Faltando cinco meses para as eleições de 2020 – ao menos se o calendário for mantido -, a oposição ainda não definiu qual será a melhor estratégia para a sucessão no Recife. No entanto, estudos técnicos realizados pela Revista Total apontaram que o nome mais bem colocado foi o de Mendonça Filho (DEM).

Ex-governador de Pernambuco, ex-deputado federal e estadual e ex-ministro da Educação, Mendonça é visto como um nome nacional que goza de muito respeito, com penetração em vários campos, entre os quais o PSDB e o meio evangélico. Tem afeição até no campo do próprio presidente Jair Bolsonaro.

Como a Frente Popular tende a se dividir, com as prováveis candidaturas dos deputados federais – e primos entre si – João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT), a oposição deve avaliar se lançará uma ou duas candidaturas. O deputado federal Daniel Coelho (Cidadania), que disputou as duas últimas eleições no Recife, também se coloca como postulante. Recentemente, no entanto, o ex-senador Armando Monteiro Neto (PTB), que disputou as duas últimas eleições majoritárias para o Governo do Estado, sugeriu um menor número de candidatos na oposição, para evitar a chance de um segundo turno entre os primos.

Mendonça tem costurado alianças para apoiar sua candidatura, e tem grandes chances de compor com o Pastor Jairinho (PTC), o que aumentaria suas chances com o segmento evangélico.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar