Arquivos do mês setembro 2015

bruno

Líder da Oposição na Câmara Federal, o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) participou, nesta quinta-feira (10), do lançamento do movimento pelo impeachment da presidente Dilma, que também contou com o apoio maciço da bancada do PSDB e de outros partidos, além dos movimentos que organizaram as manifestações de rua contra a petista. “É um dia histórico. Começou hoje o processo de afastamento da presidente”, disse ele.

O parlamentar explicou que o movimento vai aguardar um despacho do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para que abra o processo contra a petista. Atualmente há 17 pedidos em análise na Câmara. Caso o presidente não faça o despacho, os deputados pretendem apresentar recurso em plenário.

“Esperamos que o presidente acolha algum pedido. Se ele não fizer isso, nós vamos recorrer e ele tem o dever regimental de colocar em votação. Os procedimentos que vão acontecer são tutelados à luz do Direito e da ordem e do mandamento popular, que tem a compreensão de que, além dos ilícitos que foram cometidos, não temos mais condições de ter a Nação conduzida por uma presidente que levou o país a sua maior crise”, argumentou.

28/10/2009. Credito: Julio Jacobina/DP/D. A Press. Michel Zaidan professor da UFPE organiza seminario sobre  os vinte anos da queda do Muro de Berlim.
Credito: Julio Jacobina/DP/D. A Press.

Do G1 PE

O cientista político e professor titular da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Michel Zaidan recebeu uma interpelação judicial onde é convocado a comparecer à 7ª Vara Criminal em um processo movido pelo governador de Pernambuco, Paulo Câmara. Apesar da notificação, o professor afirma desconhecer o motivo da ação, uma vez que não veio especificado no documento. A notificação chegou na terça-feira (8).

Essa não é a primeira vez que Zaidan é processado por um governante. “O ex-governador Jarbas Vasconcelos moveu, por duas vezes, processo [contra mim] e vinha com prazo para defesa prévia e vinha claro quais eram as alegações. Veio apenas marcada a audiência no dia 11 de novembro, na 7ª Vara Criminal, mas não fala a razão da queixa”, aponta.

Para o professor, houve algum desencontro no caso. “Acho que houve certo atropelo da tramitação judicial. Por mais que seja um governador, a justiça tem um trâmite próprio. Como você pode se defender, sem saber o que está sendo alegado? Em geral, vem uma peça com o motivo da ação”, questiona Zaidan.

O professor especula quais são os motivos, como a questão da construção da Arena Pernambuco, que é investigada atualmente pela Polícia Federal, mencionada pelo cinentista em artigos. Na ocasião, a PF afirmou que a obra pode ter sido superfaturada em R$ 42,8 milhões. “Acho que pode ser por causa da Arena Pernambuco, porque ele foi vice-presidente do Comitê da Copa, há uma denúncia grave da Polícia Federal. Mas não tenho certeza, há muitos problemas em Pernambuco”, afirma.

No site do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), é possível identificar o processo, mas não há detalhamento do mesmo. Procurado pelo G1, o governador de Pernambuco informou, por meio da assessoria de imprensa, que não iria se manifestar sobre o assunto.

Laís Alegretti e Alexandro Martello
Do G1, em Brasília

Um dia depois de a agência de risco Standard & Poor’s tirar o “selo de bom pagador” do Brasil, a presidente Dilma Rousseff realizou uma reunião de emergência na manhã desta quinta-feira (10) com ministros da coordenação política para tratar do rebaixamento do país.

A reunião de coordenação política, que envolve os principais ministros do governo, ocorre geralmente às segundas-feiras. Nesta semana, por causa do feriado da Independência, foi realizada na terça (8). O encontro desta quinta, marcado pela presidente, tem caráter extraordinário.

A nota do país foi rebaixada de “BBB-” para “BB+”, com perspectiva negativa. O rebaixamento do rating do Brasil para a categoria “especulativa” acontece menos de 50 dias após a agência ter mudado a perspectiva para negativa.No início desta quinta, o dólar operava em alta, após a notícia do rebaixamento.

A reunião teve início às 9h e terminou por volta de 11h. Segundo o Palacio do Planalto, participaram o vice-presidente, Michel Temer, os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), Joaquim Levy (Fazenda), Edinho Silva (Comunicação Social), Eduardo Braga (Minas e Energia), Gilberto Kassab (Ministério das Cidades), José Eduardo Cardozo (Justiça), Nelson Barbosa (Planejamento), Ricardo Berzoini (Comunicações). Também estão presentes o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), líder do governo no Senado, o senador José Pimentel (PT-CE), líder do governo no Congresso, e o deputado José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara.

Os ministros não falaram com a imprensa após a reunião. Uma entrevista coletiva foi marcada para o Ministério da Fazenda no início da tarde.

Fechar