Arquivos do mês fevereiro 2019

IMG-20190201-WA0184

Em solenidade bastante prestigiada na tarde desta sexta-feira (01/02) na Assembleia Legislativa de Pernambuco (ALEPE), Clarissa Tércio (PSC) assumiu seu primeiro mandato como deputada estadual. Bastante emocionada na posse, a estreante parlamentar reconheceu a missão como sendo uma oportunidade dada por Deus para fazer a verdadeira diferença: “no evangelho de Lucas, capítulo 12, versículo 48, a Bíblia Sagrada já alerta: ‘e a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá’. Tenho plena convicção da imensa responsabilidade da minha atuação”, destaca a filha do pastor Francisco Tércio, presidente da Igreja Assembleia de Deus – Ministério Novas de Paz.

Em sua primeira disputa proporcional, Clarissa conquistou a vaga ocupando a 13ª colocação entre os 49 eleitos. Além da expressiva votação, Clarissa foi ainda a 3ª mulher mais votada com 50.789 votos. “Minha expectativa é honrar a confiança depositada na proposta da minha candidatura. Quero manter minha coerência com os princípios defendidos em todos os aspectos. Quem votou em mim, acredita (assim como eu) que é possível lutar para fazer a real diferença. Defender a vida (desde a concepção), defender os valores da família, combater a ideologia de gênero, lutar por melhores condições de tratamento para portadores de doenças raras, cobrar do Governo mais atenção e inclusão com pessoas com deficiência nas áreas da saúde e educação e ampliar o trabalho desenvolvido junto ao Centro de Recuperação de Dependentes Químicos – (Novas de Paz), são algumas prioridades, relembra.

Oposição ao governo, Clarissa acredita que terá alguns embates interessantes e adianta: “não quero ser simplesmente mais uma parlamentar. Quem me conhece sabe que não ficarei calada. Estou animada e quero ser a voz EM DEFESA DA FAMÍLIA pernambucana na Alepe”, resumiu.

 

IMG-20190201-WA0034Ao do vice-prefeito, Márcio Oliveira (PSD), o prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT) participou, na Câmara dos Deputados, da posse da deputada federal Marília Arraes.

Ao fazer o registro fotográfico ao lado da deputada do Partido dos Trabalhadores, Duque fez questão de destacar que, “Marília é uma legítima representante do povo de Serra Talhada, e vai defender projetos que tragam ainda mais benefícios e desenvolvimento para a nossa terra”, disse completado:

“Contamos com a sua garra e o seu comprometimento com o povo serra-talhadense, e pode contar com a gente para fazer um brilhante mandato e deixar o seu nome marcado na história do nosso estado, assim como fez o saudoso governador Miguel Arraes, seu avô”. Também esteve acompanhando o prefeito, o médico cardiologista Dr. Waldir Tenório.

Blog do Júnior Campos.

IMG-20190201-WA0087

O presidente do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), Odacy Amorim, busca uma estratégia para prevenir a contaminação dos rios que abastecem Pernambuco, em caso de acidentes, como o ocorrido em Brumadinho. O assunto foi tema da reunião realizada nesta quinta-feira (31/01), na sede do Instituto, com a participação de técnicos e pesquisadores das áreas de Recursos Hídricos e Pesquisa.

A ideia é contribuir com o Grupo de Trabalho do Governo do Estado, coordenado pela Secretaria de Infraestrutura e Recursos Hídricos. “A capilaridade do IPA, que está presente em 182 municípios pernambucanos, é fundamental para o sucesso dessa empreitada” destaca o presidente.

“A preocupação com a segurança hídrica no estado é uma constante, mas temos que eliminar o risco de contaminação nos rios, principalmente do São Francisco, que é responsável pelo abastecimento de centenas de municípios em todo o Nordeste”, destaca Odacy. Para se ter ideia dos prejuízos a serem causados, o Vale do São Francisco gera mais empregos do que o ABC Paulista e a Agricultura Familiar é responsável por 70% do alimento que chega à mesa do consumidor pernambucano.

Para ele, é necessário obter um posicionamento do Governo Federal e de Minas Gerais, quanto às 80 barragens que ainda estão em situação de risco, naquela região. “Não adianta falar em novos investimentos, sem que haja manutenção do que estão em funcionamento, proteção à vida e ao Meio Ambiente”, ressalta. Segundo Odacy, é necessário resguardar as 380 barragens que Pernambuco reúne desse tipo de desastre.

“Já existe o monitoramento e acompanhamento dessas áreas, mas mesmo assim o risco de contaminação é iminente”, afirmou. A Agência Nacional de Águas deve emitir um parecer até sábado (02) sobre a possibilidade dos rejeitos chegarem ao São Francisco.

Screenshot_20190131-235910(1)

‘Vida de gado. Povo marcado. Povo feliz’. As vacas de Renan dão cria 24 h por dia. Haja capim e gente besta em Murici e em Alagoas! Uma qualidade eu admiro em você: o conhecimento da alma humana. Você sabe manipular as pessoas, as ambições, os pecados e as fraquezas.

Do menino ingênuo que eu fui buscar em Murici para ser deputado estadual em 1978 – que acreditava na pureza necessária de uma política de oposição dentro da ditadura militar – você, Renan Calheiros, construiu uma trajetória de causar inveja a todos os homens de bem que se acovardam e não aprendem nunca a ousar como os bandidos.

Você é um homem ousado. Compreendeu, num determinado momento, que a vitória não pertence aos homens de bem, desarmados desta fúria do desatino, que é vencer a qualquer preço. E resolveu armar-se. Fosse qual fosse o preço, Renan Calheiros nunca mais seria o filho do Olavo, a digladiar-se com os poderosos Omena, na Usina São Simeão, em desigualdade de forças e de dinheiros.

Decidiu que não iria combatê-los de peito aberto, descobriria um atalho, um mil artifícios para vencê-los, e, quem sabe, um dia derrotaria todos eles, os emplumados almofadinhas que tinham empregados cujo serviço exclusivo era abanar, durante horas, um leque imenso sobre a mesa dos usineiros, para que os mosquitos de Murici (em Murici, até os mosquitos são vorazes) não mordessem a tez rósea de seus donos: Quem sabe, um dia, com a alavanca da política, não seria Renan Calheiros o dono único, coronel de porteira fechada, das terras e do engenho onde seu pai, humilde, costumava ir buscar o dinheiro da cana, para pagar a educação de seus filhos, e tirava o chapéu para os Omena, poderosos e perigosos.

Renan sonhava ser um big shot, a qualquer preço. Vendeu a alma, como o Fausto de Goethe, e pediu fama e riqueza, em troca.

Quando você e o então deputado Geraldo Bulhões, colegas de bancada de Fernando Collor, aproximaram-se dele e se aliaram, começou a ser Parido o novo Renan.

Há quem diga que você é um analfabeto de raro polimento, um intuitivo. Que nunca leu nenhum autor de economia, sociologia ou direito. Os seus colegas de Universidade diziam isso. Longe de ser um demérito, essa sua espessa ignorância literária faz sobressair, ainda mais, o seu talento de vencedor. Creio que foi a casa pobre, numa rua descalça de Murici, que forneceu a você o combustível do ódio à pobreza e o ser pobre. E Renan Calheiros decidiu que, se a sua política não serviria ao povo em nada, a ele próprio serviria em tudo. Haveria de ser recebido em Palacios, em mansões de milionários, em Congressos estrangeiros, como um príncipe, e quando chegasse a esse ponto, todos os seus traumas banhados no rio Mundaú, seriam rebatizados em Fausto e opulência; “Lá terei a mulher que quero, na cama que escolherei. Serei amigo do Rei.”

Machado de Assis, por ingênuo, disse na boca de um dos seus personagens: “A alma terá, como a terra, uma túnica incorruptível.” Mais adiante, porém, diante da inexorabilidade do destino do desonesto, ele advertia: “Suje-se, gordo! Quer sujar-se? Suje-se, gordo!”

Renan Calheiros, em 1986, foi eleito deputado federal pela segunda vez. Nesse mandato, nascia o Renan globalizado, gerente de resultados, ambição à larga, enterrando, pouco a pouco, todos os escrúpulos da consciência. No seu caso, nada sobrou do naufrágio das ilusões de moço! Nem a vergonha na cara. O usineiro João Lyra patrocinou essa sua campanha com US1.000.000. O dinheiro era entregue, em parcelas, ao seu motorista Milton, enquanto você esperava, bebericando, no antigo Hotel Luxor, av. Assis Chateaubriand, hoje Tribunal do Trabalho.

E fez uma campanha rica e impressionante, porque entre seus eleitores havia pobres universitários comunistas e usineiros deslumbrados, a segui-lo nas estradas poeirentas das Alagoas, extasiados com a sua intrepidez em ganhar a qualquer preço. O destemor do alpinista, que ou chega ao topo da montanha – e é tudo seu, montanha e glória – ou morre. Ou como o jogador de pôquer, que blefa e não treme, que blefa rindo, e cujos olhos indecifráveis intimidam o adversário. E joga tudo. E vence. No blefe.

Você, Renan não tem alma, só apetites, dizem. E quem, na política brasileira, a tem? Quem, neste Planalto, centro das grandes picaretagens nacionais, atende no seu comportamento a razões e objetivos de interesse público? ACM, que, na iminência de ser cassado, escorregou pela porta da renúncia e foi reeleito como o grande coronel de uma Bahia paradoxal, que exibe talentos com a mesma sem-cerimônia com que cultiva corruptos? José Sarney, que tomou carona com Carlos Lacerda, com Juscelino, e, agora, depois de ter apanhado uma tunda de você, virou seu pai-velho, passando-lhe a alquimia de 50 anos de malandragem?

Quem tem autoridade moral para lhe cobrar coerência de princípios? O presidente Lula, que deu o golpe do operário, no dizer de Brizola, e hospedou no seu Ministério um office boy do próprio Brizola? Que taxou os aposentados, que não o eram, nem no Governo de Collor, e dobrou o Supremo Tribunal Federal? No velho dizer dos canalhas, todos fazem isso, mentem, roubam, traem. Assim, senador, você é apenas o mais esperto de todos, que, mesmo com fatos gritantes de improbidade, de desvio de conduta pública e privada, tem a quase unanimidade deste Senado de Quasímodos morais para blinda-lo.

E um moço de aparência simplória, com um nome de pé de serra – Siba – é o camareiro de seu salvo-conduto para a impunidade, e fará de tudo para que a sua bandeira – absolver Renan no Conselho de Ética – consagre a sua carreira. Não sei se este Siba é prefixo de sibarita, mas, como seu advogado in pectore, vida de rico ele terá garantida. Cabra bom de tarefa, olhem o jeito sestroso com que ele defende o chefe… É mais realista que o Rei. E do outro lado, o xerife da ditadura militar, que, desde logo, previne: quero absolver Renan.

Que Corregedor!… Que Senado!…Vou reproduzir aqui o que você declarou possuir de bens em 2002 ao TRE. Confira, tem a sua assinatura:

1) Casa em Brasília, Lago Sul, R$ 800 mil; 2) Apartamento no edifício Tartana, Ponta Verde, R$ 700 mil; 3) Apartamento no Flat Alvorada, DF, de R$ 100 mil; 4) Casa na Barra de S Miguel de R$ 350 mil.

E SÓ.

Você não declarou nenhuma fazenda, nem uma cabeça de gado! Sem levar em conta que seu apartamento no Edifício Tartana vale, na realidade, mais de R$1 milhão, e sua casa na Barra de São Miguel, comprada de um comerciante farmacêutico, vale mais de R$ 2.000.000. Só aí, Renan, você DECLARA POSSUIR UM PATRIMONIO DE CERCA DE R$ 5.000.000. Se você, em 24 anos de mandato, ganhou BRUTOS, R$ 2 milhoes, como comprou o resto? E as fazendas, e as rádios, tudo em nome de laranjas? Que herança moral você deixa para seus descendentes?

Você vai entrar na história de Alagoas como um político desonesto, sem escrúpulos e que trai até a família. Tem certeza de que vale a pena? Uma vez, há poucos anos, perguntei a você como estava o maior latifundiário de Murici. E você respondeu: “Não tenho uma só tarefa de terra. A vocação de agricultor da família é o Olavinho.” É verdade, especialmente no verde das mesas de pôquer!

O Brasil inteiro, em sua maioria, pede a sua cassação. Dificilmente você será condenado. Em Brasília, são quase todos cúmplices. Mas olhe no rosto das pessoas na rua, leia direito o que elas pensam, sinta o desprezo que os alagoanos de bem sentem por você e seu comportamento desonesto e mentiroso. Hoje perguntado, o povo fecharia o Congresso. Por causa de gente como você!

Por favor, divulgue esta minha carta para o Brasil inteiro, para ver se o Congresso cria vergonha na cara.

Os alagoanos agradecem.

TEREZA COLLOR

Nota da Redação: Há controvérsias de que a autoria da carta seja realmente de Thereza Collor. Parece que um jornalista e ex-deputado, já falecido, Mendonça Neto, que se tornou adversário político de Renan Calheiros, foi o verdadeiro autor do texto. De qualquer forma, não há dúvida quanto a veracidade do conteúdo.Originalmente publicada em 23 de novembro de 2017.Fonte: Jornal Extra

Compartilhe isso:

 

IMG-20190201-WA0002

Geraldo Julio e o xadrez político
Por Arthur Cunha
O prefeito Geraldo Julio tem mostrado que sabe jogar o xadrez político. Com a nova formação do seu secretariado, trouxe para dentro do governo peças importantes na rearrumação da Frente Popular.

Coloca o presidente municipal do PSD, o advogado José Neves, na Secretaria de Meio Ambiente, que, junto com Ana Paula Jardim, que vai para o PROCON Recife, representa o presidente regional da sigla, André de Paula.

Com Isabella de Roldão (PDT) na Secretaria de Habitação, conduz para dentro do governo o partido do deputado federal Wolney Queiroz e do presidente da nacional legenda, Carlos Lupi, que participaram do processo de escolha da nova secretária. O PT, que há tempo está longe da PCR, volta com Oscar Barreto como secretário de Saneamento. O grupo de Sebastião Oliveira está contemplado na gestão de Geraldo Julio, agora com Antônio Junior na Secretaria de Trabalho, Qualificação e Empreendedorismo.

O Solidariedade, de Augusto Coutinho, optou por manter Berenice Pereira na CSURB. Isso porque Cadoca, seu marido, desistiu da candidatura em 2018 para apoiar Coutinho.

Quem assume a Secretaria de Políticas sobre Drogas é Ana Paula Martins, representando o grupo da vereadora Michele Collins (PP). Já o grupo do deputado Eduardo da Fonte (PP) está atendido pelo líder do governo na Câmara de Vereadores, Eriberto Rafael. No entando, Dudu deve estar negociando ampliação de seu espaço também na Prefeitura.

O PCdoB e o MDB permanecem no governo municipal. O PCdoB com o vice-prefeito Luciano Siqueira e a secretária da Mulher, Cida Pedrosa; e o MDB com o secretário de Segurança Urbana, Murilo Cavalcanti. Rodrigo Farias volta à Chefia do Gabinete no lugar de Marconi Muzzio, que, por sua vez, retornará à pasta de Administração e Gestão de Pessoas. Geraldo já havia nomeado João Guilherme Ferraz na Secretaria de Governo. João, vale ressaltar, teve papel muito importante nessas costuras.

Esse conjunto político, que além do PSB tem outros sete partidos, também está contemplado no Governo do Estado e representa a coluna vertebral da Frente Popular.

A movimentação de Geraldo Julio segue a mesma linha do que foi feito no Palácio, mostrando que o prefeito, que ainda tem fortes nomes técnicos no primeiro escalão, tem habilidade técnica e política.

IMG-20190201-WA0003

Perto do consenso – A disputa pela Primeira-Secretaria da Assembleia Legislativa está perto de um consenso em torno do deputado Clodoaldo Magalhães, que já tem o apoio da maioria das bancadas. A vaga ficará com o PSB. Um dos candidatos ao cargo, Francismar Pontes não descartou a possibilidade de compor com o correligionário; mas até o fechamento desta edição era candidato. Isaltino Nascimento também colocou seu nome na disputa.

Condição – Candidato à Segunda Vice-Presidência da Assembleia Legislativa, Alberto Feitosa só abrirá mão de concorrer se o colega Manoel Ferreira se lançar na disputa. “Só retiro se for para apoiar Manoel Ferreira”, cravou Feitosa com exclusividade para este colunista. Ele disputa a vaga na Mesa com Romário Dias e Guilherme Uchoa Júnior, indicado pelo PSC. Nos bastidores, a informação é que o deputado eleito insistiu muito para ficar com a indicação, e que isso teria causado um mal-estar interno na sigla e no clã dos Ferreira.

Definidos – Quatro dos sete cargos da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa já estão com seus futuros ocupantes definidos. O presidente Eriberto Medeiros será reeleito. É uma unanimidade na Casa e pavimentou sua eleição ouvindo a todos e tratando os colegas de forma igual. Álvaro Porto será o quarto-secretário porque reuniu os mesmos atributos. Claudiano Filho e Teresa Leitão ficarão com a Segunda e Terceira-Secretarias, respectivamente, por dois anos. No segundo biênio, serão substituídos por Cleiton Collins e Rogério Leão.

IMG-20190201-WA0004Acirramento – A avaliação, ontem, entre os deputados é que a eleição para a Primeira Vice-Presidência será a mais acirrada de todas. Estão no páreo Aglailson Victor e Simone Santana, ambos dos PSB. Os cabos eleitorais dos dois, o prefeito de Vitória de Santo Antão, Aglailson Júnior, e o ex-prefeito de Ipojuca, Carlos Santana, trabalharam muito pelas respectivas candidaturas. Aglailson, por exemplo, continuava na Casa até o final da noite trabalhando atrás de voto.

Curtas –

PELA MADRUGADA – A articulação pelo voto na eleição de logo mais durou todo o dia de ontem, entrou pela madrugada de hoje e seguirá até a hora da votação. Cada deputado-candidato tinha a sua lista de apoiadores. O problema era que alguns deputados estavam na contabilidade de mais de um candidato, como se pudessem votar duas vezes para o mesmo cargo. Um desses postulantes soltou para a coluna: “Enquanto meus adversários dormem, eu estou atrás de voto”.

FORTALECIDO – Marco Aurélio Medeiros já chegou na Assembleia Legislativa fortalecido. Conseguiu ser o primeiro a ocupar o posto de líder da oposição deixando Priscila Krause, que vai para o segundo mandato, para assumir a função apenas no próximo biênio. Priscila anunciou o rodízio em uma nota à imprensa, na qual pregou a unidade do bloco.

CABOS ELEITORAIS – A campanha de Francismar Pontes a primeiro-secretário teve dois articuladores dando carga por ele: o filho do parlamentar e o vereador do Recife, Felipe Francismar, e o deputado eleito Romero Albuquerque. Já o primeiro-secretário da Câmara Municipal, Romerinho Jatobá, estava dando força a Alberto Feitosa.

Perguntar não ofende: Só para não fugir ao tema. Ainda aparece mais algum candidato à Mesa da Alepe?

Fechar