Posts de Marcelo Mesquita

Luciana homenageia Eduardo Campos durante sessão solene em Brasília

De Brasília;

Ana Cristina Santos

A Câmara dos Deputados realizou na manhã desta quarta-feira (12), sessão solene em homenagem ao ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, falecido em um acidente aéreo em agosto do ano passado.

O ato contou com a presença da família do homenageado que ouviu da mesa do Plenário Ulysses Guimarães as expressões de parlamentares e líderes partidários das mais diversas siglas.  O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, também participou da solenidade.

A deputada Luciana Santos foi à tribuna representando o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), do qual é presidenta. Durante o discurso ressaltou o dinamismo de Eduardo Campos ao levar para o estado de Pernambuco investimentos em setores estratégicos para a economia, a exemplo das indústrias farmoquímica, petroquímica e automobilística.

“Eduardo elevou a economia pernambucana para outro patamar, introduzindo a indústria naval, a petroquímica, a indústria de farmoquímicos e a indústria automobilística. Os setores mais dinâmicos da economia hoje estão presentes em Pernambuco; graças à unidade e vontade política desenvolvida em uma grande parceria entre Lula e Eduardo, mas sem dúvida, se não fosse a capacidade de sua equipe e sua capacidade de liderança esses feitos não teriam os resultados atingidos”, salientou.

Luciana lembrou que Campos acreditava na inteligência e no conhecimento como maior patrimônio de um povo e que esse princípio está expresso nos indicadores de muitas políticas iniciadas em sua gestão e que agora são continuadas pela gestão de Paulo Câmara. “Gostaria de destacar especialmente esse último resultado da educação, o resultado do Enem em que das primeiras 10 escolas públicas do país que tiveram as melhores notas no Exame, seis estão em Pernambuco”, ilustrou.

Ao se referir ao cenário político atual Luciana destacou que embora não seja possível ter certeza de qual seria o posicionamento de Eduardo, acreditava que ele estaria defendendo a democracia e o crescimento do país. “Como disse aqui Carlos Siqueira, não sabemos em que posição política ele estaria como presidente (do partido), na situação ou na oposição, mas de uma coisa eu tenho certeza ele estaria defendendo a democracia , estaria agregando, estaria defendendo um pacto no Brasil para retomar o crescimento e defender a economia nacional”.

Luciana finalizou sua intervenção dedicando considerações sobre sua convivência com Eduardo Campos, a quem classificou como um amigo leal e solidário, e também “um pai extraordinário, filho afetuoso, marido que além do amor e afetividade que sempre demonstrou por Renata, também trazia um traço feminista. Uma pessoa que valorizava o papel de Renata, a quem ouvia para tomada de decisões seja no âmbito político seja na vida pessoal”.

“A sua alegria e bom humor sem dúvida era fruto da convicção que ele tinha que esse país tem jeito. Um homem que semeava esperança”, classificou.

 

Eduardo tinha visão de estadista

Por Newton Cerezini

Em meio a tantos insucessos nas administrações estaduais Brasil afora, de que tomamos conhecimento pelos jornais diariamente, Pernambuco vem se destacando nos últimos oito anos justamente por ser um estado onde as coisas acontecem. Aqui, os problemas e os gargalos são enfrentados de frente, com uma visão profissional de um governo que bate metas nas mais diversas áreas, resultando em ações concretas que têm melhorado a vida do povo.

Nosso grande diferencial foi o processo de profissionalização da gestão, iniciado nos governos de Eduardo Campos, que nos deixou precocemente há um ano, após ser vítima de um acidente aéreo na campanha presidencial. Um pleito, aliás, que a sua eficiência como gestor em Pernambuco o credenciou a disputar.

Muito atento às questões gerenciais, uma de suas principais qualidades, Eduardo Campos tomou a decisão correta ao criar, via concurso público, a carreira de Gestor Governamental. O gesto do ex-governador merece destaque diante da até então deficiência histórica da máquina pública pernambucana no tocante à implementação das melhores práticas de gestão e aplicação dos recursos públicos. Com a consolidação da carreira, um ciclo foi fechado na administração pública.

Já com os Auditores Fiscais (arrecadação) e os Auditores de Contas (controle), passamos a dispor dos Gestores Governamentais (aplicação dos recursos). Para melhor exercer essa última atribuição, a categoria dos Gestores Governamentais foi dividida em três especialidades: Administração, Controle Interno e Planejamento, Orçamento e Gestão.

Como presidente da Associação dos Gestores Governamentais de Planejamento, Orçamento e Gestão (AGPOG), quero enaltecer a visão de estadista de Eduardo Campos, que, para além dos seus governos, preocupou-se com o desenvolvimento da administração pública no Estado.

Diante da crescente – e mais do que justa! – exigência da sociedade por serviços públicos de qualidade, o ex-governador entendeu que essa finalidade só seria, de fato, alcançada com o investimento em gestão, sobretudo na aplicação dos recursos, historicamente colocada em segundo plano, se comparada às funções de arrecadação e controle.

Dentro da nossa atuação, ressalto o Modelo de Gestão Todos por Pernambuco, em funcionamento desde março de 2008, que fundou, na administração pública estadual, um conjunto de novas rotinas e práticas que elevam a eficiência, a eficácia e a efetividade da ação governamental. A partir de sua implantação, ainda no início do segundo ano do Governo Eduardo, o modelo inseriu novos conceitos para o processo de Planejamento Estratégico do Estado.

Como ideia fundamental, saliento o paradigma da estratégia como precedente à ação. Foi-se estabelecido um conjunto de objetivos a serem perseguidos ao longo do mandato, fato para o qual convergiram sinergicamente os esforços de todas as secretarias. O governo, em consequência, adquiriu uma identidade e, ao mesmo tempo, um propósito comum.

Esse comportamento transformado em ação inverteu a lógica tão batida pelo próprio Eduardo de que “a máquina pública só moía para os graúdos”, passando a ter como ponto final das políticas públicas a parcela da população que mais precisa do Estado.

Dentre os vários legados deixados pelo ex-governador Eduardo Campos, institucionalizar uma gestão profissional da máquina pública foi o mais representativo. Legado que aquele fatídico acidente em Santos nunca vai conseguir apagar.

* Presidente da Associação dos Gestores Governamentais de Planejamento, Orçamento e Gestão

 

download (1)

Dimmi Amora/Natuza Nery

De Brasília

Folhapress

O TCU (Tribunal de Contas da União) irá fazer novos questionamentos ao governo sobre os gastos de 2014 dentro do processo que analisa a regularidade das contas de gestão da presidente Dilma Rousseff.

A decisão será tomada na sessão da tarde desta quarta-feira (12). O ministro Augusto Nardes, relator do processo de contas, encaminhará a solicitação de novos esclarecimentos, abrindo assim um prazo de defesa maior para a presidente. O prazo, que pode ser de até 30 dias, ainda não está decidido.

Com isso, a previsão de que o processo de contas tivesse sua análise no TCU encerrada até o início de setembro não deverá se concretizar, ajudando o governo, que ganhará mais tempo para evitar que o parecer do tribunal possa ser usado para um eventual início de processo de impeachment contra a presidente na Câmara dos Deputados.

Em junho, o TCU começou a votação do processo de contas anual de Dilma, mas o relator considerou que, devido a várias irregularidades constatadas pelo órgão, eram necessários novos esclarecimentos do governo.

A tendência, na época, era que as contas fossem rejeitadas devido às chamadas “pedaladas fiscais”, manobras do governo para adiar pagamentos sem registrá-los como dívidas e usar bancos públicos para cobrir o rombo. O governo já respondeu ao TCU, alegando que as manobras com os gastos públicos são realizadas há muitos anos e que não as considera ilegais.

Entre os esclarecimentos que serão pedidos ao governo no novo documento a ser aprovado nesta quarta estão pontos que o procurador do TCU Júlio Marcelo de Oliveira questionou antes da votação das contas e que não foram encaminhadas no primeiro pedido do relator Augusto Nardes, conforme publicação da Folha em julho.

A comissão de Fiscalização e Controle do Senado também pediu ao relator que os pontos apontados pelo procurador fossem esclarecidos pelo governo.

O procurador aponta que o governo já sabia que teria que cortar despesas e, mesmo assim, não fez o bloqueio do orçamento, o que contraria a lei orçamentária.

 

Fechar