada a advogado.

       Em 2006, foi nomeado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de ministro do Superior Tribunal de Justiça.

       No dia 27 de agosto de 2020, o ministro Humberto Martins tomou posse como novo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o qual comandará até 2022.

       Como presidente do STJ, também passou a presidir o Conselho da Justiça Federal (CJF).

  • Mirko Vincenzo Giannotte – juiz concursado

            Baseando-se numa declaração do presidente Bolsonaro, de que o próximo escolhido será um ministro “terrivelmente evangélico”, Giannotte revela estar apto à disputa.

“Não sou terrivelmente evangélico. Acredito que o nosso presidente, quando diz terrivelmente evangélico quer se reportar a alguém religioso. E eu sou, sim, temente a Deus, sou religioso”.

O juiz revela que embora não seja evangélico batizado, vem de um berço evangélico. “Minha mãe é evangélica. E, claro, cresci e fui educado dentro dos preceitos evangélicos, e conheço a Bíblia, o que pra mim, dentro da igreja, é uma edificação”.

“A nomeação ao cargo no STF é do presidente Jair Messias Bolsonaro, mas a indicação, você pode ter certeza, que é a de Deus”, completa o Juiz Mirko.

O juiz Mirko Vincenzo Giannotte, de 50 anos, que atua no Tribunal de Justiça do Mato Grosso, nasceu em Santos (SP), há 50 anos, onde ainda tem muitos amigos e alguns familiares.

Em 1995, formou-se em Direito na Universidade de Alfenas/MG, quando se mudou para MT, onde seu pai, imigrante italiano, há décadas atuava no ramo do agronegócio e colonização.

Atuou como advogado durante 10 anos e foi professor em faculdades de Direito de Cuiabá, Várzea Grande, Diamantino, Rondonópolis e Sinop.

Em 2003, tornou-se juiz, quando foi aprovado no concurso para o cargo.

Em face da próxima vaga no STF, por conta da aposentadoria do ministro Marco Aurélio de Mello, o juiz Mirko Giannotte foi indicado por associação que reúne mais de mil juízes, a Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages).

No final do mês passado, a associação publicou uma nota oficial sugerindo a nomeação de Mirko Vincenzo Giannotte para a vaga a se abrir no Supremo Tribunal Federal (STF).

“A Anamages confia que o digno presidente da República certamente levará em consideração a apreciação do nome a ser indicado dentre os magistrados estaduais, tudo com o devido cuidado e obediência às Normas Constitucionais. E, neste sentido, entre alguns nomes que despontam na sucessão referenciada, contemplamos o apoio ao nome do juiz de Direito Mirko Vincenzo Giannotte”, dizia a nota.

A 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça vai analisar recurso em ação civil pública em que se discute se o então prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, cometeu ato de improbidade administrativa ao sancionar lei que conferiu benefício fiscal usado para a construção da Arena Corinthians, estádio usado na Copa do Mundo de 2014.

A ação, ajuizada pelo Ministério Público de São Paulo, foi julgada improcedente em primeiro e segundo graus. A admissibiliade do recurso especial foi contestada, mas sua tramitação foi confirmada em julgamento de agravo interno que manteve decisão monocrática do ministro Herman Benjamin, quanto à viabilidade de sua análise.
Segundo o MP-SP, Kassab cometeu ato de improbidade administrativa ao sancionar a Lei 15.413/2011, que favoreceu os atores envolvidos na construção do estádio do Corinthians pela concessão irregular de benefícios fiscais, os quais se acumularam no valor de R$ 420 milhões.
Estão no polo passivo da ação, junto com Kassab, o Sport Club Corinthians Paulista e a construtora Odebrecht, além de dois fundos de investimentos imobiliários.
No TJ-SP, a 12ª Câmara de Direito Público entendeu que o projeto de lei, apesar de sua tramitação em regime de urgência, não apresentou vícios. Houve estudos de viabilidade econômica, e o empreendimento gerou desenvolvimento da região, em prol da cidade.
Os benefícios fiscais, por sua vez, estiveram condicionados à construção ocorrer na zona leste de São Paulo e ser concluída antes da abertura da Copa do Mundo, o que visou proteger o erário. Não houve ofensa ao Código Tributário Nacional ou à Lei de Responsabilidade Fiscal, de acordo com o TJ-SP.
Ao STJ, o MP-SP pede a revaloração e nova qualificação jurídica dos fatos que constam no acórdão, sob a alegação de que a lei sancionada, “embora aparentemente fosse geral, na realidade tinha destinatário certo”.
O objetivo é enquadrar a conduta ao artigo 10, incisos VII e X da Lei 8.429/1992, que define como ato de improbidade administrativa “conceder benefício administrativo ou fiscal sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis” e “agir negligentemente na arrecadação de tributo ou renda”.

AREsp 1.605.961

Ação é iniciativa das Secretarias de Juventude, Esportes e Lazer e Mulher

As mães que frequentam cotidianamente o Parque Euclides Dourado, tiveram uma programação diferente neste domingo. Dança, alongamento, funcional, recreação e outras atividades foram oferecidas.

Para Penha Maria, aluna da Academia Garanhuns, a programação deste domingo deixou o dia mais especial. “Eu amo tudo que o Parque Euclides Dourado oferece. Participo de tudo e hoje não poderia ser diferente. Parabéns pela iniciativa, o meu domingo ficou muito mais feliz”, destaca.

Devido a pandemia do Covid-19, as atividades foram limitadas e seguiram todos os protocolos de segurança. Ainda na manhã deste domingo, a Prefeitura de Garanhuns através da Secretaria da Mulher também esteve presente com orientações de serviços oferecidos pela pasta, como auxílio de advogados, psicólogo e outros.

Texto: Allan Gustavo
Imagens: Hilton Marques


Com o tabuleiro político pernambucano em constante movimentação para 2022, o líder do governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), em entrevista ao Diario de Pernambuco, disse acreditar que o estado está próximo de “inaugurar um novo ciclo” na política, se referindo aos principais nomes da oposição cotados para a disputa pelo governo de Pernambuco em 2022: Miguel Coelho (MDB), Raquel Lyra (PSDB) e Anderson Ferreira (PL).
Partindo para uma análise nacional, o mais recente membro da ala governista na CPI da Covid, Fernando Bezerra também destacou a atuação da Comissão e disse que ela se transformou em um “instrumento político”, que tem contribuído para a divisão de forças no combate à pandemia. “Não é no meio da guerra que temos que dividir o nosso conjunto”, destacou. Criada para avaliar as ações do governo federal no combate à pandemia, a CPI, na avaliação de FBC, não alcançará o objetivo pretendido pela oposição: criminalizar o presidente. “Trabalho impossível a ser atingido”, opinou. 
Ampliando o diálogo sobre o cenário político nacional e estadual, o parlamentar também fez considerações sobre a atual condição do MDB na conjuntura política em Pernambuco, o relacionamento com o PSB, pandemia e a possível candidatura do ex-presidente Lula no pleito do próximo ano.

CPI

Tenho feito apelos durante as sessões da CPI e em conversas diretas com o relator (Renan Calheiros – MDB), com o presidente (Omar Azis – PSD), com todos os membros da Comissão e me parece que o tom do direcionamento dos trabalhos está encaminhando para transformar a CPI em um instrumento político. É preciso mais equilíbrio e uma posição de mais imparcialidade. Durante o depoimento do ministro Marcelo Queiroga foi um show de perguntas subjetivas. O que nós temos que fazer é unir esforços para que a vacina chegue. Quando passar a pandemia, se restar dúvidas sobre as ações que foram tomadas, aí sim seria o momento para se abrir uma investigação, mas repito: não é no meio da guerra que temos que dividir o nosso conjunto. 

OPOSIÇÃO

Essa primeira semana dos trabalhos na CPI, me leva a acreditar de que a oposição, por saber que tem um trabalho impossível de ser atingido que é a criminalização das ações desenvolvidas pelo governo federal, fica insistindo em duas questões que não vão dar em nada: uma, que envolve o distanciamento social; e outra, o tratamento precoce. Se for resgatar os depoimentos prestados pelos ex-ministros Henrique Mandetta (DEM), Nelson Teiche e o ministro Marcelo Queiroga vamos ver que esses são os dois argumentos recorrentes dos senadores de oposição na tentativa, que me parece inútil, de querer apontar ações que possam levar à criminalização das medidas que foram encaminhadas pelo governo federal. 

SUPLENTE

A ala governista da CPI tem feito uma atuação adequada e satisfatória. O que ocorre é que um dos suplentes, o senador Zequinha Marinho (PSC), em função da situação de estarmos ainda trabalhando de forma remota, tendo em vista os cuidados que ele tem em relação à idade e das tarefas no estado do Pará, ele não tem participado como gostaria dos trabalhos da CPI, então ele mesmo tomou a iniciativa de oferecer o seu espaço enquanto suplente. Me consultaram da possibilidade de eu participar apenas como uma condição a mais para reforçar um trabalho que já vem sendo feito. 

PANDEMIA

Com certeza o governo federal está indo bem no combate à pandemia. Se você fizer uma avaliação perceberá que o Sistema de Saúde Público no Brasil já estava trabalhando no limite da sua capacidade antes da pandemia, em razão da falta de priorização no investimento nos últimos 20 anos. Então, essa situação concreta não pode ser colocada sobre a responsabilidade da administração do presidente Bolsonaro, que tem apenas pouco mais de um ano de atuação antes da pandemia começar. Se esse sistema que já estava no limite não tivesse recebido a ajuda expressiva que o governo federal deu aos estados, eu pergunto: em que situação nós estaríamos hoje?

FAVORITO

Bolsonaro é amplo favorito. As pessoas estão vendo os esforços dele, o governo federal foi muito grande no sentido de oferecer proteção, as pessoas não esquecem que foi o presidente que deu o auxílio de R,00, hoje é R,00, mas na hora mais difícil, ano passado, foi Bolsonaro quem chegou e atendeu a quase 60 milhões de brasileiros. Todo a população tá acompanhando o esforço do governo para a retomada de investimentos. Não tenho dúvidas que se nesse momento Bolsonaro, mesmo sendo alvo de tantas críticas, se apresenta como favorito, imagine daqui a seis meses com as entregas que o governo vai fazer. 

LULA

Eu acho que (o ex-presidente) Lula (PT) é o instrumento dessa polarização que nós estamos vivendo desde a eleição passada. À medida que Lula aparece como candidato, a possibilidade de candidatura ao centro diminui bastante. Interessante observar que o melhor adversário para Bolsonaro é Lula, como eu acho que o (atual) presidente é o candidato favorito, se Lula concorrer em 2022 se cria as condições ideais para a reeleição de Bolsonaro. 

MDB

Tanto eu, como Jarbas Vasconcelos (MDB), Miguel Coelho (MDB), Raul Henry (MDB) todos nós queremos o fortalecimento do MDB e que ele tenha um protagonismo maior na política pernambucana. Sobre se o MDB terá candidato ao governo de Pernambuco isso é um processo de diálogo interno e está ocorrendo e estamos muito animados que o partido possa evoluir para poder firmar uma candidatura própria no próximo ano. 

PSB

Pelo que eu percebo, é um longo ciclo do PSB à frente do governo de Pernambuco, quase 16 anos. Os primeiros oito foram muito bons com a liderança de Eduardo Campos; nos últimos oito, Pernambuco perdeu o embalo, perdeu posição no ponto de vista de indicadores econômicos e percebo que tem um sentimento de mudança no estado.

APOIO

Em relação à pandemia, tenho reiterado que se estou apelando para ver união no cenário nacional, no estado não faria diferente. Eu sempre me coloquei à disposição do governador Paulo Câmara (PSB) no apoio às medidas que foram adotadas pelo governo e somando nos esforços para que o recursos viessem para o estado. Pernambuco foi muito beneficiado, o estado, entre governo estadual e municipais, recebeu mais de R$ 5 bilhões nessas transferências feitas pelo presidente Bolsonaro. Tudo o que for ação para minimizar os efeitos da pandemia no estado pernambucano terá o meu apoio.

MUDANÇA

Miguel Coelho (MDB), Raquel Lyra (PSDB), Anderson Ferreira (PL) expressam essa renovação da política pernambucana. São jovens, gestores talentosos e todos três foram aprovados em seus respectivos municípios com expressivas votações. Portanto, estou muito confiante de que estamos muito próximos de inaugurar um novo ciclo na política do estado representado por essas forças da juventude política pernambucana. 

ESPECULAÇÃO

Acho que são integrantes do PSB que alimentam essa especulação de que eu pretendo tentar uma majoritária junto ao partido socialista ano que vem. Creio que isso é para poder tentar frear esse ânimo que a gente percebe no campo da forças políticas de oposição. Essa possibilidade junto ao PSB não existe, em função dos meus posicionamentos políticos ao longo desses últimos quatro anos. 

REELEIÇÃO

Para tentar reeleição vai depender do cenário, se Miguel (Coelho) for candidato certamente eu não serei. Se Miguel não for candidato, a escolha recai sobre Raquel (Lyra) ou Anderson (Ferreira), então certamente vou apresentar minha candidatura à reeleição para o Senado em 2022. 

NORDESTE

Acredito muito que com a recuperação da economia e com os novos programas sociais que serão lançados, Bolsonaro tem condições de ganhar as eleições no Nordeste e não tenho receio de me aliar a uma chapa bolsonarista. Todos os indicadores apontam que o Brasil está crescendo forte em função do novo ciclo de valorização das commodities que já está beneficiando a economia do país e o Nordeste, que concentra a maior parcela dos mais pobres, mais frágeis, será o grande beneficiário.

Diário de Pernambuco



O prefeito do Município de Itaquitinga, Pablo Moraes, morre em acidente de automóvel.
Os dirigentes, jornalistas e colaboradores do Grupo TOTAL lamentam profundamente o desaparecimento prematuro de Pablo, um político comprometido com a defesa dos interesses dos moradores de sua Cidade, especialmente, dos mais carentes.
Nossa solidariedade aos familiares, amigos e correligionarios.

PREVISÃO DE CHUVAS E FRIO NO DIA DAS MÃES
Por Márcio Maia

A previsão para o Dia das Mães feita pelo Clima Tempo é de frio e chuvas de moderadas a fortes em todo o Estado de Pernambuco.
Os técnicos informaram que na Região Metropolitana e Zona da Mata deverão ocorrer chuvas de moderadas a fortes. No Agreste e Sertão, devem acontecer chuvas de fracas a moderadas, principalmente no Sertão do Pajeú.
A temperatura já começa a baixar em todas as regiões. No Sertão, especialmente nas cidades localizadas nas áreas mais altas, como Garanhuns e Triunfo, os termômetros devem marcar abaixo de 20 graus na madrugada.

RESTRIÇÕES DO PLANO DE CONVIVÊNCIA SÃO ADIADAS


O grande número de casos de Coronavirus e, especialmente os percentuais de internação hospitalar, levaram as autoridades sanitárias a adiar as restrições determinadas no Plano de Convivência em todas as regiões de Pernambuco.
O anúncio foi feito pelo secretário de Saúde, André Longo, adiantando que o momento é de muita preocupação.
Os registros indicam que mais de 14 mil pessoas foram acometidas com o Coronavirus e 59 pessoas tiveram mortes confirmadas em 24 horas.
Nas cidades do Interior, os prefeitos estão autorizados a estabelecer o horário de funcionamento do comércio no máximo de dez horas por dia.
Nas praias, o comércio ambulante está autorizado de segunda a sexta-feira, das 9 às 16 horas, permanecendo proibido no sábado e domingo.
As celebrações religiosas permanecem autorizadas nos mesmos horários.

No Banner to display

Fechar