Posts de Revista Total

Segundo ele, militares são patriotas e sabem do problema fiscal do país. Mudanças para as Forças Armadas, porém, devem ser feitas em texto diferente

Segundo o ministro, caberá ao presidente Jair Bolsonaro decidir como será o envio das propostas ao Congresso (Foto: Mauro Pimentel/AFP)
Segundo o ministro, caberá ao presidente Jair Bolsonaro decidir como será o envio das propostas ao Congresso (Foto: Mauro Pimentel/AFP)

Por Hamilton Ferrari – Correio Braziliense

Postado por Marcos Lima Mochila

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que os militares vão “junto conosco” na reforma da Previdência. Segundo ele, as Forças Armadas são “patriotas” e sabem que o problema fiscal do país exige mudanças nas regras de aposentadoria. Por uma questão de legislação, porém, as mudanças para os membros das Forças Armadas não devem ser incluídas na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que o governo quer enviar em breve ao Congresso Nacional.

Segundo Guedes, o único ponto a ser definido é com relação à legislação. “Eles não estão na Constituição. A legislação é por lei ordinária. É uma lei diferente, mas eles também vão contribuir com esse ajuste, que vai ter de ser feito”, destacou, depois de reunião com investidores em um hotel em Brasília, nesta quinta-feira (7/2).

O ministro disse reconhecer que os militares foram deixados de lado nas últimas décadas. “Os militares são patriotas. Eles alegam, com razão, que foram deixados para trás. Houve várias coisas. Eles tiveram defasagem salarial que os outros funcionários públicos não tiveram, perderam vários instrumentos correlatos, não têm direito de greve, são transferidos de uma cidade para outra sem ter auxílio moradia”, ressaltou. “Mas eles disseram que vão se sacrificar. Eles disseram que vão junto conosco para a reforma. O que eles dizem apenas é que não é a mesma PEC. A lei para eles é diferente.”

Decisão de Bolsonaro

Também de acordo com Guedes, caberá ao presidente Jair Bolsonaro decidir como será o envio da proposta ao Congresso Nacional. O que o governo quer evitar, afirmou o ministro, é fazer as mudanças para os militares sem que a PEC da Previdência seja aprovada. “Tem um problema de sincronização aí. Isso tudo o presidente tem que resolver: como é que garante que todo mundo vai pagar pelo ajuste e não só uns? Isso tudo são questões técnicas”, explicou.

Mais cedo, Paulo Guedes disse que a PEC da reforma da Previdência não vai incluir a criação de um novo regime trabalhista. “É muito cedo ainda para falarmos de mudanças trabalhistas. Quando o presidente voltar, vamos mostrar várias simulações. Não vamos misturar os assuntos para não atrapalhar o trâmite da reforma.”

(Foto: Arte da Equipe do Mochila)

(Foto: Arte da Equipe do Mochila)

O MODUS VIVENDI QUE SE ESPERA DE PAULO CÂMARA

Por Marcos Lima Mochila

 

Durante as eleições, geralmente, perdemos algumas amizades. Isso acontece, porque o ser humano não aceita atitudes e pensamentos de outros que sejam diferentes dos seus.

No caso dos políticos, esses gestos são mais acirrados porque se trata de luta pelo poder, que não será só do candidato, mas de todo um grupo que, na maioria das vezes, é formado por vários partidos e, consequentemente, por vários interessados.

O que é necessário é que, passada a contenda, conhecidos os vencedores e os vencidos, ambos se entendem e voltem a ter uma convivência civilizada… pelo menos até o próximo embate.

É isso que esperamos do nosso governador e é isso que estamos começando a ver.

Em prol de Pernambuco, Paulo Câmara terá que agir racionalmente. Porque é oque se espera de um Chefe de Estado e, mais ainda, porque o Estado vai precisar – e muito -, da ajuda do Governo Federal.

São muitos os nossos problemas, são muitas ações que tiveram que ser suspensas por promessas não cumpridas pelos governos anteriores, sobretudo nos últimos quatro anos, após a tragédia que atingiu a todos os pernambucanos, com a morte de Eduardo Campos: nem Dilma, nem tampouco Temer, cumpriu ¼ das promessas que fizeram. E Pernambuco, e seu povo, ficou a ver navios e sofrendo um sofrimento que seria maior não fosse o governador um grande técnico que soube, mesmo em face de toda crise, tantas dificuldades, sair-se bem nesses últimos quatro anos, inclusive com a realização de uma grande quantidade de obras.

PC COM MIN EDUC 1

Por isso, como estamos atentos a todas essas movimentações, deixam-nos satisfeitos essas andanças de Paulo, já tendo mantido encontros com dois importantes ministros de Bolsonaro: o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez e o superministro da Economia, Paulo Guedes que, aliás, refuta este título.

PC COM PAULO GUEDES 2

Errar mesmo, nesta sua segunda gestão, errou apenas em não ter participado do encontro dos governadores com Bolsonaro.

Mas há muito tempo para isso, pois, afinal de contas, estamos ainda no segundo mês dos próximos quatro anos.

E Paulo Câmara, que de bobo não tem nada, provavelmente irá preparar o seu modus vivendi com Jair Bolsonaro.

Pelo bem de Pernambuco.

___________________________________________

Modus vivendi é uma frase em latim que significa um acordo entre partes cujas opiniões diferem, de tal maneira que elas concordam em discordar.

Durante reunião na Capital Federal, o governador e Paulo Guedes também discutiram sobre a revisão do Pacto Federativo e Reforma da Previdência 

PC COM PAULO GUEDES 2

Postado por Marcos Lima Mochila

 

BRASÍLIA – O governador Paulo Paulo Câmara defendeu, nesta terça-feira (06/02), a revisão do Pacto Federativo e a liberação da contratação de novas operações de crédito para Pernambuco, durante reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes. No encontro, o chefe do Executivo estadual detalhou a situação fiscal do Estado, que fechou 2018 com superávit e uma economia de R$ 200 milhões no custeio da máquina em comparação com 2017. A administração pernambucana apresenta ainda baixo percentual de endividamento e enquadramento às regras estabelecidas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Fatores que, historicamente, sempre balizarão este tipo de operação.

“A gente tem operações de crédito que ficaram pendentes ainda desde o governo passado porque ocorreram mudanças nos critérios de concessão (estabelecidos pela União), quando elas já tinham sido autorizadas. Então, a gente veio buscar aqui complemento de operações que não puderam ser feitas por essa mudança de critérios. Isso vai ser estudado. O ministro solicitou que, tão logo publique o balanço de 2018 (do Governo Federal), ele se reunirá com as equipes técnicas para a liberação desses recursos”, afirmou Paulo Câmara.

PC COM PAULO GUEDES 3

O ministro sinalizou inclusive que uma operação de crédito junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no valor de R$ 140 milhões está pronta para ser liberada. Restando apenas o cumprimento de uma etapa burocrática pelo Governo de Pernambuco.

Com relação à revisão do Pacto Federativo, o governador pontuou que o tema é de interesse dos gestores que estão à frente dos Estados e municípios, que assumem cada vez mais responsabilidades, sem contar com contrapartidas para os seus financiamentos. “Todos nós sabemos que hoje os recursos estão muito concentrados na União e essa descentralização, com responsabilidade e, acima de tudo, com a busca que os municípios possam cumprir com suas obrigações constitucionais, é fundamental. Então, é um momento adequado para fazer. O primeiro ano de governo é um momento importante e bem possível de serem feitas discussões como esta”, frisou.

PC COM PAULO GUEDES 5

Reforma da Previdência – O ministro da Economia aproveitou a audiência para apontar ao governador alguns dos elementos que podem ser incluídos na proposta de Reforma da Previdência que o Governo Federal vai encaminhar ao Congresso Nacional. Entretanto, o texto final só será detalhado nas próximas semanas. “Nós vamos ter uma reunião no dia 20 de fevereiro, aqui em Brasília, com todos os governadores, onde o ministro vai apresentar efetivamente qual é sua proposta para a previdência. Todos nós sabemos da necessidade de ser fazer reforma, mas precisamos conhecer qual é essa reforma”, revelou Câmara.

O governador fez questão de registrar que o assunto precisará ser tratado levando em consideração as peculiaridades das diferentes regiões do País e da sociedade brasileira. “Temos a preocupação com essa questão da aposentadoria dos trabalhadores rurais, a questão do BPC”, citou, lembrando que a necessidade da implementação de uma reforma da previdência poderá ajudar a reverter o complicado quadro da área nos Estados. “Precisa ser feita, até porque os déficits previdenciários dos Estados hoje é uma realidade muito forte”, concluiu.

Participaram do encontro os secretários estaduais da Fazenda, Décio Padilha, e de Planejamento e Gestão, Alexandre Rebêlo; a secretária de Relações Financeiras Intergovernamentais da Secretaria do Tesouro Nacional, Priscilla Santana; o diretor de Política e Recuperação Fiscal do Ministério da Economia, Bruno Funchal; e o secretário-executivo do Ministério da Economia, Paulo Derico.

Fotos: Eduardo Machado/SEI

 

UNIÃO PELA SOBREVIVÊNCIA POLÍTICA

COLUNA AC 07 02

Por Arthur Cunha

Postado por Marcos Lima Mochila

 

Se os governadores do Nordeste não se mantiverem unidos para peitar Jair Bolsonaro com argumentos, discurso e estratégia, eles serão “tratorados” pelo presidente da República. Apesar da postura aparentemente institucional por parte da sua equipe, o mandatário já deixou claro que os gestores da região serão tratados como oposição porque não votaram nele. E opositor é opositor; não importa se é de Direita ou de Esquerda. Na primeira brecha que encontrar, Bolsonaro tentará alavancar um aliado seu no “território inimigo”, para usar uma linguagem militar. A tática é clara e antiga, até: minar os adversários para desqualificá-los em seguida. FHC fez isso com Arraes, por exemplo. Se o atual governo decolar na economia, aí é que essa postura ficará mais evidente.

Portanto, acertaram os governadores do Nordeste quando se anteciparam ao presidente e bateram com ênfase na tecla da necessidade de um novo Pacto Federativo. A bandeira é antiga; mas ganha cada vez mais a adesão entre os prefeitos. O movimento pode crescer e entrar na pauta do Congresso de uma vez por todas. A pressão política já teve início na carta dos governadores, divulgada, ontem, após eles se reunirem em Brasília. O Nordeste despontou como a resistência, a Quinta Coluna do enfrentamento político. Nesse processo, vale salientar, ninguém ainda se configurou como a “cara do movimento”. Talvez isso seja bom para preservar a unidade e a vontade dos envolvidos permanecerem no enfrentamento.

A estratégia, fundamental nesse embate, começa a ficar clara. Bolsonaro já entendeu. Por enquanto, seu capital político adquirido na campanha, e que foi pouco gasto nesse primeiro mês de mandato, é o seu trunfo. Essa gordura, porém, pode ser gasta na guerra pela aprovação da reforma da Previdência; uma pauta mais urgente que a disputa com os nordestinos, e da qual depende o futuro político do próprio presidente.

Os sinais, entretanto, são fortes. De ambos os lados. A queda de braço é iminente; vai estourar logo. Bolsonaro tem no seu time um cordão de governadores, do Sudeste e do Sul, ávidos por darem provas de lealdade. Nesse sentido, João Doria (SP), Wilson Witzel (RJ), Romeu Zema (MG), Ibaneis Rocha (DF), Ratinho Júnior (PR) e Eduardo Leite (RS) são os pontas de lança do presidente, que tentarão puxar o protagonismo de um movimento de governadores para si e para a pauta que definirem. A antecipação dos nordestinos, nesse aspecto, é outro ponto positivo, que vai se refletir na prática. A turma dessas bandas é disposta, tem garra e está pronta para o embate. Estão unidos pela sobrevivência política.

Outras bandeiras – Além da revisão do Pacto Federativo, os governadores do Nordeste cobraram de Jair Bolsonaro um debate mais amplo sobre a reforma previdenciária e os projetos de Lei para a segurança pública; além da proposição do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). A estratégia da carta com as reivindicações é boa para ser o ponto de partida. Cabe aos gestores, no entanto, a criação de novos fatos políticos na defesa de suas bandeiras.

PC COM PAULO GUEDES 4

Operações de crédito – Em paralelo à pauta dos governadores do Nordeste, o gestor de Pernambuco, Paulo Câmara, defendeu a revisão do Pacto Federativo durante reunião com o superministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília. O pernambucano também tratou da liberação da contratação de novas operações de crédito para o Estado, reivindicação solicitada desde os tempos de Michel Temer. Guedes sinalizou, no encontro, que uma operação junto ao BID no valor de R$ 140 mi já está pronta para ser liberada.

COLUNA AC 07 02 2Frente Parlamentar – Antes mesmo de os governadores do Nordeste provocarem o debate, o deputado federal Silvio Costa Filho já foi logo conseguindo 250 assinaturas para a criação de uma Frente Parlamentar Mista em Defesa do Novo Pacto Federativo. Agora, Costa Filho vai tratar da proposta com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. Se continuar nessa pisada, Silvinho logo estará no Jornal Nacional, a exemplo do pai, Silvio Costa, que entrou no maior noticiário do país pouco tempo depois da sua chegada à Câmara.

Na pressão – Por falar em pressão dos governadores, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, aceitou mudar seu projeto de Lei conhecido como anticrime por pressão dos gestores estaduais, aí não apenas os nordestinos. Os governadores ganharam o apoio, nesse caso, do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal. A Moro não sobrou outra alternativa – ele teve que acatar as cobranças. O ex-juiz se tocou que vai precisar aparar arestas para levar seus planos adiante.

 

Curtas

POLÊMICA – Já aconteceu a primeira polêmica no plenário da Alepe. Ontem, as Juntas quiseram retirar da votação um requerimento de Cleiton Collins criando uma frente em defesa da “família” e contra as drogas. Depois da explicação de que não poderiam rifar o pedido, as deputadas aceitaram entrar no colegiado e participar das discussões. Tudo graças à mediação de Priscila Krause e do presidente Eriberto Medeiros.

Aqui Não, Mourão! – Joel da Harpa subiu à tribuna da Alepe, ontem, para discursar. Depois de parecer que iria reivindicar para si o título de líder do bolsonarismo em Pernambuco, ele utilizou seu tempo foi para dar uma estocada no vice-presidente Mourão. Criticou o fato de o general ter se posicionado contra benefícios aos militares na reforma previdenciária. Mourão vem a Pernambuco dia oito de março, quando Joel pode reclamar pessoalmente.

VOCABULÁRIO – Inusitado o vocabulário que o líder da oposição, Marco Aurélio, tem utilizado nos seus primeiros discursos na Assembleia. Depois de “geringonça”, o parlamentar soltou um “mangaba” ao se referir a uma possível dica que estaria dando aos governistas sobre a atuação da bancada. Os novos deputados, por sinal, têm discursado muito na Alepe.

Perguntar não ofende: Tinha necessidade de Carluxo postar uma selfie com o pai, Bolsonaro, quase nu, fazendo fisioterapia no hospital?

LINDEMBERG 1

Postado por Marcos Lima Mochila

 

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro manteve na tarde desta terça-feira (5) a condenação do ex-senador Lindbergh Farias.

O petista havia sido condenado em 1ª instância no processo que tramitou na Comarca de Nova Iguaçu, pela distribuição de leite a população, acompanhada de material de promoção pessoal.

O recurso do ex-parlamentar não obteve êxito e o TJ confirmou a condenação.

Pelo visto, a Justiça, bem mais cedo do que Lindbergh imagina, deve bater à sua porta.

LINDBERG

No Twitter a deputada Gleisi Hoffmann, sempre insana, tenta minimizar a condenação do petista. Nesse sentido, aventa uma eventual complacência da “Justiça” no caso Flávio Bolsonaro. Mais uma infâmia. Afirmação irresponsável e mentirosa. Lindbergh está condenado em 2ª instância. O caso que supostamente envolve o senador do PSL ainda nem chegou na Justiça.

Em seis dias, Guaratiba já teve o triplo do esperado para o mês: 316mm ; no Estádio Nilton Santos, torcedores do Botafogo registraram temporal

No Estádio Nilton Santos, no Engenho de Dentro, Zona Norte do Rio, torcedores se protegem do temporal (Foto: Twitter / Reprodução)
No Estádio Nilton Santos, no Engenho de Dentro, Zona Norte do Rio, torcedores se protegem do temporal (Foto: Twitter / Reprodução)

Arthur Leal e Rafael Nascimento

Postado por Marcos Lima Mochila

                                           CHUVA NO RIO 1RIO – Com a forte forte chuva que cai no Rio na noite desta quarta-feira, o Centro de Operações da prefeitura (COR) orientou que a população a evite sair de casa. A mensagem foi postada nas redes sociais do órgão: “Pedimos para a população EVITAR temporariamente seu deslocamento”, consta de um trecho da mensagem. Além da precipitação, fortes rajadas de ventos, que chegaram a 110 km/h no Forte de Copacabana, também foram registradas em diferentes partes do Rio e causaram transtornos aos moradores. Na Avenida Lúcio Costa, na Reserva, Zona Oeste do Rio,  um telhado foi arrastado até a pista, que tem um trecho bloqueado. Além disso, a força do ventos foi tamanha, que nem cabos que sustentavam  o teleférico do Alemão, na Zona Norte, resistiram. O material caiu.

No fim desta noite, às 22h15m, o município do Rio entrou em estágio de crise. Esse é o último nível dos três utilizados pela prefeitura para medir a intensidade das chuvas. O panorama não deve mudar muito nas próximas horas: “A previsão para as próximas horas é de chuva forte a muito forte na cidade”. A prefeitura recomenta que moradores evitem principalmente o deslocamento entre a Barra e Zona Sul.

Por conta do tempo, ainda segundo informações divulgadas pela prefeitura, sirenes para desocupação foram acionadas em ao menos duas comunidades: a Rocinha, na Zona Sul; e Sítio Pai João, no Itanhangá, na Zona Oeste.CHUVAS

Além desses, os transtornos ocorrem em todas as regiões do município: vias foram alagadas e outras tiveram o traçado obstruído devido a quedas de árvores. Motoristas que circulam por ruas, avenidas e estradas devem redobrar a atenção, para evitar o risco de acidentes.

Uma exemplo disso é a Avenida Lúcio Costa, na Reserva, Zona Oeste. Na altura da Ilha 11, um telhado foi arrastado até o a pista, segundo o Centro de Operações. Por conta disso, a via precisou ser interditada, naquele trecho.  Equipes da prefeitura foram até o local  para orientar o tráfego no local.

Também na Zona Oeste, o funcionamento do BRT transoeste foi prejudicado. De acordo com o consórcio que administra o transporte, o corredor BRT Transoeste teve o serviço interrompido:  “chuvas e alagamentos, uma árvore caiu na pista (mista), à altura da estação Santa Veridiana e bloqueia o tráfego de BRTs e veículos de passeio”.

Após reunião com Paulo Guedes, Paulo Câmara afirmou que Pernambuco teve um déficit de R$ 2,6 bilhões com a Previdência dos servidores estaduais em 2018

Governador esteve em Brasília reunido com o ministro Paulo Guedes (Foto: Hélia Scheppa / Divulgação)
Governador esteve em Brasília reunido com o ministro Paulo Guedes (Foto: Hélia Scheppa / Divulgação)

Estadão Conteúdo

Postado por Marcos Lima Mochila

 

Após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), defendeu que a reforma da Previdência a ser apresentada ao Congresso valha também para os servidores estaduais. Segundo ele, Guedes deve apresentar o texto definitivo da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) aos governadores no dia 20 de fevereiro.

De acordo com Paulo Câmara, o Estado de Pernambuco teve um déficit de R$ 2,6 bilhões com a Previdência dos servidores estaduais em 2018, mesmo com uma alíquota de 13,5% de recolhimento de contribuição previdenciária da categoria. “Na minha opinião, essa discussão tem que ocorrer no Congresso. É melhor unificar do que cada assembleia precisar aprovar a sua reforma”, avaliou o governador.

Questionado se seu partido pode não apoiar a aprovação da reforma por ser oposição ao governo, Câmara disse que há questões pontuais, como a aposentadoria rural e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), que precisam ser mais bem discutidas, mas considerou que a reforma é necessária não só para o País, mas também para as contas dos Estados. “A reforma precisa ser feita”, disse o governador.

Pacto Federativo

Câmara disse que, além da Previdência, Guedes também falou sobre a proposta de um novo pacto federativo, com a descentralização dos recursos da União e o aumento dos repasses para Estados e municípios. “Achamos que o momento de fazer esse novo pacto é agora, ainda no primeiro ano de governo”, disse.

O governador ainda aproveitou a reunião para tratar da liberação de operação de crédito com o aval do Tesouro Nacional para Pernambuco. Segundo ele, foram autorizados R$ 600 milhões em empréstimos ao Estado em 2016, mas apenas R$ 340 milhões foram contratados porque o governo pernambucano perdeu a nota de rating em 2017 em decorrência de mudanças feitas pelo Tesouro nos critérios para a concessão de garantias aos Estados.

LULA CONDENADO

Do Blog de Jamildo, com Estadão Conteúdo

Publicado por Amanda Miranda em Notícias  

Postado por Marcos Lima Mochila

O ex-presidente Lula (PT) foi condenado pela segunda vez na Operação Lava Jato, desta vez no processo que investiga obras em um sítio de Atibaia, em São Paulo, cuja propriedade é atribuída ao petista. A juíza Gabriela Hardt, substituta de Sérgio Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba, aplicou a pena de 12 anos e 11 meses de prisão.

José Carlos Bumlai
José Carlos Bumlai

Segundo a acusação, a Odebrecht, a OAS e também a empreiteira Schahin, com o pecuarista José Carlos Bumlai, gastaram R$ 1,02 milhão em obras de melhorias no sítio em troca de contratos com a Petrobras.

A Lava Jato afirma que o sítio passou por três reformas: uma sob comando do pecuarista José Carlos Bumlai, no valor de R$ 150 mil, outra da Odebrecht, de R$ 700 mil e uma terceira reforma na cozinha, pela OAS, de R$ 170 mil, em um total de R$ 1,02 milhão.

A denúncia inclui ao todo 13 acusados, entre eles executivos da empreiteira e aliados do ex-presidente, até seu compadre, o advogado Roberto Teixeira.

SÍTIO DE ATIBAIAO imóvel foi comprado no final de 2010, quando Lula deixava a Presidência, e está registrado em nome de dois sócios dos filhos do ex-presidente, Fernando Bittar – filho do amigo e ex-prefeito petista de Campinas Jacó Bittar – e Jonas Suassuna.

Entre os contratos que teriam sido alvos de “acertos de corrupção” está um para a Refinaria Abreu e Lima. Além dele, a investigação apontou que teria havido corrupção no caso da Odebrecht com o Complexto Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), através dos consórcios Pipe-Rack e TUC. No caso da OAS, estariam na construção do gasoduto Pilar-Ipojuca, entre Alagoas e Pernambuco; do GLP Duto Urucu-Coari, no Amazonas; e na ampliação do Cenpes (Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello). Segundo o MPF, a propina seria de 1% a 3% do valor total do contrato.

Nas alegações finais do processo, apresentadas à Justiça no início de janeiro, o petista nega ter recebido propinas e afirma ser vítima de perseguição política. Lula prestou depoimento em Curitiba no dia 14 de novembro do ano passado.

O caso envolvendo o sítio representa a terceira denúncia contra Lula no âmbito da Operação Lava Jato. A denúncia da força-tarefa da Lava Jato foi aceita em agosto de 2017 pelo então juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública.

Prisão

Lula está preso desde o dia 7 de abril do ano passado na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, por ter sido condenado, também por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex no Guarujá, no litoral de São Paulo. Nesse processo, o ex-presidente foi acusado de receber vantagens indevidas da OAS através da compra e de reformas de um apartamento, em R$ 2,2 milhões.

O petista cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão, arbitrada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

Moradores reclamam do uso frequente de aeronaves. Anac abre procedimento para investigar

 AERONAVES EM BRASÍLIA

Victor Fuzeira

Postado por Marcos Lima Mochila

 

Moradores da QL 26, no Lago Sul, estão irritados com o tráfego de helicópteros na sede do Partido Republicano da Ordem Social (Pros). Segundo a vizinhança, pousos e decolagens de aeronaves são frequentes no local, um terreno de 5 mil metros quadrados ao lado da Ponte JK. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que vai abrir procedimento para apurar se as operações aéreas contrariam a legislação.

Um vídeo enviado ao Metrópoles expõe a preocupação de um vizinho quanto à utilização do local. “Na minha opinião, isso aqui não é campo de pouso, não é habilitado e não me parece ser uma emergência. O helicóptero passou voando baixo. É necessário que as autoridades tomem alguma providência. Dá pra ouvir o som do motor”, denuncia.

Na gravação feita nessa terça-feira (5/2) é registrado o momento exato do pouso, ocorrido às 7h41. Segundo o autor do vídeo, não é a primeira vez que a aeronave utiliza o terreno.

De acordo com a Anac, as regras permitem operações em locais não autorizados ou sem homologação apenas de forma ocasional. De posse da filmagem, a Anac informou que irá direcionar o material à área de operações da agência “para que sejam tomadas medidas cabíveis, caso constatado descumprimento às normas de aviação civil”.

Presidente da associação de moradores da quadra, Priscila Castelo Branco diz receber, constantemente, relatos e reclamações de moradores que temem um possível acidente aéreo provocado pelos voos recorrentes no local.

“A impressão que se tem é que o helicóptero pode cair. A casa é a mais próxima da Ponte JK e a aeronave voa muito baixo. É um medo evidente”, relata.

Outro morador da quadra, Marcos Pinheiro, 57 anos, também não está satisfeito com o Pros. “Eu brigo com esse problema desde que eles chegaram aqui, em 2014. Já procurei a administração, onde oficializei minha queixa. Há anos estou brigando com eles”, reclama, indignado.

O outro lado

Em nota, o partido afirma que a área utilizada “pelo helicóptero do Pros e de outros proprietários de aeronaves possui autorização do dono do imóvel”, que, segundo o texto, “também é possuidor de um helicóptero e utiliza a área para pousos e decolagens”.

A legenda alega que os procedimentos aéreos são realizados em terreno fechado de aproximadamente 5 mil metros quadrados, “bem acima dos 400 metros quadrados exigidos para homologação de um heliponto”. Destaca ainda que o local é “fechado com muros e portões, onde apenas a entrada de pessoas autorizadas é permitida”.

PolêmicasEssa não é a única polêmica envolvendo o Pros e helicópteros. Em 2015, o partido usou R$ 2,4 milhões do Fundo Partidário, dinheiro público, para adquirir um Robinson R66 Turbine, prefixo PP-CHF. A aeronave foi comprada à vista. A legenda é comandada por Eurípedes Macedo Júnior.

HELICÓPTERO DO PROS

Na época em que a aquisição veio à tona, deputados do próprio partido criticaram o comando da sigla. “Isso é um absurdo. Como pode usar dinheiro público para comprar helicóptero só para vir de Planaltina de Goiás [cidade do Entorno do DF onde mora Macedo Júnior] para Brasília?”, queixou-se o então líder da bancada do Pros na Câmara, Domingos Neto (CE), atualmente no PSD.

Além do helicóptero, o Pros possuía um avião adquirido em 2014 para auxiliar no deslocamento dos integrantes do partido. A compra do bimotor, inclusive, virou alvo da Operação Partialis, deflagrada no ano passado pela Polícia Federal e Receita Federal, envolvendo Macedo Júnior.

A investigação apontou suposto esquema de desvios de mais de R$ 2 milhões em contratos da prefeitura de Marabá (PA) para compra de gases medicinais. Parte dos valores teria sido destinada à aquisição de uma aeronave por João Salame Neto, ex-prefeito da cidade. Segundo a PF, a compra teria sido ocultada por meio da venda do avião ao Pros, partido dirigido por Eurípedes.

À época, o Pros afirmou não haver qualquer envolvimento do partido ou do presidente da legenda em atos ilícitos.

Colaborou Mirelle Pinheiro

AMUPE SEC SDS COM HUMBERTO STA MARIA B VISTA 2

Por Marcos Lima Mochila

 

A Assembleia da Amupe – Associação Municipalista de Pernambuco, realizada ontem na sede da associação, na Avenida Recife, serviu muito mais do que apenas para confirmar a reeleição de José Patriota (PSB).

A presença de mais de 150 prefeitos, de todas as correntes políticas e de todas as regiões do Estado, serviu também para muitas consultas, indagações, informações. Afinal de contas, lá estavam, junto com o governador Paulo Câmara (PSB), a maioria dos secretários estaduais.

Um dos que aproveitaram o momento foi o prefeito de Santa Maria da Boa Vista, Humberto Mendes (PTB). Acompanhado do amigo João Evangelista, policial federal aposentado que goza de livre trânsito em todas as secretarias estaduais, pelos muitos anos AMUPE SEC SDS COM HUMBERTO STA MARIA B VISTA 1acompanhando Eduardo Campos, o prefeito manteve uma boa conversa com o secretário de Defesa Social do Estado, dr. Antônio de Pádua.

O assunto, que não poderia ser outro, versou sobre a segurança do seu município.

O secretário prometeu que, assim como todas as cidades, de todo Estado, Santa Maria da Boa Vista irá receber toda atenção e todo seu empenho para assegurar, cada vez mais, maior segurança à população.

O prefeito Humberto saiu satisfeito da Amupe, mais sorridente do que quando chegou.

Fechar