dengue

Os agentes de saúde que estão trabalhando no combate ao mosquito Aedes aegypti estão tendo muitas dificuldades para realizar as ações necessárias para a extinção do problema. Por incrível que pareça um dos maiores empecilhos encontrados pelo pessoal é a incompreensão da própria população, que é a grande prejudicada. Muita gente está colocando obstáculos ao pessoal que está fazendo as visitas aos domicílios. Outro grande problema é o grande número de imóveis abandonados, onde são inúmeros os locais onde os insetos encontram ótimas condições para a reprodução.
Os agentes têm feito muitas reclamações, pois não encontram justificativas para a recusa. Eles pedem para não serem identificados, mas a reclamação maior é contra os proprietários dos imóveis de classes média e alta. Um jovem agente disse que algumas vezes chegam a ser humilhados por pessoas que os comparam a pedintes e até com assaltantes. “Nós mostramos nossa documentação, falamos que o trabalho é importante, mas não conseguimos convencer as pessoas a nos deixarem entrar para a vistoria”, afirmou o agente ao BLOG REVISTA TOTAL.
Nesses bairros onde moram as pessoas mais abastadas, são encontrados com frequência, imóveis abandonados, alguns até com piscinas com água sem tratamento, além do mato sem corte e inúmeros locais propícios para a proliferação do mosquito. O agente entrevistado pelo BLOG disse que a chegada dos soldados do Exército foi importante para melhoria do trabalho. “Tem muita gente que não deixa a gente entrar, mas quando vêm um soldado do Exército mesmo com mau vontade, nos deixa fazer a vistoria”, contou.
“Quando a gente mostra os problemas muita gente fica revoltada e não quer mudar a posição dos objetos. É muito complicado porque eles não querem admitir que estão errados. Esquecem que o mosquito pode atacar todo mundo. Eles não fazem distinção de quem é rico e quem é pobre”, relatou o agente, mostrando indignação com a falta de respeito e de cidadania das pessoas.
O prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), tem dado várias entrevistas sobre o assunto e tem enfatizado que o Poder Público sozinho não vai resolver a questão. “A Prefeitura do Recife está envidando todos os esforços para erradicar os focos de mosquito, usando toda a capacidade de trabalho dos setores envolvidos. No entanto, nada será possível sem a conscientização da população”, enfatizou.
INTERIOR – O problema também está sendo sentido pelos agentes de saúde ambiental das cidades do Interior, onde são encontrados também imóveis fechados e outros onde os proprietários não permitem o acesso dos trabalhadores. A Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) está preocupada com a situação, como afirmou o presidente da entidade, José Patriota (PSB). Segundo ele, estão sendo tomadas providências para resolver o problema da falta de consciência de muita gente.
Os dirigentes da entidade está orientando os prefeitos para que entrem na Justiça solicitando autorização legal para o uso da força para que as vistorias possam ser feitas. “Esse comportamento das pessoas é incompreensível e inadmissível. Todo mundo tem que participar do trabalho, uma vez que a situação é gravíssima e as doenças geradas pelo mosquito atingem a todos. Não adianta mil pessoas cuidarem bem de suas residências e um não cuidar”, acentuou Patriota, que também é prefeito de Afogados da Ingazeira, no Sertão do Estado, onde as Prefeituras estão realizando intensos trabalhos contra o mosquito.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar