Posts de Revista Total

g (1)O líder comunitário e candidato a vereador pelo PSD, Fábio Gomes, reuniu-se com o prefeito Geraldo Julio, tendo discutido detalhes do cenário político na capital. Na saída do encontro, Fábio disse que o objetivo da discussão foi declarar ao prefeito total apoio para sua reeleição. “O prefeito Geraldo Julio tem feito um trabalho extraordinário e, mesmo com todos os problemas econômicos que o Brasil atravessa, vem realizando obras de grande importância para as comunidades mais pobres. Por conta de suas grandes obras, sua gestão está recebendo a aprovação da maioria dos recifenses”. Ele apontou como algumas delas, o Hospital da Mulher, o Compaz, melhoria nos mercados e feiras livres e a conclusão da Via Mangue.
Com forte atuação nos bairros de Afogados, San Martin e Mustardinha, Fábio já está sendo considerado pelos principais analistas políticos como um dos pré-candidatos com eleição garantida. O seu nome tem forte penetração popular e um dos motivos da certeza de sua eleição, foi a expressiva votação que o seu candidato ao Conselho Tutelar recebeu. Essa eleição foi considerada como uma verdadeira prévia do pleito municipal.
Com muita humildade, Fábio Gomes disse que o entusiasmo dos líderes comunitários que o apoiam é muito importante, mas fez questão de ressaltar que não existe nada definido. “Cada eleição tem uma história e existem muitos detalhes no meio de uma campanha, que podem mudar tudo. Precisamos estar preparados para trabalhar junto às comunidades que esperam muito de seus representantes”.
Nas eleições passadas para a Câmara Municipal do Recife, o socialista ficou como suplente de vereador, tendo obtido 3.319 votos.

eduardo-campos-2O Blog Revista TOTAL sempre se manteve coerente com seu posicionamento político. Nunca deixamos de demonstrar para nossos leitores nosso posicionamento, pois entendemos que o jornalismo deve ser crítico e intenso defensor de seus conceitos. Estamos falando isso para demonstrar que desde o início, não “entramos na onda” dos grandes jornais e emissoras de TV sediadas no Sul e Sudeste, que apontaram o ex-governador Eduardo Campos (PSB) como envolvido em fraudes para obtenção de recursos para sua campanha à Presidência da República.
Com a morte de Paulo César Morato, um dos envolvidos pela Polícia Federal na chamada Operação Turbulência, o nome do ex-governador foi envolvido como se ele tivesse se beneficiado dos trambiques praticados por Morato e outros empresários, que criaram firmas fantasmas para fraudar documentos e conseguir sonegar impostos.
Ele morreu em um quarto de motel e logo foi noticiado que ele poderia ter sido morto por pessoas interessadas em esconder o envolvimento de Eduardo Campos com o grupo criminoso.
A competente delegada Cleide Ângelo concluiu o inquérito e confirmou que o empresário suicidou-se ingerindo o produto conhecido como “chumbinho”. Descobriu que ele tinha sérios problemas de saúde agravados com a notícia de que havia sido descoberto como componente da quadrilha e mais agravados ainda pela informação de que sua prisão preventiva havia sido decretada pela Justiça Federal.
Com o morto, os policiais e peritos encontraram sete pen drives, que constataram as primeiras hipóteses levantadas pelos policiais. Os próprios familiares dele disseram que ele estava desesperado e nas conversas, disse que iria fugir e não poderia apontar o porquê.
Agora, depois que tudo está descoberto, podemos mais uma vez, atestar a inocência do ex-governador Eduardo Campos que, se não tivesse sido vítima daquele terrível desastre, hoje seria presidente do Brasil pois sua candidatura já era considerada como vitoriosa por inúmeros analistas e cientistas políticos, especialmente após a entrevista dada ao jornalista William Bonner, no Jornal Nacional, transmitido pela Rede Globo.
As especulações e das notícias tendenciosas dadas com o objetivo de denegrir a imagem de um dos mais importantes políticos pernambucanos, estão desmentidas.

14117743_1321367781214479_3564481042052854499_nO deputado estadual Aglaílson Junior (PSB), candidato à Prefeitura de Vitória de Santo Antão pela Frente Popular da Vitória, está com sua eleição garantida por conta dos inúmeros apoios que vem recebendo dos mais importantes líderes políticos e comunitários, além de comerciantes e produtores rurais. Outro ponto considerado fundamental para sua vitória é a união entre o seu grupo político liderado pelo ex-deputado José Aglaílson (PSB).
Enquanto seus opositores discutem e não conseguem se entender, Aglaílson mantém uma grande coesão o que tem feito com que sua campanha deslanche e a cada dia, receba mais apoios e adesões. O próprio grupo de 26 candidatos a vereadores tem se mantido unido e trabalhando para que a chapa alcance um enorme êxito. A coligação formada pelo PSB, PP, PTC e Solidariedade é considerada como a mais consistente.
As reuniões ocorridas nos primeiros dias de campanha têm mostrado um grande avanço com a participação de muitos eleitores tal como aconteceu no dia da convenção quando o local foi invadido por uma multidão que cantou e dançou ao som das músicas da campanha. Muitos saíram do evento gritando o “já ganhou”.
O candidato tem se mostrado animado e considera que o entusiasmo dos eleitores é normal por conta do sucesso dos diversos eventos ocorridos tanto na sede quanto nos distritos.
Aglaílson conta ainda com o importante apoio do candidato a vice-prefeito, o médico Saulo Albuquerque, que tem uma longa história iniciada ao lado de Dr. Ivo Queiroz, com trabalhos comunitários ajudando pessoas carentes a receberem um tratamento decente. Sua popularidade fez com que se tornasse vereador, eleito como um dos mais votados e com uma atuação parlamentar digna de inúmeros elogios.
Por tudo isso, Aglailson Junior vai recuperar a hegemonia política no município, fazendo com que seu grupo político retorne à Prefeitura de Vitória de Santo Antão.

Pri FerrazA candidata a vereadora do Recife Priscila Ferraz (PRTB) prestigiou uma festa organizada pela Associação dos Funcionários Aposentados do Bandepe (ASFABE), na Madalena, Zona Oeste da capital pernambucana. Durante o evento, ela agradeceu o convite e o apoio recebido da associação e de pessoas que estiveram no local. “Agradeço à ASFABE por me receber de portas abertas e por acreditar no projeto que tenho para um novo Recife. Foi muito bom também contar com o suporte das pessoas que aqui estiveram”, afirmou.
Ela agradeceu ao presidente da Associação, Reginaldo Dias, que entendeu sua intenção de realizar um trabalho direcionado para melhoria das condições de vida dos aposentados e dos idosos de um modo geral. “Vou defender melhorais na rede pública de saúde, com atenção especial aos idosos, ampliação das atividades das Academia da Cidade, melhoria no sistema de transporte coletivo, cumprimento por parte dos bancos da lei dos 15 minutos nas filas e outros pontos defendidos pelas diversas de associações de aposentados existentes no Recife, como a ASFABE, que é muito atuante”, explicou Priscila.
O presidente Reginaldo Dias disse que é importante para a ASFABE ter o apoio de um representante na Câmara de Vereadores. “No regime democrático, o trabalho dos parlamentares é imprescindível e nossa Associação confia nas propostas apresentadas por Priscila Ferraz. É uma pessoa jovem e a política em nosso País precisa de uma profunda oxigenação”.
FESTA – O samba deu o tom da celebração, com a banda Tudo Nosso e os cantores Leno Galeria e Dinah Santos. Enfermeira, Priscila Ferraz tem como maior bandeira a defesa de uma saúde mais humanizada e acessível para os recifenses. Além da vasta experiência na sua área de formação, ela também foi gestora da Policlínica Lessa de Andrade entre 2013 e 2016.

Enquanto esteve à frente da conhecida unidade de saúde pública do Recife, Priscila conseguiu colocar em prática vários serviços, como uma Unidade de Apoio de Psiquiatria, o Núcleo de Desenvolvimento Infantil para Crianças com Microcefalia, um ambulatório para crianças e adolescentes vítimas de violência, além de tornar a Policlínica centro de referência para tratamento de HPV para homens e mulheres.
Os vários desafios enfrentados na saúde pública motivaram Priscila Ferraz a disputar uma das 39 vagas na vereança do Recife. A candidata também atenta para a necessidade de renovação nos espaços de poder. “O brasileiro está desacreditando em seus representantes pelo turbulento cenário político que o País vivencia. Com o recifense não é diferente. A sensação de improdutividade é grande no Poder Legislativo. A população não sente a participação de muitos vereadores”, avaliou.

Por Raíza Muniz – Ascom/Cabo Fotos: Randy Augusto

Avenida5_ENSEADASDOSCORAIS_06RandyAugustoVárias obras de pavimentação e drenagem na área das praias estão sendo realizadas pela Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho visando melhorar a infraestrutura do litoral. As obras na antiga Estrada de Suape seguem em ritmo acelerado para beneficiar centenas de moradores e visitantes. Na praia de Enseada dos Corais, a pavimentação da Avenida 5 chega à reta final.

Hoje (30) pela manhã, o prefeito Vado da Farmácia realizou uma visita de inspeção aos dois serviços, acompanhado de engenheiros da empresa contratada, dos secretários Lusivan Oliveira (Gestão Pública), Osvaldo Vieira (Infraestrutura) e Osman Beltrão (Obras Públicas), da chefe de gabinete, Juciara Barbosa, e de técnicos da prefeitura.

As obras na antiga Estrada de Suape vão beneficiar diretamente sete comunidades: Vila dos Pescadores, Águas Compridas, Loteamento Boto, Cepovo, Nego Cassiano, Lagoa do Zumbi e Tiriri. Além de trazer mais mobilidade aos moradores, será uma rota importante para o turismo local, ligando a praia de Gaibu à praia de Suape.

“A via está recebendo os serviços de drenagem, construção de calçadas e pavimentação em asfalto. Dos 2.340 metros de extensão, 740 já foram totalmente pavimentados. Nas próximas semanas, serão finalizados mais 460 metros, mas a sub-base está pronta em praticamente todo trecho”, explicou o secretário Osman Beltrão. Os trabalhos estão sendo realizados com recursos do Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Municipal (FEM) II.

Após percorrer todo o trecho da estrada de Suape e conversar com moradores, o prefeito e sua equipe se dirigiram à Avenida 5, em Enseada dos Corais. Quando pronta, ela servirá como uma via alternativa para a rota do turismo local, ligando Gaibu a Enseada dos Corais, sendo paralela à Rodovia PE-028. Dos 1.440 metros de extensão, quase 1.000 já foram concluídos, restando apenas um trecho que deverá ser concluído nos próximos meses. A praia ainda está sendo beneficiada com o revestimento do canal 1, que possui cerca de 1.100 metros.

“Mesmo diante da queda de receita em nosso município devido à crise, trabalhamos duro para trazer obras importantes de Pontezinha a Jussaral, sem esquecer de melhorar a infraestrutura também do litoral. Essas duas obras de pavimentação vão trazer mais alternativas de circulação para moradores e turistas e ainda vão valorizar as residências e o comércio”, destacou o prefeito Vado da Farmácia.

Avenida5_ENSEADASDOSCORAIS_01RandyAugustoAvenida5_ENSEADASDOSCORAIS_04RandyAugusto

 

Por Juliana Dias – Ascom/Cabo

moto-taxi-profissionais-itabuna1A Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho iniciou uma campanha educativa para erradicar o transporte clandestino feito por mototaxistas no município, visando oferecer mais segurança e comodidade aos usuários do transporte. O trabalho é coordenado pela Secretaria Municipal de Defesa Social.

Para ser condutor de mototáxi, não é necessária apenas a habilitação regularizada. É preciso que o candidato comprove saber andar no trânsito, bem como ter conhecimento sobre a legislação relacionada à função de um mototáxi. Por isso, a Prefeitura está realizando a campanha para que os usurários possam identificar e utilizar apenas aqueles que estão regularizados.

De acordo com a Lei 2899/2012, o motorista que continuar fazendo transporte clandestino de passageiros estará sujeito a multas que variam de R$ 93,96 (leve) a R$ 586,62 (gravíssima), além da apreensão do veículo, podendo ainda gerar um valor 10 vezes maior da multa, caso haja reincidência.

REUNIÃO – O secretário municipal de Defesa Social, Luiz Pereira, recebeu uma comissão de mototaxistas não regularizados, para ouvir suas reivindicações e aproveitou para orientá-los sobre o prazo para se regularizarem. Na ocasião, o secretário destacou aos presentes que a prefeitura compreende a preocupação dos motoristas que se encontram em situação irregular quanto às apreensões e também a demanda da população, mas explicou que a regularização é essencial para o disciplinamento da atividade no município.

“Orientamos que, neste período de campanha educativa, vocês possam buscar essa regularização, para que possamos, neste mesmo período, fazer um estudo e vermos a possibilidade de abrirmos um novo processo para concessão de mais vagas em pontos de mototáxi. De toda forma, é imprescindível que estejam com a documentação em dia”, alertou Luiz Pereira.
Representantes do 18º Batalhão da Polícia Militar também estiveram presentes e elogiaram a iniciativa da Prefeitura pois a regularização vai permitir mais segurança para os passageiros e evitar a apreensão das motos.

Uol

26out2014---eleitores-comparecem-as-secoes-eleitorais-para-votar-em-presidente-e-governador-em-belem-1469453929543_615x300Apesar de terem um limite de custos de campanha que chega a no máximo 20% daquele estabelecido para São Paulo, cidade com o maior teto eleitoral (gasto máximo de campanha de cada candidato pode realizar), Palmas, Vitória e Cuiabásão as capitais onde os candidatos estão autorizados a gastar mais por eleitor nas eleições municipais de outubro.

As cidades lideram o ranking de gasto eleitoral per capita entre as capitais. O número foi obtido a partir da divisão do total do custo de campanha autorizado pela Justiça Eleitoral pelo número de eleitores aptos a votar no município.

Em Palmas, será possível gastar até R$ 45,06 por eleitor. Em Vitória, R$ 27,74; e em Cuiabá, R$ 21,69.

A capital paulista, que teve o maior limite de gasto de campanha autorizado, com R$ 45,4 milhões, aparece apenas na 19ª posição entre as 26 capitais (Brasília não tem eleições municipais), com um limite de R$ 5,12 por eleitor. São Paulo é também a cidade com o maior eleitorado no país, com 8,8 milhões de pessoas

Nas eleições deste ano, o limite de gastos de cada campanha foi fixado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a partir de determinação da lei da minirreforma eleitoral, aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Antes, cada candidato era livre para indicar quanto iria gastar na campanha.

Nestas eleições também estão proibidas as doações feitas por empresas. Apenas pessoas físicas podem contribuir com valores, no limite de 10% da renda obtida no ano anterior.

A proibição levou os candidatos a projetar que não será possível atingir o limite imposto pela receita eleitoral. Em São Paulo, por exemplo, a equipe do prefeito Fernando Haddad (PT) prevê gastar cerca de R$ 10 milhões na campanha da reeleição. Número que fica longe dos R$ 67 milhões declarados pelo petista à Justiça Eleitoral na campanha de 2012 (valor não atualizado pela inflação; com a correção, os gastos chegaram a R$ 90 milhões).

O TSE divulgou nesta segunda-feira (25) as estatísticas do eleitorado para o pleito de outubro, quando serão eleitos prefeitos e vereadores em 5.568 municípios.

O Brasil tem 5.570 cidades, mas duas não terão eleições municipais. Brasília (capital federal) não elege prefeito nem vereadores (há um governador e deputados distritais). Em Fernando de Noronha, o caso é semelhante: o município é considerado um distrito de Pernambuco, não tem prefeito e um número pequeno de eleitores (pouco mais de 2.300).

Veja o limite de gastos por eleitor nas capitais:

Palmas  – R$ 45,06
Vitória – R$ 27,74
Cuiabá – R$ 21,69
Belo Horizonte – R$ 13,85
Florianópolis – R$ 11,47
Campo Grande – R$ 11,22
Natal – R$ 10,27
Aracaju – R$ 9,47
Porto Velho – R$ 9,24
Boa Vista – R$ 8,99
Maceió – R$ 7,77
Salvador – R$ 7,54
Curitiba  – R$ 7,42
Fortaleza – R$ 7,33
Manaus – R$ 7,14
Goiânia – R$ 5,94
Recife – R$ 5,90
Porto Alegre – R$ 5,32
São Paulo – R$ 5,12
João Pessoa – R$ 5,04
São Luís – R$ 4,76
Macapá – R$ 4,26
Teresina – R$ 4,12
Rio de Janeiro – R$ 4,05
Belém – R$ 1,36
Rio Branco – R$ 0,92

Blog do Josias

lula-dilma_ueslei-ma_766A autodefesa de Dilma Rousseff no Senado é cenográfica. Sabendo-se cassada, Dilma tem a pretensão de falar para a história, não para os 81 senadores. Ensaiou suas melhores poses para as lentes dos documentaristas que filmam o último capítulo de sua Presidência. Dilma sobe no palco sob a direção do caos —ou de Lula, que muitos acreditam ser a mesma coisa.

Quando começa o caos?, perguntavam-se os brasileiros em crises passadas. O que é o caos? Onde fica o caos? Dilma matou, finalmente, a curiosidade coletiva. Seu governo apresentou a nação ao caos. De gestora impecável, Dilma virou uma espécie sui generis de totem. Um totem revestido com papel de moscas, que traz grudados todos os indicadores de uma administração ruinosa.

Entre 2013 e 2016, a economia brasileira encolheu 6,8%. O desemprego saltou de 6,4% para 11,2%. Foram ao olho da rua algo como 12 milhões de patrícios. A Lava Jato demonstrou que o único empreendimento que prosperava no Brasil era a corrupção. A força-tarefa de Curitiba já produziu 106 sentenças condenatórias. Juntas, somam 1.148 anos, 11 meses e 11 dias de cadeia. Em Brasília, encontram-se sob investigação no Supremo Tribunal Federal 364 pessoas e empresas.

Diante desse cenário, com a ruína a pino, as causas invocadas para cassar Dilma —o uso de recursos de bancos públicos para pedalar despesas que eram de responsabilidade do Tesouro e a abertura de créditos orçamentários sem a autorização do Congresso— são pretextos para condenar uma administradora precária pelo conjunto de sua obra.

Guiando-se por um script que traz as digitais de Lula, Dilma fala às câmeras dos documentaristas sobre uma crise que é sempre culpa dos outros. Em timbre emocional, recorda seus tempos de prisioneira da ditadura. Lembra da luta contra o câncer. E repete o lero-lero segundo o qual jamais imaginou que teria de pegar em lanças contra outro “golpe”. Diz isso em pleno Legislativo, num julgamento comandado pelo chefe do Judiciário.

No papel de ‘inocenta inútil’, Dilma evoca os 54 milhões de votos que recebeu em 2014 para defender seu retorno à poltrona de presidente. Não para governar, mas para convocar um plebiscito capaz de livrar o país dela própria e de Michel Temer simultaneamente. Cética, a plateia se diverte com as palavras de Dilma como quem brinca de roleta russa, na certeza de que a sinceridade que a oradora manipula está completamente descarregada.

Em poucas horas, Dilma irá embora. Levará com ela as lentes dos documentaristas. Mas deixará a crise, que continuará fervilhando como uma telenovela sem fim. Livres dos desafios da interinidade, Temer e seu exército de brancaleone —liderado por renans, jucás e outros xamãs— serão relegados a tarefas menores como, digamos… trabalhar.

blog da folha

Marina-Silva-PalácioA ex-senadora Marina Silva (Rede) foi recebida, na manhã deste domingo (28), pelo governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e a primeira-dama Ana Luiza, no Palácio do Campo das Princesas. O encontro faz parte da série de agendas de Marina no Estado.

Na ocasião, estiveram presentes os secretários Felipe Carreras (Turismo, Esporte e Lazer), Sérgio Xavier (Meio Ambiente e Sustentabilidade) e João Campos (Chefe de Gabinete), além do deputado federal Tadeu Alencar (PSB) e o vereador do Recife Eurico Freire (PV).

À frente da Rede Sustentabilidade, neste domingo, Marina Silva ainda grava imagens com o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB). Na segunda, participa de ato com o postulante ao Executivo olindense pelo PSB, Antônio Campos – que, em 2014, defendeu que a, então, candidata a vice-presidente da República assumisse a cabeça de chapa e disputasse o Planalto, após a morte de Eduardo Campos (PSB).

O Estadão

MALUF1  BSB DF 12/11/2014 -  NACIONAL  PAULO MALUF/PLENARIO Deputado Paulo Maluf ( PP SP), no plenario da Camara dos Deputados, em Brasilia.   FOTO:DIDA SAMPAIO/ESTADAO
MALUF1 BSB DF 12/11/2014 – NACIONAL PAULO MALUF/PLENARIO Deputado Paulo Maluf ( PP SP), no plenario da Camara dos Deputados, em Brasilia. FOTO:DIDA SAMPAIO/ESTADAO
Deputado é réu por crime de falsidade ideológica, acusado de ter recebido financiamento de uma empresa da qual era sócio sem prestar esclarecimentos na campanha eleitoral de 2010

O atual deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) movimentou mais de U$ 446 milhões em contas no exterior, principalmente pelos bancos Deutsche Morgan Grenfell e Deutsche Bank. Maluf teria desviado dinheiro de obras na capital paulista no período em que foi prefeito de São Paulo, entre 1992 e 1996. O deputado tinha dinheiro na Suíça, Luxemburgo, França e Jersey.

Brasília – Bem humorado, o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) prestou depoimento nesta quarta-feira, 24, ao Supremo Tribunal Federal (STF) e disse nunca ter sido preso, “só solto”. Maluf é réu em ação penal por crime de falsidade ideológica, acusado de ter recebido financiamento de uma empresa da qual era sócio sem prestar esclarecimentos na campanha eleitoral de 2010.

A um juiz auxiliar do gabinete do ministro Luiz Fux, relator do processo, Maluf negou acusações e disse que nunca procurou financiadores para a campanha eleitoral. “O candidato, normalmente, não fica no diretório, não fica fazendo a contabilidade de campanha. Quem faz a contabilidade de campanha de mais de uma centena de candidatos de cada vez é o comitê financeiro regional. Muito bem. Então eu vou para comícios, vou para feiras livres, vou para supermercados, programas de rádio, de televisão. A gente normalmente sai de casa 7h da manhã e olha lá quando pode chegar em casa 23h ou 24h”, afirmou ao magistrado.

No interrogatório, Maluf é questionado se já foi preso alguma vez. Em 2005, ele e o filho, Flávio, chegaram a ficar 40 dias presos na sede da Polícia Federal em São Paulo, mas o Supremo revogou a ordem de prisão dos dois.

“Excelência, muitas vezes me perguntam se eu fui preso. E eu respondo o seguinte: eu fui solto pelo Supremo Tribunal Federal, que considerou minha prisão ilegal, sem base legal. E não tinha mesmo. Quero dizer mais a vossa excelência: eu tenho aqui na vida pública um pequeno ressentimento, que prenderam meu filho”, disse Maluf, emendando: “E eu, Paulo Salim Maluf, não tenho nenhum histórico de ter nomeado nenhum parente, nem meu irmão, nem meus cunhados, sobrinhos, nunca. Meu filho nunca exerceu nenhum papel público. Tanto é que Supremo soltou a mim e a ele, por votos de maioria absoluta”.

Ele afirmou ao juiz que não possui “nenhuma condenação cível nem criminal”. Depois, afirmou que foi condenado em uma ação popular após presentear os jogadores da Copa do Mundo de 70. Depois de 36 anos, disse Maluf, foi absolvido. “Não tenho nenhuma condenação nem cível nem criminal. Uma vez, veja vossa excelência, eu resolvi dar um ‘fusquinha’ em 1970 para cada jogador do tricampeonato nacional”, disse Maluf, aos risos, após cantarolar a música tema da seleção brasileira da época.

“Tive uma ação popular. (…) depois de 36 anos, em 2006, fui absolvido. E até quero dizer que me sinto feliz de ter contribuído para o tricampeonato porque foi a festa mais linda que eu vi no Anhangabaú”, completou.

Maluf foi acusado em outubro de 2014 pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em razão de irregularidades na prestação de contas da campanha de 2010. A 1ª Turma do Supremo aceitou a denúncia no ano passado, quando Maluf se tornou réu. Segundo a acusação, Maluf teve R$ 168,5 mil de despesas de campanha pagas por empresa pertencente à sua

Fechar