Blog do Magno

Posse,2 ministros, Michel Temer 001 (5)-kqRG-U202773994668KF-1024x711@GP-WebO PSDB decidiu acompanhar com lupa todas as medidas adotadas agora pelo presidente interino, Michel Temer. O partido acredita que esse será o melhor termômetro para mensurar, na prática, as intenções do peemedebista de se colocar como candidato à Presidência em 2018. Integrantes da cúpula do tucanato falaram sobre o assunto na terça-feira (2), em almoço no gabinete do senador Tasso Jereissatti (PSDB-CE).

A conversa ocorreu no esteio das revelações de que aliados de Temer já projetam um cenário em que ele, conquistando bons índices de aprovação popular, dispute a eleição em 2018.

O interino desautorizou publicamente essas especulações, mas os tucanos elegeram outro termômetro como principal fonte para medir o apetite político de Temer: sua agenda no Legislativo.

Segundo um integrante da cúpula do partido, se o interino “começar a jogar para frente” projetos estruturantes e complexos, como a reforma da Previdência, haverá aí um forte sinal de que ele sucumbiu a uma pauta eleitoreira.

Durante o almoço desta terça, senadores do PSDB chegaram a dizer que o partido “deu a Presidência a Temer”, e agora ele precisa “dar um governo ao Brasil”. Se não for assim, diz um integrante da cúpula do partido, o PSDB estará “fora”.

Ciente das desconfianças que as especulações sobre uma possível disputa à reeleição causaram no ninho tucano, Temer propôs um encontro com os principais nomes do partido, um jantar, na própria terça. A agenda de votações do Congresso, entretanto, fez com que a conversa fosse adiada. Ela deverá acontecer na próxima semana. (Folha de S.Paulo – Daniela Lima)

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar