81e5aa9a3aA condução do processo político municipal depende de fatores que vão além da esfera local. Um partido como o PSB, que protagonizou o cenário nacional com as candidaturas de Eduardo Campos e Marina Silva nas eleições de 2014, deveria trabalhar intensamente para reconquistar este espaço. Um erro recente, por exemplo, que poderia ter sido evitado, foi alijar dois partidos importantes de sua base de apoio.

Retirados de forma intempestiva dos cargos que ocupam na composição da gestão estadual, PSDB e DEM, que já tinham intenção de disputar a Prefeitura do Recife, ganharam mais combustíveis. Como consequência direta disso, surgiu uma oportunidade para que o Partido dos Trabalhadores (PT), enfraquecido no cenário da disputa do Recife, acrescentasse uma peça ao tabuleiro da sucessão: o ex-prefeito João Paulo.

Com isso, ficou praticamente concretizado um cenário de segundo turno. A visão míope de procurar apenas o fato local, em detrimento de uma articulação nacional, resultou em dificuldades para o alinhamento de futuras alianças para um segundo turno numa capital chave como o Recife, além de outras cidades do País.

Agora, novamente em Pernambuco, o partido se depara com outro momento decisivo e de repercussões duradouras. Cometerá um erro fatal, que pode ser a gota a transbordar o copo d’água numa tempestade perfeita, se fizer corpo mole ou não se engajar na pré-candidatura a prefeito de Olinda do advogado Antônio Campos – irmão do ex-governador Eduardo Campos e neto de Miguel Arraes.

Figuras emblemáticas na história política do Estado, Eduardo e Arraes conferiram ao PSB um prestígio nacional. Portanto, qualquer passo em falso terá repercussão de igual impacto. Entre amigos, é sabido que Antônio Campos tem se queixado da falta de apoio à sua pré-candidatura por parte do Palácio das Princesas.

Antes de tomar essa decisão, o PSB compreender a relevância das eleições em Olinda para suas pretensões. E, fundamentalmente, enxergar que num pleito acirrado como o que se aproxima, Antônio Campos apresenta virtudes determinantes para fazer frente aos desafios deste processo. Tem envergadura política e serviços prestados ao município e ao PSB. E quem o conhece sabe que é homem de enfrentamento e resistirá no PSB podendo causar graves danos às lideranças maiores do partido em Pernambuco, caso se sinta abandonado.

 

Blog do Magno

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar