Líderes do centrão alertaram enfaticamente Jair Bolsonaro: André Mendonça será barrado na sabatina do Senado, caso seja indicado pelo presidente ao Supremo.
O movimento mostra que a ampla coalizão de apoio a Humberto Martins não desistiu da candidatura do presidente do STJ. Apesar da chancela de Flávio Bolsonaro e Frederick Wassef, Martins perdeu pontos em razão de sua proximidade com Renan Calheiros. O relator da CPI da Pandemia e aliado do projeto do ex-presidente Lula para 2022 tornou-se o principal adversário de Bolsonaro em Brasília.
Enquanto Martins tenta distanciar-se de Renan, seus aliados correm para convencer Bolsonaro de que Mendonça não tem apoio no Congresso, nos principais setores evangélicos e no próprio Supremo.
Quem fez o alerta está confiante. Acredita que o presidente não arriscará uma derrota dessa magnitude em meio a uma CPI que demonstra cotidianamente a falta de apoio ao governo no Senado.
O decano Marco Aurélio Mello aposenta-se em julho.

Diego Escosteguy
Fonte folhapress
Portal bastidor

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar