Por Márcio Maia

aluisio_moreira_sei_3_1O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) confirmou hoje (28) de manhã, ao apresentador Geraldo Freire, no programa Super Manhã, da Radio Jornal, que vai apoiar a candidatura do prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB). Ele explicou que o acordo para o apoio havia sido firmado com o então governador Eduardo Campos. “Como o meu partido, o PPS, está coligado com o PSB e não vejo nada na conduta de Geraldo Julio que impeça, vou trabalhar para sua campanha or entender que o melhor para a cidade do Recife”.
O político afirmou que ainda não decidiu como irá votar quando for decidir pela continuação do mandato da presidenta Dilma Rousseff (PT). Ele explicou não ter dúvidas de que o mandato de Dilma não vem alcançando êxito, mas adiantou que a decisão não pode ser tomada por esse aspecto. “Nossa legislação estabelece que o Presidente da República só pode perder seu mandato por prática de crime de responsabilidade. Sendo assim, vou esperar o relatório do senador Antônio Anastasia (PSDB-MG) para me posicionar”.
Ele reconheceu que o País vive um momento muito grave, com muitos casos de corrupção envolvendo políticos importantes e alguns dos maiores empresários do País, instabilidade política por falta de lideranças incisivas nos partidos e falta de perspectiva na economia e também no Poder Público nacional. Segundo ele, a instabilidade chegou a um ponto complicado, pois já estão na Câmara Federal, pedidos de impeachment do presidente interino Michel Temer (PMDB).
O senador revelou ter mantido contatos com a presidenta afastada e que sugeriu a ela que fizesse um pedido de renúncia juntamente com Temer, mas ela não acatou a sugestão, adiantando que quer manter a decisão dos 54 milhões de brasileiros que votaram nela. “Cheguei a dizer a ela que não havia mais o fantasma de Eduardo Cunha, mas mesmo assim, ela não acatou”, contou.
Apesar de todos os problemas, ele admitiu a hipótese de se candidatar à Presidência da República, caso isso seja definido pelo PPS. “Não vou procurar, mas se for convocado, estou pronto para estudar a questão e definir”, adiantou.
Buarque demonstrou muita preocupação com a instabilidade da política brasileira, acentuando que desde a redemocratização do País, um presidente já foi afastado (Fernando Collor) e outro (Dilma) está em processo de impedimento. “Isso é muito ruim para a vida democrática, uma vez que no regime presidencialista, não está previsto o afastamento do dirigente por incompetência”, explicou, adiantando que vai trabalhar para que seja definida uma nova forma de decidir esse tipo de problema.
Cristovam Buarque, que é senador por Brasília, nasceu no Recife e sempre teve forte vinculação com a política pernambucana. “Pernambuco é um Estado que sempre teve forte influência na vida política brasileira. Sempre nos mantivemos na vanguarda política, lutando pela liberdade e pela manutenção da Democracia”, acentuou.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar