Blog do Inaldo Sampaio

Gilmar-Mendes-foto-Agência-Brasil2De acordo com estudo feito pela Universidade Federal do Paraná, a Justiça brasileira é uma das mais caras do mundo. Ela custou R$ 175 bilhões ao contribuinte no ano passado, quase 270% a mais que em 2015.

Isso equivale praticamente a todo gasto feito para o pagamento dos servidores da União, o que levou o ministro Gilmar Mendes (STF) a definir essas despesas como “baguncismo institucional”.

“Há um quadro de distorção proporcionado pelo próprio Judiciário, que deu aumentos indiscriminadamente e não freou as regalias. Autoridades viajam a trabalho sempre em assentos da classe executiva, assunto que já foi denunciado em representação ao CNJ. Outro ponto são os penduricalhos, como o auxílio-moradia concedido aos juízes. Não concordo. Isso consome R$ 800 milhões por ano, fora os salários dos magistrados e dos servidores. É um festival de absurdos”, disse o presidente do TSE.

Segundo ele, “gasta-se muito com juízes e desembargadores e todos parecem participar de uma corrida maluca. E não há estrutura básica para os servidores. No interior, você vê gente recebendo pelos tribunais e trabalhando nas prefeituras”.

De acordo com relatório elaborado pelo CNJ, o Judiciário brasileiro emprega 451.497 pessoas entre servidores efetivos e terceirizados, dos quais 17.338 são juízes, 278.515 servidores e 155.644, auxiliares.

Apesar disto, a Justiça brasileira é uma das mais lentas do mundo.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar