Senadores, deputados e o governador de Alagoas, de diferentes partidos, se manifestaram contra

Lideranças políticas alagoanas repudiam ataques antidemocráticos em Brasília; confira
Lideranças da política alagoana se manifestam sobre os ataques terroristas em Brasília – Foto: Reprodução

Lideranças políticas de Alagoas utilizaram as redes sociais para repudiar o ato terrorista antidemocrático que aconteceu na tarde de ontem (8), em Brasília, quando centenas de extremistas bolsonaristas invadiram o Congresso Nacional para depredar prédios públicos e pedir a anulação das últimas eleições. 

Todos os senadores, governador, e lideranças políticas se posicionaram a favor da democracia e contra os atos golpistas. O presidente da Assembleia Legislativa de Alagoas, Marcelo Victor (MDB) e o presidente da Câmara de Vereadores de Maceió, Galba Netto (MDB) não se manifestaram em suas redes sociais. 

O prefeito de Maceió, JHC, do mesmo partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, o PL, não se manifestou. Nas redes sociais, o ele postou um apenas um versículo bíblico e o anúncio de que os ônibus na capital alagoana serão gratuitos em dias de festa.

Para o ministro dos Transportes, Renan Filho (MDB), os atos em Brasília consumam a ameaça golpista da extrema direita brasileira contra democracia. “As instituições brasileiras vão dar resposta enérgica para reestabelecer a ordem. É fundamental responsabilizar e punir criminosos e seus financiadores”, escreveu o ex-governador de Alagoas, Renan Filho (MDB).

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), afirmou que a democracia pressupõe alternância de poder e divergências de pontos de vista, mas não admite as cenas que descreveu como “deprimentes”.

O Congresso Nacional jamais negou voz a quem queira se manifestar pacificamente. Mas nunca dará espaço para a baderna, a destruição e vandalismo. Os responsáveis que promoveram e acobertaram esse ataque à democracia brasileira e aos seus principais símbolos devem ser identificados e punidos na forma da lei.

Lira disse ainda que está à disposição dos Chefes de Poderes para realizar uma reunião com o objetivo de deixar inquestionável que os três Poderes estão unidos a favor da Democracia.

Já o senador Renan Calheiros (MDB) utilizou o Twitter para expor suas críticas: “Baderneiros depredaram o patrimônio. Crimes reincidentes, anunciados como o vandalismo na sede da PF e o terrorismo no aeroporto. O chefe da Segurança do GDF e a leniência local do governo exigem uma intervenção federal imediata. Os golpistas não passarão e a ordem prevalecerá.”

O alagoano revelou ainda que, junto do senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), irá propor uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as responsabilidades sobre o ataque contra a democracia brasileira. “Assim como foi no Capitólio. Eles não passarão.”

O governador Paulo Dantas (MDB) determinou o envio de 50 militares alagoanos para Brasília e informou que estará na capital brasileira hoje (9).”Repudio todos esses atos terroristas e, por isso, amanhã estarei presencialmente em Brasília para unir esforços e ajudar a punir todos esses vândalos que trabalham para destruir a nossa democracia. Eu digo com toda certeza: não vão conseguir! Nós não vamos permitir.”

Mesmo em um momento delicado, o senador Rodrigo Cunha (União Brasil) criticou o Supremo Tribunal Federal (STF) e disse que apesar da entidade “ter permitido que um investigado por corrupção com várias provas cabais de ter roubado R$ 54 milhões do povo alagoano assumisse, o Governo de Alagoas, jamais serei favorável a atos violentos como estes que estamos assistindo em Brasília no dia de hoje”. O senador referia-se ao governador Paulo Dantas, seu adversário na última disputa eleitoral, que é investigado pelo STF, mas que ainda não teve o processo julgado. O senador foi criticado por internautas pela postagem.

O senador Fernando Collor (PTB), aliado de Bolsonaro e fiel defensor de seus ideais, se posicionou contrário aos atos de terrorismo vistos em Brasília. “A manifestação política, seja qual for, deve ser pacífica e à luz da Constituição. Resultados eleitorais divergentes do esperado não podem alimentar atos antidemocráticos e de ruptura institucional”, disse.

O deputado federal Paulão (PT), o único representante da esquerda alagoana na bancada federal, também se manifestou: “Os ataques de bolsonaristas contra as sedes dos três poderes são um grave atentado ao Estado Democrático de Direito e devem ser combatidos com firmeza. É preciso agir rápido contra os atos de terrorismo da extrema direita.”

Jornal de Alagoas

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar