Posts da Categoria: Distrito Federal

Postado por Marcos Lima Mochila

 

O presidente em exercício falou com jornalista ao sair de seu gabinete no Palácio do Planalto (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)
O presidente em exercício falou com jornalistas ao sair de seu gabinete no Palácio do Planalto (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)

“SEM PROBLEMAS”, DIZ MOURÃO AO FIM DO 1º DIA COMO PRESIDENTE

Em seu primeiro dia como presidente em exercício, o general Hamilton Mourão buscou manter a rotina habitual, inclusive despachando no seu gabinete na vice-presidência, no anexo do Palácio do Planalto. Ele chegou às 9h10, bem-humorado, brincou com os jornalistas que o aguardavam e comemorou a vitória do Flamengo sobre o Bangu por 2 x1.

Presidente Jair Bolsonaro (Foto Reuters/Ueslei Marcelino)
Presidente Jair Bolsonaro (Foto Reuters/Ueslei Marcelino)

APÓS CIRURGIA, BOLSONARO VAI TRABALHAR NO HOSPITAL

O presidente Jair Bolsonaro vai despachar do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, após a cirurgia de retirada da bolsa de colostomia, marcada para o dia 28 de janeiro. Segundo o porta-voz da presidência, general Otávio Santana do Rêgo Barros, a Presidência da República montará uma estrutura no hospital em São Paulo, onde Bolsonaro será operado. A primeira-dama, Michelle, acompanhará o marido durante todo o período de internação.

PAULO GUEDES

GUEDES ENCONTRA DORIA E PEDE APOIO PARA VOTAR PREVIDÊNCIA

Hospedados no mesmo hotel em Davos para o Fórum Econômico Mundial, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o governador de São Paulo, João Doria, acabaram se encontrando e conversando rapidamente sobre a reforma da Previdência. O ministro disse que a reforma é “prioridade absoluta” e pediu ao governador apoio para a votação da reforma no primeiro quadrimestre do ano. Guedes quer garantir que os governadores mobilizem as bancadas dos seus Estados no Congresso para aprovar a reforma.

Sergio Moro foi o responsável pelos processos da Lava Jato até sua exoneração para assumir o ministério da Justiça (Adriano Machado/Reuters)
Sergio Moro foi o responsável pelos processos da Lava Jato até sua exoneração para assumir o ministério da Justiça (Adriano Machado/Reuters)

JUIZ LUIZ BONAT SERÁ CONVOCADO PARA SUBSTITUIR MORO NA LAVA JATO

Luiz Antonio Bonat será o substituto de Moro pelo critério de antiguidade; ele já atuou ao lado de Gebran Neto e Rogério Favreto

Por Guilherme Voitch

O juiz Luiz Antônio Bonat, da 21ª Vara da Justiça Federal do Paraná, será o convocado para assumir os processos da Operação Lava Jato, em substituição ao ministro da Justiça Sergio Moro, e assumirá o cargo, se assim desejar.

A reportagem de VEJA obteve a listagem final com as inscrições para a vaga de Moro no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). O prazo de inscrição se encerrou nesta segunda-feira, 21, e Bonat superou todos os demais candidatos no critério utilizado para definição do substituto, antiguidade na magistratura com desempate definido pela melhor colocação no concurso público.

Bonat nasceu em Curitiba e formou-se em Direito na Faculdade de Direito de Curitiba em 1979. Ele ingressou na Justiça Federal em setembro de 1993, na 1ª Vara Federal de Foz do Iguaçu. Também atuou na 3ª Vara Criminal Federal de Curitiba e na 1ª Vara Federal de Criciúma (SC), além de varas previdenciárias.  É especialista em Direito Público pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e um dos autores do livro Exportação e Importação no Direito Brasileiro.

Ficou conhecido por ser o juiz responsável pela primeira condenação criminal de pessoa jurídica no Brasil, em 2002. A empresa e seus sócios foram condenados por extrair e depositar areia sem autorização em uma área de preservação ambiental permanente à margem do rio Urussanga, no município de Morro da Fumaça (SC), impedindo a regeneração da vegetação no local.

Bonat também já atuou ao lado de figuras conhecidas da Lava Jato. Em 2005 ele foi vice-diretor do do Foro da Seção Judiciária do Paraná. O diretor da época era João Pedro Gebran Neto, atualmente relator da Lava Jato no TRF4. Bonat também atuou como juiz convocado na 5ª Turma de Julgamento do tribunal, ao lado do desembargador Rogério Favreto, que em julho deste ano determinou a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A decisão acabou revogada pelo próprio Gebran.

GABRIELA HARDTSubstituta

Desde a saída de Moro para o Ministério da Justiça do presidente Jair Bolsonaro (PSL), a juíza substituta Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, tem sido a responsável pelo caso. Ela conduziu o depoimento do ex-presidente referente o sítio de Atibaia em novembro do ano passado. Gabriela, porém, não pode assumir os processos da Lava Jato em definitivo por ser juíza substituta.

SISU

SISU ABRE INSCRIÇÕES NESTA TERÇA-FEIRA 

Os interessados terão desta terça-feira (22/1) até sexta-feira (25/1) para se cadastrar no portal do programa

Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press

Três instituições públicas de ensino superior do Distrito Federal oferecem 3.180 vagas pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) este ano. As oportunidades estão disponíveis em 114 graduações distribuídas na Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs), no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB) e na Universidade de Brasília (UnB). Os interessados terão desta terça-feira (22/1) até sexta-feira para se cadastrar no portal do programa. As inscrições podem ser feitas através do site.

Caio Alves, estudante (Crédito: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press - DF. SISU - ENEM)
Caio Alves, estudante (Crédito: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press – DF. SISU – ENEM)

Será avaliado o desempenho do candidato no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018. Recém-formado no ensino médio, Caio Alves, 17 anos, vai participar do Sisu pela primeira vez. “O lado interessante do Sisu é que ele abre um leque de possibilidades aos alunos. Não ficamos restritos apenas à cidade onde vivemos. Podemos concorrer a várias universidades de excelência. Eu, por exemplo, estou cogitando me inscrever para instituições do Rio Grande do Sul ou de São Paulo”, conta.

Orientações

Na última sexta-feira, o Ministério da Educação (MEC) divulgou as notas de quem prestou o Enem no ano passado.  “A primeira sugestão é que eles façam a inscrição logo hoje, no primeiro dia. Dessa forma, o candidato contará com um intervalo de tempo confortável para ver a variação das notas de corte para cada curso e universidade”, comenta o especialista em gestão pública Bruno Borges, também professor de cursinho preparatório para o Enem, que reforça ainda a importância de ficar atento aos prazos.

De acordo com o professor, outro aspecto importante é que cada aluno nunca deixe de lado a sua primeira opção de curso. “O candidato que já sabe o que quer cursar no ensino superior e se inscreve cedo na plataforma pode acompanhar a competitividade e a evolução da nota dele. Assim, caso ele perceba que não tem chances em determinada instituição, pode buscar o curso em outra universidade. Com a mesma nota, o candidato pode ser o melhor colocado em uma instituição, mas aparecer fora da lista de selecionados em outra”, explica.

Além disso, seguir o processo até o fim é importantíssimo. “Um candidato que não for selecionado ao fim da chamada regular, mas que ficou a poucas posições de conseguir uma vaga, não pode desistir. No Sisu, é comum que muitos estudantes selecionados não assumam a vaga, o que abre espaço para quem está na lista de espera. Portanto, é importante que os alunos mantenham as suas escolhas até que todas as etapas terminem.”

A principal novidade deste ano é que os estudantes que forem selecionados em qualquer uma das duas opções não poderão participar da lista de espera. Até o ano passado, aqueles que eram selecionados na segunda opção podiam ainda participar da lista e ter a chance de ser escolhido na primeira opção.

Nota de corte

Uma vez por dia, o sistema do Sisu divulga as notas de corte de cada um dos cursos disponíveis. Trata-se de uma estimativa com base nos candidatos inscritos até o momento. Embora não seja uma garantia da vaga, é possível usar a informação para orientar a escolha.

Durante o período de inscrição no Sisu, o candidato pode consultar, em seu boletim, a classificação parcial na opção de curso escolhido. A classificação parcial é calculada a partir das notas dos candidatos inscritos na mesma opção. Trata-se, assim como a nota de corte, de uma referência e não de um garantia de vaga.

Outras seleções

Fora do Sisu, a UnB oferece 124 vagas para cursos que exigem certificação de habilidades específicas por meio de processo seletivo à parte. As chances são para quem deseja estudar arquitetura e urbanismo, artes cênicas (bacharelado/licenciatura), artes visuais (bacharelado/licenciatura), design (bacharelado) ou música (bacharelado/licenciatura). As inscrições estão abertas desde a semana passada, pelo site www.cespe.unb.br/vestibular/cursos_he_19_1/, e terminam nesta terça-feira (22/1). Para se inscrever, é preciso ter feito o Enem em 2018, além da prova de certificação de habilidades específicas da universidade.

Além disso, será aberto, nesta semana, o período de inscrições do Sistema Informatizado de Seleção para os Cursos de Graduação da UnB (SisUnB). A universidade vai oferecer 4.222 oportunidades — 2.112 para o primeiro semestre e 2.110, para o segundo — aos alunos que fizeram a 3ª etapa do Programa de Avaliação Seriada (PAS) em 2018. Na sexta-feira e no sábado, os participantes poderão acessar o portal do sistema pelo link www.cespe.unb.br/pas e alterar, caso desejem, as pré-opções de câmpus, curso e turno feitas no ato de inscrição da prova. A relação dos candidatos selecionados será divulgada na data provável de 31 de janeiro.

Calendário do Sisu

De 22/1 à 25/1 (até as 23h59): — Período de inscrições

28/1 — Resultado da chamada regular

28/1 a 4/2 — Prazo para participar da lista de espera

30/1 a 4/2 — Matrícula da chamada regular. Deverão ser observados os dias, horários e locais de atendimento definidos a cada instituição em seu edital próprio

7/2 — Convocação dos candidatos em lista de espera pelas nstituições a partir desta data

Vagas do Sisu para o DF

Universidade de Brasília — 1.988 vagas para 89 cursos

Instituto Federal de Brasília — 1.032 para 21 cursos

Escola Superior de Ciências da Saúde — 160 vagas para 2 cursos

Ibaneis Rocha, governador do Distrito Federal Foto: Fátima Meira/Futura Press / Futura Press
Ibaneis Rocha, governador do Distrito Federal (Foto: Fátima Meira/Futura Press / Futura Press)

Mariana Haubert (*)

Postado por: Marcos Lima Mochila

 

Uma semana após assumir, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decretou estado de emergência na Saúde nesta segunda-feira, 7. Ele teve como base um relatório produzido por sua equipe em apenas dois dias que detectou problemas graves na área que poderiam levar ao aumento de mortes em Brasília.

Ibaneis assinou o decreto no Instituto Hospital de Base, o principal centro público hospitalar da capital, durante a cerimônia em que lançou o programa SOS Saúde. O documento permite que o novo governo contrate serviços, compre remédios e insumos sem licitação, convoque servidores concursados e amplie a carga horária de trabalho. O período de validade do decreto é de seis meses.

O normativo legal foi usado por governos anteriores no DF. O ex-governador Rodrigo Rollemberg, por exemplo, também decretou estado de emergência na área por mais de um ano no início da sua gestão.

O programa SOS Saúde permitirá a ampliação das horas extras dos servidores e também ampliará a realização de cirurgias eletivas. O governo estima que deverá gastar cerca de R$ 10 milhões para o pagamento dessas horas extras com o objetivo de organizar os serviços de saúde no DF.

Ibaneis tomou a decisão de decretar estado de emergência com base no relatório de sua equipe que apontou uma situação de caos na saúde do DF. O documento mostra hospitais com graves problemas de infraestrutura, equipamentos abandonados e falta de profissionais.

(*) www.terra.com.br

O presidente eleito cumprimentou os integrantes do grupo Cruzada 17. Segundo assessoria, ele não tem compromissos até a posse
(Foto: Renan Xavier/Metrópoles)
                                                                                                                                                                                                                                                                          (Foto: Renan Xavier/Metrópoles)
Renan Melo Xavier

 

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), retornou a Brasília na tarde deste sábado (29/12) com direito a homenagens de eleitores e empresários. A chegada alimentou a expectativa de um grupo de 40 motociclistas que esperava o presidente eleito na Granja do Torto, residência oficial da Presidência da República, onde o capitão da reserva do Exército ficará até a posse presidencial.

Com origens em diversos estados, o movimento intitulado Cruzada 17 se instalou na frente da portaria do local para celebrar a vitória e a posse do futuro presidente. Bolsonaro atendeu as apelos de seus simpatizantes e chegou cumprimentá-los.

A futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e a filha mais nova do presidente eleito o acompanharam no mesmo carro. O quarto filho, Jair Renan, e o sobrinho Leonardo Índio vieram em veículos diferentes.

Além dos motoqueiros, empresários da cidade também prestaram homenagens à Bolsonaro. Um outdoor digital saudando ao presidente eleito foi instalado na pista que sai do Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek. O político do PSL compartilhou imagens do painel nas redes socais.

✔ @jairbolsonaro

 Obrigado pela receptividade de sempre, amigos de Brasília e de todo Brasil!

Bolsonaro foi questionado por jornalistas sobre a ideia de editar um decreto que ampliaria a posse de arma de fogo no Brasil. No entanto,  ele não respondeu.

De acordo com assessoria, o presidente eleito não tem compromissos públicos até terça-feira (1/1), dia em que ele assume oficialmente a Presidência da República. Mais cedo, Bolsonaro cortou cabelo, testou as medidas de seu terno da posse e se despediu de vizinhos de condomínio.

Cruzada 17

O grupo de motociclistas que recebeu Bolsonaro na Granja do Torto tem origem em vários estados. Representantes do Ceará, Alagoas e Rio de Janeiro foram alguns dos que acompanharam o retorno do presidente eleito à capital federal.

“Fomos muito bem recebidos pelos colegas motociclistas de Brasília. Recepção de alto nível. O cansaço até passou. Estamos aqui para dar o pronto da missão para ele. Bolsonaro é o presidente de todos os brasileiros”, disse o empresário e ex-oficial do Exército Francisco Siqueira, líder do movimento.

NOTÍCIAS DE BRASÍLIA 1

 

 

 

 

 

 

IBANEIS DISTÂNCIA

IBANEIS ROCHA ANUNCIA NOMES JÁ ESCOLHIDOS DO SEU SECRETARIADO 

 Haverá 27 secretarias, seis a mais do que a estrutura atual. O emedebista ainda precisa definir presidentes de fundações e do Metrô-DF 
Ana Luiza Vinhote

 

O governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), anunciou ao menos 55 nomes para sua gestão, segundo balanço mais recente, até a manhã deste sábado (22/12). Entre eles, estão chefes e subchefes que começam a colocar a mão na massa a partir dos primeiros dias de 2019.

Para o primeiro escalão, o emedebista anunciou 27 secretarias, seis a mais do que a estrutura atual. Entre as novidades no organograma do Governo do Distrito Federal (GDF), estão as secretarias da Juventude, de Relações Internacionais, da Mulher, do Trabalho e de Desenvolvimento Econômico.

Hoje, essas áreas têm espaço no governo, porém em estruturas de segundo escalão, sem status de secretaria. Apesar do aumento de pastas, Ibaneis prometeu enxugar o quadro de pessoal.

O futuro chefe do Palácio do Buriti ainda precisa definir quem ficará à frente da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF), do Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores (Inas-DF) e das seis fundações da capital da República: de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap); de Apoio à Pesquisa (FAP); Hemocentro de Brasília (FHB); de Ensino e Pesquisa em Ciência da Saúde (Fepecs); Universidade Aberta do Distrito Federal (Funab); e Jardim Zoológico de Brasília.

Esplanada

Além de bacharéis em direito, outra característica comum entre os que preencherão as vagas na administração direta e indireta é a ligação com o governo federal e o presidente da República, Michel Temer (MDB).

Entram na lista dos que migrarão da Esplanada dos Ministérios para o GDF, por exemplo: Eumar Novacki, secretário-executivo do Ministério da Agricultura, que será secretário da Casa Civil; Gustavo Rocha, ministro dos Direitos Humanos e próximo secretário da Justiça; Leandro Cruz, ministro dos Esportes, que chefiará a secretaria da pasta no DF; e Valter Casimiro, ministro dos Transportes, que comandará o setor em nível local.

Outros dois ministros de Temer também estarão presentes na gestão do ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional do Distrito Federal (OAB-DF). O próximo titular da Agência de Desenvolvimento (Terracap) será o ministro da Saúde, Gilberto Occhi; e no comando do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) estará o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte.

Veja quem são os indicados para o primeiro escalão do DF a partir de 2019

Palácio do Buriti, sede do governo do DF — Foto: Reprodução/TV Globo
Palácio do Buriti, sede do governo do DF — Foto: Reprodução/TV Globo

Até esta quinta-feira (20), o futuro governo contava com 53 nomes – 30 secretários, 4 comandantes de forças de segurança e 19 presidentes de autarquias e estatais.

O grupo toma posse em 1º de janeiro de 2019, quando o atual governador Rodrigo Rollemberg (PSB) deve transferir a faixa de governador a Ibaneis em cerimônia no Palácio do Buriti.

A equipe de transição é coordenada pelo vice-governador eleito, Paco Britto, e pelo próprio governador Ibaneis. Do lado do governo Rollemberg (PSB), o chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, comanda o grupo de trabalho a cargo de transferir as informações aos próximos gestores.

DF EDUARDO ZAATZ

Ação Social: Eduardo Zaratz

O servidor público Eduardo Zaratz é presidente do Partido Verde (PV) em Goiás e comanda a Secretaria Extraordinária do Programa Goiás na Frente. Em 2009 ele esteve a frente da Casa Civil do DF no final da gestão de José Roberto Arruda (PR). Zaratz também foi adjunto da pasta de Meio Ambiente no governo Agnelo Queiroz (PT). Em 2013, assumiu o cargo de secretário de Regiões Metropolitanas em Goiás, no governo de Marconi Perillo (PSDB), e ficou no cargo por um ano. Zaratz afirma que a experiência pode ajudar na gestão da área social.

 

Dilson Resende, futuro secretário de Agricultura, e Ibaneis Rocha, governador eleito do DF — Foto: Beatriz Pataro/TV Globo
Dilson Resende, futuro secretário de Agricultura, e Ibaneis Rocha, governador eleito do DF — Foto: Beatriz Pataro/TV Globo

Agricultura: Dilson Resende

O zootecnista Dilson Resende foi presidente da Emater e secretário-adjunto de Agricultura no governo de José Roberto Arruda (PR).Na gestão de Rodrigo Rollemberg (PSB), o zootecnista ocupou a subsecretaria de Regularização Fundiária por dois anos. No local, ele desenvolvia “ações, atividades e procedimentos relacionados à regularização fundiária e de ocupações das áreas públicas rurais do DF”.

 

Eumar Novacki, do Ministério da Agricultura, em imagem de arquivo — Foto: Laís Lis/G1
Eumar Novacki, do Ministério da Agricultura, em imagem de arquivo — Foto: Laís Lis/G1

Casa Civil: Eumar Novacki

Atualmente, Eumar Novacki é secretário executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ele chegou a assumir a chefia interina do ministério ao longo de 2018, quando o ministro Blairo Maggi precisava se ausentar do cargo. Em uma dessas ocasiões, em 5 de novembro, Novacki e Ibaneis se reuniram na sede do ministério. O governador eleito saiu do encontro dizendo que tinha conseguido uma promessa de doação de R$ 1,5 milhão em maquinário.

Antes de ir para o ministério, Eumar Novacki já tinha sido secretário-chefe da Casa Civil no Mato Grosso, durante o governo do atual chefe Blairo Maggi (2003-2010). Ele é coronel da Polícia Militar de MT, e bacharel em direito.

Advogado Everardo Gueiros Filho, ex-desembargador do TRE-DF — Foto: Proforme Photos/Divulgação
Advogado Everardo Gueiros Filho, ex-desembargador do TRE-DF — Foto: Proforme Photos/Divulgação

Cidadania: Everardo Gueiros Filho

O advogado Everardo Gueiros Filho, de 45 anos, é bacharel em direito pela Universidade Católica de Pernambuco e pós-doutor em ciências sociais pela Universidade de Buenos Aires. Ele atuou como desembargador do Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF) de junho de 2016 a maio de 2018. Na capital, o futuro secretário é sócio de um escritório de advocacia – especializado em direito administrativo, civil, penal e trabalhista – desde 2000. Ele é considerado um aliado próximo de Ibaneis na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

 

Advogado Everardo Gueiros Filho, ex-desembargador do TRE-DF — Foto: Proforme Photos/Divulgação
Advogado Everardo Gueiros Filho, ex-desembargador do TRE-DF — Foto: Proforme Photos/Divulgação

Ciência e Tecnologia: Gilvan Máximo

Empresário Gilvan Máximo, anunciado como secretário de Ciência e Tecnologia do DF — Foto: Facebook/Reprodução

O empresário Gilvan Máximo chegou a atuar como Secretário Extraordinário para o Entorno do DF no governo de Goiás, entre 2011 e 2014, na gestão de Marconi Perillo (PSDB). Em 2014, se candidatou a deputado federal pelo PRB e obteve 58.466 votos, mas não se elegeu. Além da relação com o PRB, Máximo tem boas relações com a alta sociedade por ser marido da joalheira Miranda Castro, que comanda uma grife de mesmo nome. No primeiro turno para o governo do DF, o PRB apoiou a candidatura de Rogério Rosso (PSD).

 

Jornalista e ex-secretário no DF Weligton Moraes, em imagem de arquivo — Foto: TV Globo/Reprodução
Jornalista e ex-secretário no DF Weligton Moraes, em imagem de arquivo — Foto: TV Globo/Reprodução

Comunicação: Weligton Luiz Moraes

O jornalista Weligton Moraes já foi secretário de Comunicação do governo do Distrito Federal durante as gestões de Joaquim Roriz, entre 2003 e 2006, e de José Roberto Arruda, entre 2007 e 2010. Na época, ele foi investigado por tentativa de suborno a uma testemunha e por falsidade ideológica no esquema conhecido como “Mensalão do DEM”. Em setembro deste ano, porém, a Justiça do DF absolveu o jornalista das acusações.

Nas eleições de 2018, Moraes coordenou a pré-campanha de Jofran Frejat (PR), que acabou desistindo de concorrer ao Palácio do Buriti.

 

DF ALDEMÁRIO ARAÚJO CASTROControladoria-Geral do DF: Aldemário Araújo Castro

O procurador da Fazenda Nacional Aldemário Araújo Castro será o futuro chefe da Controladoria-Geral do DF durante a gestão de Ibaneis. Castro é procurador da Fazenda Nacional desde 1993. Ele se formou e formou em direito pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e conquistou o título de mestre em direito pela Universidade Católica de Brasília.

 

 

 

Sociólogo Adão Cândido, anunciado como futuro secretário de Cultura do DF — Foto: TV Globo/Reprodução
Sociólogo Adão Cândido, anunciado como futuro secretário de Cultura do DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Cultura: Adão Cândido

Indicado à Secretaria de Cultura, o sociólogo Adão Cândido é filiado ao PPS e chegou a ser candidato a vice-governador do DF em 2014, na chapa de Luiz Pitiman (PSDB), mas a dupla não chegou ao segundo turno. A candidatura dele gerou ruído no partido porque, na época, Eliana Pedrosa estava no PPS e tentava ser vice de José Roberto Arruda (PR). No fim das contas, Cândido manteve a candidatura, e Eliana tentou uma vaga na Câmara Federal – nenhum deles foi eleito.

Em 2016, Cândido foi indicado pelo PPS a um cargo de confiança no Ministério da Cultura, quando a pasta foi fechada pelo presidente nacional da legenda, Roberto Freire. Nas eleições desde ano, ele não se candidatou a nenhum cargo.

Advogado Ruy Coutinho, indicado pelo governo Ibaneis como futuro secretário de Desenvolvimento Econômico do DF — Foto: TV Globo/Reprodução
Advogado Ruy Coutinho, indicado pelo governo Ibaneis como futuro secretário de Desenvolvimento Econômico do DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Desenvolvimento Econômico: Ruy Coutinho

O advogado Ruy Coutinho, apontado como futuro secretário de Desenvolvimento Econômico, aparece em uma rede social corporativa como atual presidente de uma consultoria econômica, e membro do Conselho Superior de Assuntos Jurídicos e Legislativos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).Formado em direito pela Universidade de Brasília (UnB), com especializações pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pela Universidade de Tulane, em Nova Orleans (EUA), ele também ocupou cargos no Ministério da Indústria e Comércio e no BNDES.

Entre 1992 e 1996, foi presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão voltado para a regulação da concorrência no país. O conselho foi transformado em uma autarquia – ou seja, um órgão com mais independência – na gestão de Coutinho.

Rafael Parente, diretor-geral da Edufuturo e cofundador do Movimento Agora — Foto: Facebook/Reprodução
Rafael Parente, diretor-geral da Edufuturo e cofundador do Movimento Agora — Foto: Facebook/Reprodução

Educação: Rafael Parente

Doutor em educação pela Universidade de Nova York, Rafael Parente foi subsecretário na Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro de 2009 a 2013, na primeira gestão de Eduardo Paes (MDB). No Rio, ele implementou uma plataforma on-line colaborativa de aulas digitais chamada Educopédia. O empresário também é CEO da startup de educação Conecturma, presidente do Centro de Excelência e Inovação em Política (Ceipe), e cofundador do Movimento Agora.

 

DF PAULO RORIZEntorno: Paulo Roriz

Paulo Roriz é sobrinho do ex-governador Joaquim Roriz e já foi deputado distrital por dois mandatos. Durante a gestão do ex-governador José Roberto Arruda, Paulo Roriz atuou como secretário da “região metropolitana” – uma pasta com nome diferente, mas atribuições similares à que deve ser criada.

O futuro chefe da secretaria concorreu nas eleições deste ano a uma vaga na Câmara dos Deputados pelo PSDB, mas não se elegeu.

 

DF LEANDRO CRUZEsporte: Leandro Cruz

Leandro Cruz é o atual ministro do Esporte do governo Michel Temer, empossado em abril deste ano. Antes, foi assessor técnico da Liderança do PMDB na Câmara dos Deputados até 2015, onde trabalhou por sete anos com o deputado federal e ex-ministro do Esporte Leonardo Picciani (MDB-RJ).Cruz exerceu, ainda, a função de assessor especial em órgãos como a Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) e a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Rio de

Janeiro, além de ter sido assessor-chefe da Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Em 2006, quando era secretário de Transportes de Nova Iguaçu, Cruz foi detido por porte ilegal de arma e desacato. Ele chegou a passar uma noite na carceragem de 59ª DP (Duque de Caxias), e depois foi liberado.

Auditor fiscal do DF indicado como secretário de Fazenda do governo Ibaneis (MDB), André Clemente — Foto: Gabriel Luiz/G1
Auditor fiscal do DF indicado como secretário de Fazenda do governo Ibaneis (MDB), André Clemente — Foto: Gabriel Luiz/G1

Fazenda: André Clemente

André Clemente é auditor de carreira da Receita do Distrito Federal, e foi escolhido por Ibaneis para coordenar a área econômica do plano de governo e da equipe de transição.No período de sucessões governamentais em meio à operação Caixa de Pandora, foi secretário de Fazenda de José Roberto Arruda (PR), Paulo Octávio (PP) e Rogério Rosso (PSD).

Em entrevista ao G1, Clemente disse que o orçamento previsto para os próximos anos é “suficiente” para acolher todas as promessas de Ibaneis durante a campanha – incluindo reajuste a servidores e aumento da oferta de serviços públicos.

Deputado Federal Laerte Bessa (PR-DF) Crédito: Ascom Laerte Bessa
Deputado Federal Laerte Bessa (PR-DF)
Crédito: Ascom Laerte Bessa

Gabinete de Segurança Institucional: Laerte Bessa

Com 64 anos, Laerte Bessa (MDB) é deputado federal e integrante da chamada “bancada da bala”. Ele perde o mandato em 1º de janeiro de 2019, quando começa a gestão de Ibaneis. Nascido em Goiânia, Bessa já foi diretor-geral da Polícia Civil do Distrito Federal por oito anos, durante o governo de Roriz. O primeiro mandato dele como deputado federal foi entre 2007 e 2011. Na época, o parlamentar era filiado ao PSC, mesmo partido de Roriz.

 

Gustavo Rocha, ministro de Direitos Humanos, em entrevista em Nova York — Foto: Reprodução/TV Globo
Gustavo Rocha, ministro de Direitos Humanos, em entrevista em Nova York — Foto: Reprodução/TV Globo

Justiça: Gustavo Rocha

O advogado Gustavo do Vale Rocha, de 45 anos, comandou a defesa do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) durante o processo de cassação. Em maio de 2016, foi nomeado ministro dos Direitos Humanos do governo Temer. Durante a passagem pelo governo federal, acumulou também a função de subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil. Um dos principais auxiliares de Eliseu Padilha (ministro da Casa Civil), o advogado também ocupa uma vaga no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), indicado por Temer.

Presidente da Juventude do PDT-DF, Léo Bijos, deverá assumir Secretaria da Juventude  — Foto: Beatriz Pataro/TV Globo
Presidente da Juventude do PDT-DF, Léo Bijos  — Foto: Beatriz Pataro/TV Globo

Juventude: Léo Bijos

Presidente da Juventude do PDT no DF, Léo Bijos é o integrante mais novo do primeiro escalão do governo Ibaneis. Ele é formado em direito e trabalhou na coordenação do gabinete de Cristovam Buarque (PPS, ex-PDT) no Senado. Atualmente, as políticas para a juventude são de responsabilidade da Secretaria da Criança e do Adolescente.

No início deste ano, o PDT chegou a lançar dois nomes como pré-candidatos ao governo do DF – Joe Valle, atual presidente da Câmara Legislativa, e Peniel Pacheco. Ambos desistiram da disputa antes do registro oficial.

 

DF MATEUS OLIVEIRAHabitação: Mateus Oliveira

O advogado Mateus Leandro de Oliveira não é filiado a partido. Mestre em direito urbanístico pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP) ele, está no segundo mandato no Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do DF (Conplan), órgão com função consultiva. Na página oficial do escritório de advocacia do qual é sócio-fundador, o advogado se apresenta com “15 anos de experiência em questões de alta complexidade relacionadas ao direito urbanístico, direito imobiliário e empresarial”.

 

DF SARNEY FILHOMeio Ambiente: Sarney Filho

O deputado federal Sarney Filho (PV-MA) é, como indica o nome, filho do ex-presidente da República José Sarney e tem cadeira na Câmara Federal desde 1983. Ao todo, foram nove mandatos consecutivos por diversos partidos. Nas eleições deste ano, foi candidato ao Senado pelo Maranhão, mas não se elegeu.

Entre 2016 e 2018, Sarney Filho foi ministro do Meio Ambiente no governo Michel Temer. Ele deixou o cargo para sair em campanha eleitoral.

 

DF ÉRICKA FILIPPELLIMulher: Ericka Filippelli

Ericka Filippelli, 39 anos, é presidente regional do MDB Mulher no DF e foi subsecretária de Articulação Instituicional e Ações Temáticas da Secretaria de Políticas para Mulheres do governo federal na gestão Michel Temer. Poucos meses antes, Tadeu Filippelli atuava como assessor direto da presidência. Nas eleições deste ano, Ericka se candidatou a deputada distrital pelo MDB, apostando no sobrenome do Filippelli para impulsionar a campanha. Com 4.285 votos, ela ficou na 79ª colocação e não obteve uma das 24 vagas.

Em entrevista ao G1, Ericka negou que Tadeu tenha “mediado” a indicação ao cargo, e disse ter planos ambiciosos para a futura Secretaria da Mulher – que, hoje, é uma pasta adjunta às de Igualdade Racial e Direitos Humanos. Entre eles, a reabertura e a ampliação da Casa da Mulher Brasileira, fechada desde abril de 2018.

Empresário Izidio Santos (esquerda), anunciado como secretário do governo Ibaneis (MDB) — Foto: Sinduscon-DF/Reprodução
Empresário Izidio Santos (esquerda), anunciado como secretário do governo Ibaneis (MDB) — Foto: Sinduscon-DF/Reprodução

Obras: Izidio SantosO empresário Izidio Santos é, atualmente, vice-presidente administrativo e financeiro do Sindicato da Indústria de Construção Civil (Sinduscon-DF). Segundo perfil publicado pela própria entidade, no mês passado, ele nasceu em Patos de Minas (MG) e é formado em engenharia civil.

Além da atuação no sindicato empresarial, Izidio Santos é fundador e presidente da Barsan Engenharia.

 

 

DF LUDMILA GALVÃOProcuradoria-Geral: Ludmila Galvão

Ludmila Galvão é formada em direito pela Universidade de Brasília (UnB), com mestrado em direito processual civil (2002) pela Universidade de São Paulo (USP). Servidora de carreira do GDF há 22 anos, ela ocupa o cargo máximo da instituição que não é de “livre nomeação”: o de subprocuradora-geral. Para assumir a chefia da Procuradoria-Geral, ela precisa ser aprovada em sabatina na Câmara Legislativa. Ludmila é filha do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ilmar Galvão e casada com o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)Tarcísio Vieira de Carvalho Neto.

 

Deputado federal e futuro secretário de Relações Institucionais do DF, Vitor Paulo (PRB) — Foto: TV Globo/Reprodução
Deputado federal e futuro secretário de Relações Institucionais do DF, Vitor Paulo (PRB) — Foto: TV Globo/Reprodução

Relações Institucionais: Vitor Paulo

Provável secretário de Relações Institucionais, o jornalista e radialista Vitor Paulo foi deputado distrital pelo PSDB, entre 2003 e 2006, e deputado federal pelo DF entre 2011 e 2014 – já filiado ao PRB. Nas eleições de 2014, ele não se elegeu e ficou como suplente do deputado Ronaldo Nogueira (PROS). Paulo voltou a assumir uma cadeira na Câmara dos Deputados em maio deste ano, quando Nogueira se licenciou para assumir a Secretaria-Geral da Presidência da República na gestão de Michel Temer.

Durante o primeiro mandato, Vitor Paulo presidiu a Frente Parlamentar de Apoio ao Idoso, mas aprovou apenas um projeto de lei de sua autoria. O texto, “coassinado” por outras dezenas de parlamentares, criou o Programa de Cultura do Trabalhador em 2012. Atualmente, Vitor Paulo é coordenador da bancada do DF na Câmara Federal. No dia seguinte à eleição de Ibaneis no segundo turno, ele capitaneou uma reunião entre os deputados federais da capital e o futuro secretário de Fazenda do DF, André Clemente.

 

Diplomata e jornalista Pedro Luiz Rodrigues — Foto: Facebook/Divulgação Diplomata e jornalista
Diplomata e jornalista Pedro Luiz Rodrigues — Foto: Facebook/Divulgação Diplomata e jornalista

Relações Internacionais: Pedro Luiz Rodrigues

Pedro Luiz Rodrigues iniciou a carreira no jornalismo, passando pelo Jornal do Brasil, Jornal de Brasília e O Estado de S. Paulo – onde assumiu a direção da sucursal de Brasília. Desde 2013, ele escreve artigos para o portal Diário do Poder. Especialista em assuntos econômicos, também assessorou ex-ministros da Fazenda, como Marcílio Marques Moreira e Pedro Malan. Rodrigues foi, ainda, dirigente da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

Servidor de carreira do Ministério das Relações Exteriores, Rodrigues foi embaixador do Brasil na Nigéria por dois anos e meio, e assumiu a direção de Assuntos Internacionais do Senado Federal.

 

O secretário Osnei Okumoto — Foto: Vigilância em Saúde/Divulgação
O secretário Osnei Okumoto — Foto: Vigilância em Saúde/Divulgação

Saúde: Osnei Okumoto

O farmacêutico Osnei Okumoto é chefe da Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde, desde abril de 2018. Ele está cedido à administração de Michel Temer pela Secretaria de Saúde do Mato Grosso do Sul. Formado em farmácia-bioquímica pela Universidade Estadual de Maringá, no Paraná, ele já foi conselheiro regional de farmácia, conselheiro federal e presidente do Conselho Regional de Farmácia de Mato Grosso do Sul (CRF-MS).

Quando vivia em Mato Grosso do Sul, Okumoto foi filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). A filiação foi feita em 1999 e cancelada, a pedido do novo secretário, em novembro de 2016.

Delegado da Polícia Federal Anderson Torres, anunciado como futuro secretário de Segurança do DF — Foto: TV Globo/Reprodução
Delegado da Polícia Federal Anderson Torres, anunciado como futuro secretário de Segurança do DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Segurança Pública: Anderson Torres

O delegado federal Anderson Torres é, atualmente, chefe de gabinete do deputado federal Fernando Francischini (PSL-PR), ligado ao presidente da República eleito Jair Bolsonaro (PSL). Após a eleição, Ibaneis disse que consultaria Bolsonaro antes de anunciar o titular da pasta. Ao G1, Torres afirmou que o respeito aos direitos humanos será uma “política da pasta”. Ele também disse que recebeu carta branca de Ibaneis para “investigar quem quer que seja”, e que pretende aprimorar o plano de segurança para a Esplanada dos Ministérios nos grandes eventos e manifestações.

 

Advogado João Pedro Ferraz durante campanha ao Senado, em imagem de arquivo — Foto: PPL-DF/Divulgação
Advogado João Pedro Ferraz durante campanha ao Senado, em imagem de arquivo — Foto: PPL-DF/Divulgação

Trabalho: João Pedro Ferraz

O advogado João Pedro Ferraz se candidatou a uma vaga no Senado Federal com o lema de “senador do Trabalho”, neste ano, mas a candidatura foi indeferida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com o TSE, ele chegou a receber 17.589 votos – o que colocaria ele na 14ª colocação, entre os 18 candidatos ao Senado. À Justiça Eleitoral, João Pedro Ferraz declarou patrimônio de R$ 7,8 milhões, e gasto de R$ 930,2 mil na campanha.

Durante as eleições, Ferraz disse ser contrário à reforma trabalhista aprovada pelo Congresso e sancionada por Michel Temer neste ano. Ao longo da carreira, o advogado foi promotor do Ministério Público do Trabalho e procurador-geral do Ministério Público do Trabalho (MPT).

O presidente Michel Temer cumprimenta o Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro Silveira — Foto: Alan Santos/ Presidência da República
Valter Casimiro Silveira — Foto: Alan Santos/ Presidência da República

Transportes: Valter Casimiro

Valter Casimiro é ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil do governo Michel Temer desde abril. Antes, comandava a direção-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). O futuro secretário de Transportes do DF é servidor de carreira do DNIT desde 2006. No órgão, foi coordenador do setor de obras hidroviárias, coordenador-geral de Portos Marítimos e diretor de Infraestrutura Aquaviária.

Ele é bacharel em ciências contábeis pela Associação de Ensino Unificado do Distrito Federal (AEUDF) e tem MBA em administração financeira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

 

Vanessa Mendonça assumirá Secretaria de Turismo do Distrito Federal  — Foto: Nayara Oliveira/Divulgação
Vanessa Mendonça assumirá Secretaria de Turismo do Distrito Federal  — Foto: Nayara Oliveira/Divulgação

Turismo: Vanessa Mendonça

Vanessa Mendonça é a atual diretora nacional do Ministério do Turismo. No cargo, ela é responsável pelas equipes de coordenação geral de produtos, publicidade e de eventos de fluxos turísticos e institucionais do ministério. Segundo a equipe de Ibaneis, Vanessa integra o grupo de transição e se destacou durante as reuniões. A futura secretária de Turismo é economista e publicitária.

No currículo disponível na internet, consta também que Vanessa Mendonça tem pós-graduação em marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), e que preside a Associação dos Profissionais de Propaganda do DF.

Defesa de Luís Miranda diz que parlamentar vai recorrer e que não houve ‘má-fé’. Contas do distrital Agaciel Maia também foram rejeitadas
Youtuber Luís Miranda foi eleito deputado federal pelo DF — Foto: Arquivo pessoal
Youtuber Luís Miranda foi eleito deputado federal pelo DF (Foto: Arquivo pessoal)
Letícia Carvalho e Renata Zago , G1 DF e TV Globo

 

A prestação de contas da campanha do youtuber e deputado federal eleito Luís Miranda (DEM) foram reprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE). De acordo com o relator do caso, ele cometeu três irregularidades (veja abaixo).

A defesa do deputado eleito afirmou que ele vai recorrer da decisão. “Não houve má-fé e todos os pagamentos foram identificados”, diz o advogado do empresário que ficou famoso por morar em Miami, nos Estados Unidos, antes de tentar ser eleito.

Durante o horário eleitoral gratuito, Luís Miranda posava ao lado de uma bandeira americana. Nas promessas de campanha ele disse que traria propostas do presidente dos EUA, Donald Trump, para o DF e o resto do país.

A decisão do TRE, de reprovar as contas, foi por unanimidade. Mas Luís Miranda poderá ser diplomado na próxima terça-feira (18), uma vez que cabe recurso.

Com base no voto do relator, Waldir Leôncio, o ex-youtuber cometeu as seguintes irregularidades:

comprovação irregular dos gastos;

não apresentação dos comprovantes das despesas efetuadas;

saques de R$ 95.731,23 que não se destinaram à composição do fundo de caixa, mas para o pagamento de diferentes despesas. A norma determina que os pagamentos devam ser feitos individualmente, por meio de cheque nominal ou transferência bancária.

No recurso, a defesa do deputado eleito afirmou que o próprio relator disse que “são visíveis os erros por falta de experiência, mas não há nenhum ato ilícito.”

Estreante na política

Estreante na política, Miranda ficou famoso por dar dicas na internet de como viver nos Estados Unidos. O parlamentar obteve 65.107 votos e terminou em 6º lugar na disputa por uma vaga no Congresso Nacional.

Nos Estados Unidos, Luís Miranda trabalha com a venda e a compra de carros e imóveis; ele foi eleito deputado federal pelo DF (Foto: Arquivo pessoal)
Nos Estados Unidos, Luís Miranda trabalha com venda e compra de carros e imóveis (Foto: Arquivo pessoal)

Durante quatro anos em Miami, Luís Miranda trabalhou com compra e venda de imóveis e de carros. Nesse período, gravou vídeos para as redes sociais mostrando, por exemplo, formas de empreender e conseguir o visto de permanência nos EUA.

As publicações renderam 700 mil pessoas inscritas no canal do youtuber. Com a repercussão, Miranda decidiu voltar para o Brasil na tentativa de “trazer propostas do presidente dos EUA, Donald Trump, para o DF e o resto do país”.

Mesmo exaltando os “benefícios” de morar nos EUA, Luís Miranda não abriu mão de uma casa na região do Guará, no Distrito Federal. Para concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados, ele precisou comprovar à Justiça Eleitoral domicílio em Brasília.

 

Contas de distrital rejeitada

O deputado distrital Agaciel Maia (PR) — Foto: CLDF/Divulgação
O deputado distrital Agaciel Maia (PR) ( Foto: CLDF/Divulgação)

O TRE também reprovou a prestação de contas do deputado distrital eleito Agaciel Maia (PR). Segundo a Procuradoria Eleitoral, o político recebeu recursos públicos de campanha e não usou o montante de forma integral, como havia declarado na prestação de contas.

O deputado teria usado aproximadamente R$ 10 mil para impulsionar publicações em uma rede social, mas a quantia não foi gasta na sua totalidade. Além da desaprovação, foi determinada a devolução de R$ 2.238,21 ao Tesouro Nacional no prazo de cinco dias após o trânsito em julgado da decisão.

Em nota, Agaciel apontou que “vai entrar com os embargos e, se precisar, recorrer a instância superior”:

“O Facebook usou apenas uns R$ 7,5 mil e minha equipe não percebeu a sobra. Por isso, a Justiça disse que eu deveria devolver a diferença. Pensei que, como ocorreu com outros candidatos, eu pagaria essa diferença e minhas contas seriam aprovadas com ressalvas. Para minha surpresa, não foi o que aconteceu”.

IMG-20181203-WA0139

Vicente Pires é uma das regiões administrativas mais jovens do DF. Recebeu este título há apenas nove anos, embora suas terras, que inicialmente eram para destinação rural, tenham sido ocupadas pelos condomínios residenciais desde o final dos anos 90.

IMG-20181203-WA0153

Em 2015, após estudos, projetos e licenças ambientais, o Governo do Distrito Federal deu início às obras de infraestrutura na cidade, que àquela altura já contava com mais de 75.000 mil habitantes. Juntamente com as obras, começaram os desafios da construção de dezenas de quilômetros de galerias de macrodrenagem, asfalto, calçadas e meios fios, em meio à rotina de uma cidade em pleno vigor.

Para o desafio de tocar essa imensa obra, sem deixar a cidade parar, em março de 2018 o governador Rodrigo Rollemberg convidou Charles Guerreiro para se juntar ao conjunto de órgãos do GDF como Administrador de Vicente Pires.

IMG-20181203-WA0040Morador da Cidade há vários anos e conhecedor dos anseios da comunidade, Guerreiro assumiu a Administração Regional da cidade e, a partir de então, um novo ritmo foi empreendido e Vicente Pires e o DF conheceram um novo modo de administrar.

Com o jargão “Avança Vicente Pires”, Guerreiro trocou o ar condicionado dos gabinetes pelo ar livre das ruas, sob o sol ou a chuva, de dia ou à noite.

Vestido com o seu inconfundível jaleco vinho, onde se lê “Administrador de Vicente Pires”, Guerreiro empreendeu um ritmo acelerado de atendimento à comunidade, com visitas diárias a diversos pontos da cidade, falando pessoalmente com os moradores e levando o atendimento às mais variadas demandas da população. “Os problemas da cidade não estão aqui dentro. Não posso me dar ao luxo de ficar trancado num gabinete enquanto o povo precisa dos serviços nas ruas, ” explica o administrador.

Uma das primeiras ações do administrador foi estabelecer um canal direto com a população, por meio das redes sociais e do próprio celular. Esse diferencial na forma de comunicação, por meio de vídeos e posts diários, na qual a comunidade recebe as informações, quase em tempo real, facilita os deslocamentos dos pedestres e motoristas, no dia a dia, evitando locais com intervenção de obras, já que a cidade se transformou no maior canteiro de obras do DF. Também graças a esse formato de comunicação, a população entendeu a obra e se familiarizou com diversos termos como, túnel line, dissipadores, bacia de contenção, macrodrenagem, entre outros, relativos às ações que fazem parte das obras.

IMG-20181203-WA0043

Com uma jornada de trabalho extenuante, envolvendo finais de semana e feriados e jornada diária que não raro ultrapassa o horário das 22hs, a comunidade vê a cada momento seu pleito atendido, seja o esgoto que está vazando na rua, o resto de poda que foi descartado fora do lugar, ou uma rua que necessita de reparos. Onde houver problemas que necessitem de atendimento, lá sempre está o incansável administrador. “As obras de infraestrutura, contratadas pela Secretaria de Obras, além das demandas do nosso cotidiano, requerem um olhar atencioso, nos detalhes, e isso só é possível acompanhando de perto. Assim, conseguimos diminuir consideravelmente osIMG-20181203-WA0045 transtornos para a população. É a isso que chamamos de gestão de resultados”, complementa IMG-20181203-WA0041Guerreiro.

Já se tornaram costumeiros os depoimentos nas redes sociais:

“Solicitei um PEC para a Rua 12 e já conseguimos ser atendidos, graças ao Guerreiro”.

“Há 10 anos peço uma parada de ônibus num ponto próximo à minha casa e agora, com a interferência de Guerreiro, nós conseguimos”.

“Hoje consegui chegar ao metrô com a integração, direto de Vicente Pires. Valeu Guerreiro!”

“Um antigo pleito dos papa-lixos foi atendido graças ao empenho do nosso administrador”.

“Passei na rua agora, às 22h00, depois das chuvas, e vi o administrador colocando placas de sinalização num local que oferecia perigo”.

Com esta dinâmica, uma mudança conceitual, muito trabalho e um novo modelo de gestão pública temos, em Vicente Pires, um padrão do serviço público, já reconhecido como de sucesso pela população, que pode ser oferecido como modelo para o restante do DF e até Brasil.

IMG-20181203-WA0044

Com o trabalho diferenciado não demorou muito para que a popularidade do administrador atingisse altos índices de aprovação. Prova disso é a manifestação da comunidade local com o movimento “Fica Guerreiro!”, com o qual a população se organiza, por meio de abaixo-assinados, redes sociais e ações espontâneas, para sensibilização pela permanência do administrador, no novo governo que se iniciará em janeiro do próximo ano.

Fechar