Matéria foi publicada na edição nº 64, no dia 15 de novembro de 2013

A Revista TOTAL vem mantendo nos últimos oito anos a característica de fazer prognósticos sobre as gestões dos prefeitos pernambucanos. Na edição nº 64, que foi às ruas no dia 15 de novembro de 2013, a Revista publicou uma reportagem onde denunciava os desmandos do então prefeito de Gravatá, Bruno Martiniano (então no PTB) e mostrava que o seu percentual de rejeição junto à população era muito alto e que dificilmente, conseguiria chegar ao fim do mandato por conta das inumeras denúncias de má gestão e irregularidades administrativas.
Naquela edição, a TOTAL publicou declarações de seu tio, o advogado Flávio Martiniano Lins, ex-procurador do Município. Segundo ele, o prefeito Bruno Martiniano havia nomeado pessoas descompromissadas para atuar em pontos estratégicos, principalmente a Secretaria de Governo, onde Marcos Paiva tem realizado um péssimo trabalho. “O sr. Marcos Paiva não tem capacidade de ocupar o importante cargo para o qual foi designado. É uma pessoa muito rude, trata mal as pessoas. O pior de tudo é que o prefeito tem tomado conhecimento das inúmeras reclamações das pessoas que o procuram e não toma as providências necessárias. Não sabemos o que está acontecendo, pois ele esqueceu tudo que prometeu durante a campanha”, disse o Dr. Flávio.
O advogado também criticou as ações que vinham sendo praticadas pela Prefeitura, desalojando pessoas carentes de suas residências, sem ordem judicial e prévio aviso. “O prefeito deveria procurar o juiz da Comarca para providenciar uma ordem judicial e não, expulsar o povo de suas casas de forma arbitrária”, denunciou.
Ele também denunciou sérios problemas na Secretaria da Saúde, os quais teria começado com a nomeação do farmacêutico Ivan Simões para a função. Ele apontou a reforma que estava sendo feita na ocasião, no Hospital Municipal, considerando-a como uma obra de fachada e que os pontos críticos não estavam sendo solucionados. “O prefeito Bruno Martiniano deveria mandar fazer uma  reforma decente, pois as enfermarias estão imunda, cheias de teia de aranha e o elevador estava quebrado”, reclamou. Ele disse ainda ter ido visitar uma criança com infecção hospitalar e ficado apavorado com o que havia visto.
Flávio Martiniano aconselhou o sobrinho a se espelhar no pai, Sebastião Martiniano, que, durante um ano e quatro meses, realizou um trabalho digno de elogios e que fez com que o sobrinho fosse eleito.

INTERVENÇÃO – O prefeito Bruno Martiniano foi afastado por determinação do Tribunal de Justiça, que acatou a solicitação do Ministério Público. O governador Paulo Câmara nomeou o coronel da Polícia Militar Mário Cavalcanti como interventor. Nos primeiros dias de administração, o oficial encontrou várias irregularidades, inclusive com a danificação dos computadores e extravio de documentos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar