Por Márcio Maia

 

download (9)Desde o início do Século XIX, quando o imperador Pedro II começou a perseguir Pernambuco para se vingar dos nossos heróis que proclamaram a República da então província (Revolução Pernambucana de 1817), que somos vítimas de discriminação por parte do Governo Federal. Não podemos esquecer que, para se vingar de nosso povo, o então imperador tomou as terras da Comarca do São Francisco, que ia de Petrolina até a divisa com Minas Gerais, onde hoje existe o Estado das Alagoas, e vários municípios na divisa com a Paraíba e o Ceará. Por sinal, Roberto Magalhães, quando era deputado federal, deu entrada em um projeto exigindo a devolução da Comarca do São Francisco.

De lá para cá, somos perseguidos e discriminados.

Em todo esse período, cerca de 200 anos, só existem em Pernambuco, duas grandes obras federais.

A primeira, o Projeto de Irrigação de Petrolina, que o então senador Nilo Coelho, presidente do Senado, exigiu que as obras fossem iniciadas.

E a segunda, o complexo de contenção das águas do Rio Tapacurá (Barragens de Tapacurá. e Carpina), que foi uma exigência do então governador Eraldo Gueiros Leite, que chegou a fazer sérias ameaças usando sua condição de ministro do Tribunal de Contas da União.

A construção da duplicação da Rodovia Luiz Gonzaga (BR 232), no trecho entre o Recife e Caruaru, é uma verdadeira imoralidade. O então governador Jarbas Vasconcelos assumiu as despesas para as obras, embora a responsabilidade fosse do Governo Federal, aproveitando os recursos oriundos da venda das ações do antigo Bandepe. É importante lembrar que Marco Maciel era vice-presidente de Fernando Henrique Cardoso.

Para concluir a duplicação da BR 101 no trecho entre o Recife e Goiana, o então presidente Lula teve que recorrer ao Batalhão de Engenharia do Exército porque as construtoras estavam em um esquema sombrio, o qual não deixava as obras andarem.

Agora, com o drama dos nossos irmãos da Mata Sul e do Agreste, mais uma demonstração de desprezo com Pernambuco. Michel Temer anunciou que ia ajudar. Vocês abem qual foi a ajuda que ele deu? Um empréstimo de R$ 600 milhões, através do BNDES. Desde quando empréstimo é ajuda?

Mas, os pernambucanos não se quebram. Vamos continuar firmes e fortes, honrando nossas tradições culturais que herdamos dos Índios Caetés, a única tribo do Brasil que não se dobrou aos invasores portugueses, Felipe Camarão, Henrique Dias, Frei Caneca, Abreu e Lima e tantos outros.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar