Filipe Matoso
Do G1, em Brasília

O PSB integrou o governo petista desde o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Porém, a legenda rompeu com o governo Dilma Rousseff no ano passado, quando o ex-governador Eduardo Campos decidiu se candidatar a presidente da República. Desde então, o partido passou a adotar uma postura independente no Congresso Nacional.

Anunciada no mês passado com o objetivo de cortar dez ministérios, a reforma ministerial deverá ser anunciada nesta quinta-feira (1).

Ao longo das últimas semanas, a presidente Dilma se reuniu com conselheiros políticos, dirigentes partidários e ministros para discutir as mudanças no primeiro escalão. Nesse período, ela manteve reuniões diárias com o vice-presidente Michel Temer e chegou a chamar a Brasília o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ao G1, um dirigente do PSB disse nesta quarta, sob a condição de anonimato, que, embora tenha recebido “sondagens” para voltar à base aliada e assumir um ministério, o partido “nunca cogitou essa possibilidade”.

Integrante da cúpula do partido, esse dirigente acrescentou que o partido “tem disposição” de ajudar o país a sair da crise política e econômica que vem enfrentando, desde que o governo apresente “propostas concretas que sirvam ao Brasil”.

“Não há ninguém, uma pessoa no partido que defenda essa hipótese de assumirmos um ministério. Nós temos disposição de ajudar o país a sair desta crise se houver, por parte do governo, propostas que sirvam ao país, mas assumir cargos, não. Existiram sondagens nesse sentido [de o PSB assumir um ministério], mas isso não está na nossa pauta”, declarou.

Segundo assessores da Presidência, se o PSB aceitasse ocupar um ministério na Esplanada, possivelmente a pasta da Ciência e Tecnologia, atualmente chefiada por Aldo Rebelo (PC do B), seria cedida à legenda.

Com a nomeação do ministro da Defesa, Jaques Wagner, para a Casa Civil, Aldo Rebelo passará a comandar a Defesa.

Diante da sinalização negativa do PSB, o Ministério da Ciência e Tecnologia pode ficar com o PMDB.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar