A autorização do presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para o início do processo de análise do pedido de impedimento da presidenta Dilma Rousseff (PT) repercutiu entre os políticos pernambucanos. Alguns favoráveis e outros contrários, apontando que o afastamento da gestora federal é “um golpe contra a Democracia, pois ela foi eleita pela maioria do eleitorado brasileiro”, como ressaltou o senador Humberto Costa (PT), líder do governo no Senado.
O senador petista disse ainda que a decisão do deputado carioca foi tomada como retaliação contra o Partido dos Trabalhadores, pois foi tomada logo após ele ter tomado conhecimento que os três deputados federais do PT integrantes da Comissão de Ética anunciaram seus posicionamentos favoráveis à investigação contra Cunha por falta de decoro parlamentar. O pedido de averiguação diz que Cunha mentiu ao dizer que não tinha dinheiro depositado em contas secretas na Suiça.
O deputado federal Sílvio Costa foi mais incisivo e disse que Eduardo Cunha não tem moral para pedir o impedimento, uma vez que ele responde a processo por falta de decoro parlamentar. “Ele não tem moral para pedir o afastamento de nenhum político e ele só tomou essa decisão agora, como chantagem para tentar reverter a complicada situação em que se encontra. A presidenta Dilma pode ter tomado decisões administrativas erradas mas é uma pessoa honesta e séria”, asseverou.
O deputado federal Mendonça Filho (DEM) negou que o pedido de impeachment seja uma tentativa de golpe, uma vez que está previsto na Constituição Federal, lembrando que há 23 anos, o próprio PT usou a mesma estratégia para pedir o afastamento do então presidente Fernando Collor. O PT também pediu em diversas ocasiões o impeachment do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).
O também parlamentar federal Bruno Araújo (PSDB) considera o pedido legítimo porque o embasamento feito pelos advogados Miguel Reali Junior, Hélio Bicudo e Ana Paschoal é forte. “Os três juristas se basearam em atos praticados por Dilma Rousseff no exercício da Presidência da República, os quais estão sendo considerados como ilegais. Tudo agora, vai ser investigado”, concluiu.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar