Um dos homens fortes do governo Bolsonaro, FBC se surpreendeu com o crescimento da Revista e sua chegada ao Distrito Federal

Senador Fernando Bezerra Coelho ladeado pelos diretores da Revista Total, Joaquim Neto e Marcelo Mesquita
Senador Fernando Bezerra Coelho ladeado pelos diretores da Revista Total, Joaquim Neto e Marcelo Mesquita

Por Marcos Lima Mochila

 

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), ao ser abordado pela equipe da Revista Total em Brasília (DF), durante a XXII Marcha a Brasília em defesa dos municípios procurou, de imediato, saber se o presidente do veículo pernambucano, Marcelo Mesquita, se achava no local. Ao encontrá-lo, parabenizou-o pelo fato de a revista pernambucana estar fazendo tanto sucesso na Região Centro-Oeste.

08 05 RT10“Desde que cheguei ao evento já vi diversas pessoas lendo a Revista Total e elogiando-a. Mas, eu pensei que se tratava de um veículo homônimo, daqui da região. Fiquei surpreso quando descobri que era a pernambucana Revista Total, a qual já nos acostumamos a consultar, principalmente, durante as campanhas para eleições”, ressaltou Fernando Bezerra.

“Inclusive, o próprio presidente Bolsonaro já elogiou a revista, comentando que, enquanto vários veículos nordestinos, além de outros maiores como a Globo, A Folha de
SP e outros, se preocupam sempre em criticar, inclusive com muitas inverdades, a pernambucana Revista Total tem acompanhado suas ações e sempre publicando verdades”, continuou o senador.

“Além disso, acompanhei a revista durante os oito anos do governo de Eduardo Campos, de quem vocês foram grandes parceiros”, completou FBC.

Na verdade, a grande novidade nos meios de Comunicação e de políticos, no Distrito Federal, tem sido o surgimento da Revista Total, o que aconteceu no dia 11 de dezembro do ano passado, durante a posse de José Mucio Monteiro na presidência do TCU e, desde então, a revista esteve presente em todos os grandes eventos ocorridos em Brasília, como também durante  toda a fase de transição do novo governo.

Marcelo Mesquita ladeado pelo Senador Fernando Bezerra Coelho e o ex-governador Eduardo Campos.
Marcelo Mesquita ladeado pelo Senador Fernando Bezerra Coelho e o ex-governador Eduardo Campos

Como tinha muitos compromissos agendados em Brasília, na ocasião, o senador acertou de encontrar-se com Marcelo em Recife, a fim de colaborar para que a revista seja ainda mais divulgada em Brasília. A reunião foi agendada e deverá estar acontecendo nos próximos dias.

Isso é um fato importante para o Grupo Total, uma vez que FBC tornou-se um dos grandes aliados de Bolsonaro e um homem forte do governo, por ter sido escolhido como líder no Senado. O seu nome recebeu o aval do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que assinou de imediato – no dia 19/02 – a nomeação do parlamentar. Na ocasião, a informação foi repassada à imprensa pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, um dos articuladores da indicação de Bezerra Coelho junto com o presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM/PA) e o líder do MDB na Casa, senador Eduardo Braga (AP).

O ex-governador Joaquim Francisco em reunião com o presidente da Revista Total, Marcelo Mesquita, e o editor-chefe do Blog da Revista Total, jornalista Marcos LIma Mochila, quando recebeu exemplar da Revista Total
O ex-governador Joaquim Francisco em reunião com o presidente da Revista Total, Marcelo Mesquita, e o editor-chefe do Blog da Revista Total, jornalista Marcos LIma Mochila, quando recebeu exemplar da Revista Total

O nome do senador pernambucano passou a aparecer na lista dos possíveis indicados para o cargo alguns dias antes, desbancando outros nomes fortes que estavam no páreo, como Roberto Rocha (PSDB/MA) e Espiridião Amin (PP/SC). Nos bastidores, Fernando Bezerra ganhou força por ser o nome que poderia aproximar o MDB, partido que tem a maior bancada no Senado, do governo. Davi Alcolumbre, inclusive, chegou a alertar o governo para o fato de o indicado para o cargo ser um parlamentar que poderia trabalhar pela unificação.

É fato notório que o nome de Fernando vem crescendo dentro do atual governo e um dos fatos que comprova essa evolução é o livre trânsito que ele tem com Bolsonaro, inclusive participando de decisões importantes do governo, a exemplo da decisão do presidente de dividir o Ministério do Desenvolvimento Regional em dois.

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), que é também o relator da medida provisória da reforma administrativa, afirmou nesta terça-feira (7), após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que o governo admitiu realizar a divisão, recriando os ministérios das Cidades e da Integração Nacional. A criação dos dois ministérios constará do relatório de Bezerra a ser apresentado à comissão mista do Congresso que trata do assunto.

A deputada Marília Arraes sendo recepcionada pelos diretores da revista
A deputada Marília Arraes sendo recepcionada pelos diretores da revista
Prefeito de Afogados da Ingazeira José Patriota, presidente da Amupe
Prefeito de Afogados da Ingazeira José Patriota, presidente da Amupe
Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos, ladeada pelos diretores da Revista Total
Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos, ladeada pelos diretores da Revista Total
Cientista e astronauta Marcos Pontes, ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações recebendo a Revista Total
Cientista e astronauta Marcos Pontes, ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações recebendo a Revista Total

As duas pastas tinham sido extintas na reestruturação feita pelo governo Jair Bolsonaro, que reduziu de 29 para 22 o número de ministérios. No entanto, parlamentares de partidos como MDB, DEM e do bloco chamado “Centrão” estavam pressionando o Planalto pelo aumento do número de ministérios a fim de atender às demandas por indicações políticas.

Em troca, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) permaneceria subordinado ao Ministério da Justiça e Segurança, como defende o ministro Sérgio Moro, enquanto  grupos de parlamentares pretendiam que o órgão fosse para o Ministério da Economia. O conselho é um organismo de inteligência que atua contra a lavagem de dinheiro.

“Hoje de manhã, em reunião com o presidente da República e com o ministro Onyx, ficou decidido que o Ministério do Desenvolvimento Regional vai ser desmembrado e vão ser recriados o Ministério das Cidades e o Ministério da Integração. Esta é a grande novidade que vai estar no relatório”, afirmou o líder do governo no Senado.

08 05 RT FBC

Bezerra Coelho afirmou que, na conversa com Guedes, também disse ao ministro que o relatório sobre a MP preservará o Coaf no Ministério da Justiça. “Nós comunicamos a ele [Paulo Guedes] a decisão tomada no dia de ontem de que o Coaf fica mantido no Ministério da Justiça”, declarou.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar