Por Marcelo Mesquita

thumbsA decisão de Paulo Câmara (PSB) de afastar-se da campanha de Antônio Campos à Prefeitura de Olinda tem provocado muitos comentários negativos à imagem do governador.

Os aliados do candidato consideram que Paulo não está levando em consideração a condição do prefeiturável ser irmão do ex-governador Eduardo Campos. Eles entendem que Eduardo é o único responsável pela entrada na política do governador, que nunca havia disputado cargo algum e foi indicado pelo “padrinho” para ser seu sucessor no Palácio do Campo das Princesas.

Dizem que Eduardo chegou a discutir com vários assessores que não concordavam com a indicação, sugerindo à época, diversos nomes de maior potencial político/eleitoral, como Sileno Guedes, Waldemar Borges e Danilo Cabral. O governador no entanto, não aceitou as considerações e manteve a disposição de manter o nome. Sem qualquer cacife eleitoral, a candidatura de Paulo Câmara começou a campanha com menos de 10 por cento na preferência do eleitorado e só decolou quando o governador passou a aparecer no Guia Eleitoral, dizendo que era o seu candidato.
Com o prestígio em alta junto ao povo pernambucano, Eduardo conseguiu elegê-lo com facilidade, tal como havia feito anteriormente, com o hoje prefeito do Recife, Geraldo Julio. Por sinal, o prefeito da capital também não vem sendo visto com bons olhos pelos socialistas olindenses, partidários da candidatura de Antônio Campos.
Nenhum deles aceita a desculpa de que existem outros candidatos que fazem parte da Frente Popular de Pernambuco e que por isso, Paulo e Geraldo vão se manter afastados da campanha. Eles até entendem a decisão mas, ao mesmo tempo, enfatizam que a situação de Olinda é diferenciada, uma vez que o candidato é irmão de Eduardo e que por isso, os demais candidatos iriam entender e com certeza, não haveria problemas.
A Revista TOTAL e o Blog Revista TOTAL, como é de conhecimento de todos os pernambucanos, sempre se manteve ao lado de Eduardo Campos por entender que, em todas as situações, ele se mostrou um político competente e dinâmico e um gestor público e eficiente, tendo sido responsável por um avanço no desenvolvimento do Estado nunca visto em nossa história. Por essa razão, corroboramos com o pensamento dos aliados mais próximos de Antônio, achando que Paulo Câmara e Geraldo Julio deveriam ter, por uma questão de agradecimento, a coragem de enfrentar a situação e manifestar seus integrais apoios a Antônio Campos.
Afinal de contas, Antônio Campos é uma personalidade de grande importância no cenário não só pernambucano, mas brasileiro, como intelectual, escritor, advogado e político, pois foi escolhido pela cúpula do PSB para compor a Comissão de Ética do partido, uma das mais importantes da sigla.a, sugerindo diversos nomes deom va disputado cargo algum e foi indicado pelo partido.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar