A empresa Masterboi vai investir cerca de R4 112 milhões para a instalação de um frigorífico industrial numa área de 110 hectares, no município de Canhotinho, no Agreste Meridional, com a perspectiva de geração de mais de 800 empregos diretos. As obras de construção estão previstas para serem iniciadas no primeiro semestre do próximo ano e previsão de conclusão no ano de 2022.O anúncio dos investimentos foi feito pelo presidente da empresa, Nelson Bezerra, durante reunião no Palácio do Campo das Princesas, no Recife, com o governador Paulo Câmara (PSB). O empresário agradeceu o empenho do governador e do secretariado para a concretização do projeto, a sexta unidade industrial da empresa em Pernambuco.Para o empresário, o Estado de Pernambuco tem uma excelente estrutura para o funcionamento da Masterboi. “Esse será mais um grande passo da empresa no Estado de Pernambuco. “Agradecemos bastante o apoio do governador Paulo Câmara e de todos que se empenharam para esse feito. Na instalação, teremos a capacidade de abater cerca de 500 cabeças de gado e também de caprinos por dia. Essa vai ser mais uma conquista para o grupo Masterboi, com a tendência de atender a todo o mercado do Norte e Nordeste e até a exportação”.Paulo Câmara disse que a instalação de mais uma empresa de grande porte em Pernambuco é motivo de alegria, pois vai permitir que milhares de pessoas consigam trabalhar em um momento bastante complicado na economia nacional. “A economia de Canhotinho vai começar a crescer já a partir do início da construção dos prédios onde a empresa vai funcionar. O secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, disse que o investimento é importante para a economia do Estado e para o desenvolvimento do Agreste Meridional. “”É um frigorífico que vai desenvolver toda a questão da pecuária de corte. Uma indústria como essa vai estabelecer toda uma cadeia, ali no Agreste Meridional, atingindo também a Mata Sul. É um olhar para uma área que precisava ter um desenvolvimento dentro da sua vocação””.O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Carlos Porto, elogiou a iniciativa do governador e de sua equipe em levar mais esse investimento ao interior do Estado. “”É fundamental, e quero deixar registrado o empenho pessoal que teve o governador Paulo Câmara e sua equipe para que essa indústria fosse instalada no Agreste Meridional, que é uma região eminentemente dedicada à pecuária”. O Agreste Meridional viverá um novo momento após a instalação da Masterboi. “Será um novo espaço, um novo período e uma fase de muito desenvolvimento. Além dos empregos gerados, teremos também a economia, o recolhimento dos impostos, o movimento do comércio. Vai se criar uma nova cultura no sentido da criação do gado, aumentar os rebanhos e, consequentemente, gerar empregos e riqueza para o Estado””.Também participaram da reunião, os secretários Décio Padilha, da Fazenda, e José Neto, da Casa Civil, Miguel Zaidan, diretor administrativo da Masterboi, Roberto Abreu e Lima, presidente da Ad Diper, e o deputado estadual Antônio Moraes.MASTERBOI – A empresa é pernambucana, com matriz no Recife, e há 19 anos atua no mercado nacional de processamento e distribuição de alimentos. A Masterboi produz cortes especiais e, além dos produtos de marca própria, também atua com distribuição, exportação e importação. Seu mix de produtos é composto por mais de 700 itens, entre carnes bovinas, espetinhos, carne de sol, charqueados, aves, suínos, embutidos, laticínios, ovinos, pescados, crustáceos e vegetais.A empresa possui atualmente cinco unidades em Pernambuco, sendo um centro de distribuição e processamento e quatro lojas de atacarejo. Além disso, opera um centro de distribuição na Paraíba e duas plantas frigoríficas industriais em Tocantins e no Pará, com capacidade de abate de 1,7 mil bois por dia. Todas as unidades frigoríficas tem certificação do SIF (Serviço de Inspeção Federal) e são habilitadas a exportar para mais de 45 países. Ao todo, possui 2,7 mil funcionários distribuídos nas suas unidades do Recife, São Geraldo do Araguaia (PA) e Nova Olinda (TO). A empresa deve fechar o ano com cerca de R$ 1,5 bilhão em receitas.

Fotos: Heudes Regis/SEI

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar