TOTAL 4

Assim como os tempos, como as pessoas, como a indústria, a imprensa também está passando por fortes mudanças e de uma forma bem mais intensa. Esta conversão se dá tanto pela necessidade de se atualizar às novas técnicas, à intensidade dos conteúdos e até da própria credibilidade, que recebe – ou não – aprovação do mercado e da sociedade em geral.

Para poder competir com essas novas tecnologias, é preciso fazer diferente, ter  um novo olhar sobre  o que se passa ao redor, para não incorrer no erro da repetição, que causa um grande desgaste e se perde no meio da estrada, sem conquistar mais o interesse  daqueles a quem se destina, nesse caso, os parceiros, os anunciantes e, sobretudo, os leitores.

Atenta a essas mudanças e às novas tendências, a Revista TOTAL, nesses 14 anos de existência, tem mantido o que deu certo e se atualizado para os tempos atuais. O Blog da Revista TOTAL é uma prova dessa atualização, assim como a sua inclusão nas redes sociais.

Mas, não obstante todas essas mudanças, essas novas tecnologias, a mídia impressa ainda tem leitores, milhares. Leitores esses que são qualitativamente relevantes, tem marcas e conteúdos de qualidade e relevância, com especificidades únicas que justificam o seu valor. Não só tem valor como tem também futuro, pois o papel enquanto suporte de comunicação não vai desaparecer, continuando a ter incalculável valor e insubstituível nomeadamente em conteúdos mais específicos e mais especializados.

Segundo um artigo do site imagens de marca, “hoje em Portugal 6 439 000 leem regularmente jornais ou revistas (75% dos indivíduos com mais de 15 anos, 65% jornais e 72% revistas), dos quais 1 444 000 são da classe A/B (alta/ média alta). A frequência de leitura semanal é de 2,4 vezes para os jornais e 1,4 vezes para as revistas. São números são relevantes a todos os níveis. Não podemos nem devemos ter a atitude de ignorar esta audiência e o seu valor. Apesar da quebra avassaladora e incontornável que o meio tem vindo a sofrer, as edições em papel têm, ainda, uma presença inequívoca na nossa indústria que não deve ser menosprezada”.

Numa altura em que as marcas procuram cada vez mais canais de comunicação que valorizem e potenciem e acrescentem valor à sua mensagem, é tempo de deitar mitos por terra e de ser pragmático e analítico na avaliação do real valor e potencial dos canais à nossa disposição. É tempo de voltar a olhar para a imprensa como um meio de valor e de futuro apesar da evolução tecnológica, tirando partido disso mesmo.

E é exatamente isso que as mídias do Grupo TOTAL vêm fazendo e, por conta disso, temos recebido cada vez mais elogios, além do aumento da credibilidade e do respeito de todos os segmentos, notadamente o político, pelas nossas análises e estudos que, há 12 anos, sempre resultam num percentual de mais de 90% de acertos nas previsões que fazemos.

EDIÇÃO 101

 

Marcelo Mesquita – Diretor-Presidente do Grupo TOTAL

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar