IMG-20190120-WA0211

Por Arthur Cunha

A coluna fará, nesta segunda, uma análise do cenário eleitoral para 2020 de Serra Talhada, no Sertão. Se a eleição da cidade fosse um vestibular, lá seria o curso mais concorrido. São 21 (pré) candidatos para apenas uma vaga. Concorrência gigante! Apesar da grande quantidade de pretendentes, a corrida se afunilará para o escolhido do prefeito Luciano Duque, que faz uma gestão bem avaliada, portanto, com alta a chance de fazer o sucessor; contra o postulante apoiado pelo grupo do deputado federal reeleito Sebastião Oliveira. Há, ainda, os independentes, a exemplo de um bolsonarista de extrema Direita, que devem correr por fora.

Existem indefinições dos dois principais lados quanto aos nomes que serão indicados. Do grupo do prefeito, são 15 os cotados, sendo a atual secretária de Saúde, Márcia Conrado, quem figura em primeiro na lista. Também podem obter a benção de Duque seu vice-prefeito, Márcio Oliveira; o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Marquinhos Godoi; o empresário Faeca Melo e Nena Magalhães, um médico que anunciou recentemente sua pré-candidatura. Esse é o “Top 5” do prefeito.

Outros nomes da base governista também foram lembrados, a exemplo de Zé Raimundo, Marcos Oliveira, Sinésio Rodrigues e Cristiano Menezes. Tem, ainda, uma lista dos que, se não disputarem a prefeitura, podem acabar compondo a vice: Doutor Valdir Tenório, Terrunas Peixoto, Cristiano Menezes, Marta Cristina – esses três últimos ocupam secretarias – e o vereador André Mário.

Como faz um governo aprovado, o prefeito Luciano Duque, de forma inteligente, autorizou todos os pretendentes do seu grupo a andarem pela cidade e viabilizarem suas respectivas candidaturas. Lá na frente, Duque vai puxar o freio à ordem e apoiar o quadro mais agregador; e que reúna em torno de si, baseado em pesquisas de opinião, a chance de liquidar a fatura.

IMG-20190120-WA0210

Nomes fortes – Pela oposição, além do próprio Sebastião Oliveira, que pode, sim, voltar a concorrer à prefeitura, a possibilidade do ex-prefeito Carlos Evandro ser ungido existe – antes de romper com o grupo em questão, Duque foi vice de Carlos Evandro e o escolhido para sucedê-lo. O problema é que o ex-mandatário está inelegível porque teve suas contas rejeitadas. Para voltar ao páreo, antes de tudo, ele precisa reverter a decisão da justiça.

Laços de família – Também aparecem na bolsa de apostas da oposição nomes ligados ao ex-deputado Inocêncio Oliveira, como seu neto Vitor, candidato na última eleição, que não levou, mas surpreendeu na reta final da campanha obtendo uma boa votação. Além do advogado e suplente do senador Humberto Costa, Valdemar Oliveira, irmão de Sebastião.

Independente – Se você chegou até aqui, respire e termine a leitura porque ainda temos os independentes, que não estão nem com um lado e nem com o outro. É o caso do radialista Marquinhos Dantas, da Comunidade Evangélica de Serra Talhada. Ele é um nome que pode se lançar novamente em 2020.

IMG-20190120-WA0209

Extrema Direita – A onda bolsonarista de extrema Direita pode chegar à disputa pela Prefeitura de Serra Talhada com o empresário João Daniel, o João da Ração, da Cedan Rações. Resta saber se o atual presidente terá a mesma força eleitoral que Lula. Isso vai depender de como será o Governo Bolsonaro nos seus primeiros anos. Hoje, Lula ganha bem não só em Serra, mas no estado

Curtas –

SELEÇÃO – João Campos abrirá seleção pública para compor 30% das vagas do seu gabinete. Serão duas vagas em Brasília (assessor parlamentar e assistente de comunicação) e duas vagas no Recife (assistente de conteúdo e analista de mídias digitais). Atenção, profissionais de Comunicação, outras informações em uma Live que o deputado eleito fará hoje, no FB e no Insta, às 12h30.
POSSE – O novo presidente do Ipa, Odacy Amorim, toma posse nesta terça, a partir das 10h, na sede da entidade, no Recife. À frente do instituto, Odacy vai dedicar-se à produção de bens e serviços agropecuários, por meio de pesquisa, extensão rural e infraestrutura hídrica.

CASA PRÓPRIA – O senador eleito Flávio Bolsonaro disse, ontem, em entrevista, que os depósitos fracionados em sua conta (96 mil em cinco dias) são fruto da venda de um apartamento. O filho do presidente ainda afirmou que teve de fazer 48 – eu falei 48! – depósitos de R$ 2 mil por causa do caixa eletrônico. Mas é santo esse senador…

Perguntar não ofende: até tu, Delfim?

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar