IMG-20171021-WA0091

Trinta e cinco representantes de países árabe-africanos foram informados das potencialidades do Estado de Pernambuco, durante encontro no Palácio do Campo das Princesas, no Recife, com o governador Paulo Câmara (PSB), organizado pelo Governo do Estado, Câmara de Comércio Árabe-Brasileira e Itamaraty.
Visando oportunidades de integração, parceria e de fortalecimento das relações comerciais entre Pernambuco, África e Arábia, o governador Paulo Câmara fez um relato sobre as diversas áreas econômicas do Estado, como serviços, turismo, educação e as áreas portuárias e aeroportuárias.
Paulo Câmara mostrou otimismo com o resultado. “Pernambuco foi o primeiro estado a receber uma delegação tão grande como essa, e isso nos dá a oportunidade de fazer uma integração com os povos árabes e africanos. Mostramos nossos potenciais em áreas como a de serviços, como os polos de informática e médico, e o que estamos fazendo na área de gestão, educação e turismo. Então, com certeza, a partir dessa visita, sairão protocolos e parcerias, pois queremos, cada vez mais, estreitar as relações comerciais com o povo árabe e com o africano”.

Os embaixadores conhecerão o Porto de Suape e o Estaleiro Atlântico Sul. O chefe do Executivo estadual ressaltou que será uma oportunidade importante para que conheçam em detalhes, a forma de Pernambuco fazer negócios. “Eles vão conhecer os estaleiros, o que pode gerar negócios, como encomenda e compra de navios. Ao mesmo tempo, vão conhecer Suape, que é uma grande porta de entrada para quem quer vender e comprar mercadorias em Pernambuco”.

O embaixador do Estado da Palestina e Decano do Conselho dos Embaixadores Árabes, Ibrahim Alzeben, afirmou que, diante do que foi explanado pelo governador Paulo Câmara, saiu da reunião com expectativas positivas, tendo encontrado bastante pontos de interesse em Pernambuco. “A vinda a Pernambuco pode render bons frutos. Esse Estado tem muitas potencialidades, seja no agronegócio, na tecnologia e, fundamentalmente, no transporte marítimo, porque o Recife (Pernambuco) é o ponto mais próximo à África e ao mundo Árabe”.

De acordo com o presidente da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Rubens Hannun, a movimentação comercial entre o Brasil e a Arábia é de cerca de US$ 450 milhões por ano. “O potencial de crescimento entre esses países é muito alto, mas não dá para calcular quanto de imediato porque esse estreitamento de relacionamento vai aumentando os negócios, a médio e longo prazo”.
Ele destacou que, após o encontro, os laços comerciais de Pernambuco com os países árabe-africanos deverão crescer bastante. “Nós já começamos a ver, inclusive, alguns acordos para intercâmbio de alunos e de universitários, o que aumenta a relação comercial entre as partes”.

O embaixador da Angola, Nelson Manuel Cosme, destacou que a escolha para que Pernambuco fosse o primeiro estado a ser visitado por toda a delegação foi muito feliz e registrou que o encontro foi “extremamente produtivo” e que em breve, dará resultados muito bons. “Valeu a pena visitarmos Pernambuco porque encontramos janelas de oportunidades e setores que podem, realmente, ter valor agregado na cooperação com a África e com os Países Árabes”.

Entre as áreas que mais chamaram a atenção do representante africano está a Educação. O destaque se deu após a explanação do governador Paulo Câmara sobre o desenvolvimento do setor no Estado ao longo de um trabalho de dez anos, resultando na melhor educação pública do Brasil, de acordo com o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).
“Para nós, foi importante saber que vocês têm um sistema educacional de referência. Então, nós gostaríamos de partilhar, de ver como é que Pernambuco conheceu esse milagre, saindo das últimas colocações para primeiro lugar e com níveis equiparados entre o setor público e o setor privado”, ressaltou o embaixador da Angola.

Também estiveram presentes à reunião, o secretário Márcio Stefanni, dePlanejamento e Gestão, Antonio Carlos Figueira, da Assessoria Especial, e o vice-prefeito do Recife, Luciano Siqueira (PCdoB).

Fotos: Roberto Pereira/SEI

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar