feiranova

Do Blog Giro Mata Norte

O plano de contingenciamento entre os municípios pernambucanos chegou no município de Feira Nova, Agreste do Estado, a 100 km do Recife.

Diante da crise financeira que assola o Brasil, o prefeito Nicodemos Barros (PSB), convocou a imprensa na manhã da última quarta-feira (23) na Sede do governo municipal, para falar sobre as dificuldades que a Terra da Farinha vem enfrentando. O Gestor levou a sério a expressão “cortar na carne” e reduziu o próprio salário junto com os sete secretários municipais e demais cargos comissionados.

O prefeito reduziu o salário bruto em 20%, ou seja, dos R$ 12 mil passa para R$ 9,600 mil. Já os secretários que recebiam R$ 4 mil passam a receber R$ 3,200 mil. A medida é uma das ações para economizar R$ 65 mil por mês.

De acordo com o prefeito Nicodemos Barros o município tem sete secretários municipais, 721 servidores efetivos, 142 pessoas contratadas e 48 cargos comissionados dos 152 que tem direito por lei. “A promoção destes cortes é necessário e de fundamental importância para o equilíbrio da máquina pública para a manutenção dos serviços básicos bem como o pagamento da folha do pessoal”, Explicou o prefeito.

Ainda segundo o prefeito houve a suspensão dos veículos da prefeitura como ônibus para excursões nos finais de semana e redução de expediente nos prédios públicos.

Pelo plano divulgado nesta quarta-feira, os colaboradores de cargos comissionados e contratados terão uma redução de até 20% nos salários. O percentual mais alto de até 100% nas gratificações.

O secretário de Administração e finanças, Ivan Felipe, disse que o uso de energia e água em todos os prédios públicos municipais, inclusive nas quadras da cidade também foram reduzidos. “Os próprios diretores e servidores destes locais são os fiscais, ou seja, eles são responsáveis para apagar as luzes, desligar aparelhos de ar-condicionado quando ninguém estiver nas instalações”, pontuou Ivan Felipe.

Diante de todas essas dificuldades elencados pelo prefeito, a 15ª Festa da Farinha foi cancelada por falta de recursos. De acordo com o gestor em 2013 a festa também foi cancelada por falta de verba.

Durante a coletiva de imprensa o prefeito Nicodemos Barros foi informado pelo secretário de finanças Ivan Filipe, que o Tribunal de Contas do Estado enviou um ofício de alerta 304/15 sobre o montante da despesa com pessoal do Poder Executivo que alcançou 57,83% da receita corrente líquida do 1º quadrimestre de 2015. Segundo o prefeito o limite é de até 54% da folha.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Fechar