O parecer da Procuradoria Regional Eleitoral do Paraná pedindo a cassação do senador Sergio Moro por abuso de poder econômico é visto como uma condenação certa no meio político e jurídico. O caso une ações de adversários políticos, incluindo o PL e o PT, e agora as legendas planejam ocupar a vaga que poderá ser aberta com a cassação.

As acusações destacam gastos excessivos na pré-campanha eleitoral de 2022, que ultrapassaram os limites permitidos, gerando controvérsias quanto aos detalhes dos custos declarados e alegados pelo partido de Moro.

Com a perspectiva de cassação iminente, especialistas apontam que Moro pode deixar o Senado até meados de 2024, e as chances de sucesso em seu caso são consideradas pequenas, comparando seu cenário ao da ex-juíza Selma Arruda, cassada por gastos abusivos na pré-campanha.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar