Enquanto a Ford anuncia o fechamento total de sua produção de veículos no Brasil, a General Motors se prepara para aportar novos investimentos e ampliar a produção.

Onix Joy Hatch, da GM: Investimentos trarão novos modelos e
ampliação de tecnologias como wi-fi nativo (Foto: Divulgação)

Juliana Elias, do CNN Brasil Business, em São Paulo

Postado por Marcos Lima Mochila

.

A GM anunciou que irá retomar em 2021 o planejamento que previa investimentos de R$ 10 bilhões em suas fábricas no país pelos próximos cinco anos, destinados à inovação e também à produção de modelos ainda inéditos no Brasil.

Também faz parte do plano a ampliação da oferta de novas tecnologias nos veículos produzidos pela montadora no país, o que inclui o assistente virtual OnStar e a opção de wi-fi roteado pelo carro.

O plano já havia sido anunciado no começo de 2020, mas acabou não indo para frente com o avanço da pandemia do novo coronavírus e seus impactos sobre a economia.

Mesmo com uma forte recuperação nos últimos meses, a produção nacional de veículos encerrou o ano passado com um queda de 31,6%, de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Isso levou a indústria automobilística brasileira de volta aos seus patamares de 2003.

O novo investimento de R$ 10 bilhões da GM, previsto inicialmente para o período de 2020 a 2024, vem na sequência de outros R$ 13 bilhões que já foram realizados no período anterior, de 2014 a 2019.

_________________________________

Ford foi atropelada por uma frota de Toros pernambucanos

Fábrica da Fiat em Goiana (PE)

Colaboração de  Ronaldo Lacerda (*)

Pouca gente queria um Ford, automóvel que Fernando Collor já chamava de carroça em 1990. Era exagero, mas a empresa não abriu o olho e os olhos puxados asiáticos, europeus mais antenados e brasileiros de boa fibra engoliram o mercado.

A FIAT/Chrysler/Peugeot/CITROEN vão atacar o Nordeste e toda a América Latina, parte da Europa e da África a partir da fábrica mais moderna do mundo instalada em Pernambuco, na cidade marítima de Goiana.

Os homens da Ford só queriam mais dinheiro do contribuinte, enquanto os sindicatos dominavam o processo e os gerentes dormiam em redes armadas nos coqueiros do litoral baiano, onde produziam Ford Ka e Eco Sport a preço incompatível com o mercado, sem nunca perguntar na feira do rolo se era este o sonho de consumo de quem frequenta esses lugares de venda e troca. Também não davam bolas para o que acontecia nas oficinas, nas revisões.

Resultado: A Ford teve pesadelos vendo italianos, asiáticos e franceses bem avançados com carros cobiçados feitos em Pernambuco, no coração do Nordeste, bem perto da África e Europa e numa planta fabril  fincada à beira mar entre os Portos de SUAPE e Cabedelo. Ironia ou não, os americanos se deram mal enfrentando descendentes dos fundadores de Nova Iorque fazendo carro em Pernambuco.

Resumo: A Ford foi atropelada por Jeep Toro, Compass, Cactus, Strada etc etc etc.

1º Jeep produzido em Pernambuco – Fevereiro/2015

Poderia sair chorando menos e falando a verdade.

Perguntar não ofende: Quem vai comprar Mustang e Ranger? E, ainda por cima, vindo da Argentina?

(*) Ronaldo Lacerda é natural de Araripina, engenheiro agrônomo, comerciante, um dos fundadores da Comissão Pró Estradas da Integração, sendo um dos responsáveis pela elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Sustentável de Araripina

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar